Search
Close this search box.

Mocidade Independente de Padre Miguel desfila com clones de cajueiros no Rio de Janeiro

14 de fevereiro de 2024

Escola de samba traz enredo que celebra a brasilidade do caju e a tecnologia da cajucultura, promovendo inovação e tradição durante o carnaval carioca.
Compartilhe no WhatsApp
Mocidade Independente de Padre Miguel desfila com clones de cajueiros no Rio de Janeiro

Por ser fruta nativa brasileira, o caju foi escolhido como enredo da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel para o carnaval deste ano, no Rio de Janeiro. “Fruta brasileira não é banana, não é maçã. É caju!”, disse à Agência Brasil o chefe-geral da Embrapa Agroindústria Tropical, Gustavo Saavedra. Não só a história e a tradição dessa fruta estarão no desfile, como também inovações da ciência brasileira. Clones de mudas de cajueiros, algo que parece ficção científica, vão cruzar a avenida com os foliões.

O enredo, intitulado “Pede caju que dou… Pé de caju que dá”, assinado pelo ator e humorista Marcelo Adnet e por Paulinho Mocidade, entre outros compositores, promete trazer à Marquês de Sapucaí toda a essência e o potencial da cajucultura nacional. Desde julho, a Embrapa Agroindústria Tropical vem colaborando com a escola, fornecendo informações técnicas que permearam não apenas o samba-enredo, mas também a construção dos carros alegóricos.

Na reta final, um cajueiro foi plantado na Cidade do Samba, em área reservada pela Liesa para a Mocidade. Além disso, a Embrapa doou 500 mudas de cajueiros anões, também chamadas clones, para compor o carro alegórico que destaca a tecnologia de produção do caju. Cada clone demora cerca de 30 anos para se desenvolver completamente, mas garante características de produção uniformes e avançadas.

Após o desfile, as mudas foram doadas à comunidade, como parte de uma ação social promovida pela escola, reforçando não apenas a celebração cultural do caju, mas também a valorização do meio ambiente e da sustentabilidade. A presença dos clones na avenida representa não apenas uma homenagem à tradição, mas também um olhar para o futuro da cajucultura brasileira.

A Mocidade Independente de Padre Miguel demonstra, mais uma vez, sua capacidade de unir arte, cultura e tecnologia, levando para o maior espetáculo da terra uma mensagem de inovação e orgulho nacional através da riqueza da nossa biodiversidade. O caju, símbolo de brasilidade, ganha destaque no carnaval carioca, mostrando que, quando ciência e tradição se encontram, o espetáculo é garantido.

image 23
Uma das alegorias que esteve na avenida no desfile da Mancha Verde — Foto: Divulgação

Enquanto isso, a Mancha Verde, que ficou em 5º Lugar no Carnaval de São Paulo, também traz para o Sambódromo uma temática agrícola. Com o enredo “Do nosso solo para o mundo: o campo que preserva, o campo que produz, o campo que alimenta”, a escola paulistana homenageia a agricultura familiar, destacando a importância do pequeno agricultor e promovendo a conscientização sobre práticas sustentáveis. O desfile da Mancha Verde também destaca a necessidade de se valorizar a produção agrícola sem desperdícios e com respeito ao meio ambiente, promovendo a esperança em um futuro ais sustentável e próspero para todos.

Fonte: Forbes Brasil e Globo Rural

Por Agência Agrovenki

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O saldo alcançou US$9,42 bilhões, aumento de 14,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior
Programas de destaque incluem “Vivenciando a Prática”, que já mostrou realidade do agronegócio a mais de 30 mil estudantes e professores, e a Agroteca Digital
O estudo foi realizado pela HR Tech Mereo, plataforma integrada de gestão de pessoas presente em cerca de 40 países, responsável por atender a 10% das 500 maiores empresas do Brasil.
Totalizando R$ 228,6 bilhões o valor representa 22,2% do total do PIB estadual