Search
Close this search box.

MS registra 1º foco de influenza aviária em aves de subsistência

20 de setembro de 2023

Esse é o primeiro foco da doença registrado no estado, e o terceiro em aves de subsistência detectado no Brasil.
Compartilhe no WhatsApp
Mato Grosso do Sul registra primeiro foco de influenza aviária em aves de subsistência

O Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) confirmou nesta segunda-feira (18) a detecção do vírus da influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP – H5N1) em uma criação de aves domésticas de subsistência na cidade de Bonito, Mato Grosso do Sul.

As medidas sanitárias estão sendo aplicadas pelo Serviço Veterinário Oficial para contenção e erradicação do foco, bem como estão sendo intensificadas as ações de vigilância em populações de aves domésticas na região. Não há estabelecimentos avícolas industriais nas áreas de risco epidemiológico ao redor do foco.

Casos de Influenza Aviária no Brasil

O total de focos confirmados no Brasil sobe para 103, sendo 100 em aves silvestres e 03 de aves de subsistência. O novo foco não consta na primeira atualização do Painel BI, mas será incluído ainda na data de hoje. Na plataforma disponibilizada pelo Mapa é possível consultar as quantidades de focos, locais e as espécies afetadas pelo vírus.

A ocorrência do foco confirmado de IAAP em aves de subsistência não traz restrições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros. O consumo e a exportação de produtos avícolas permanecem seguros.

O Mapa segue alertando a população para que não recolham as aves que encontrarem doentes ou mortas e acionem o serviço veterinário mais próximo para evitar que a doença se espalhe.

Não há mudanças no status brasileiro de livre da influenza aviária perante a Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), por não haver registro da doença na produção comercial.

Por MAPA

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira