Search
Close this search box.

Milho segue com exportações aquecidas no Brasil

20 de dezembro de 2022

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 443,068 milhões em dezembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 63,295 milhões
Compartilhe no WhatsApp
Milho segue com exportações aquecidas no Brasil
Exportação de milho do Brasil segue muito aquecida – Foto: Divulgação/SAFRAS

O mercado brasileiro de milho vivenciou mais uma semana de lentidão nos negócios no cenário doméstico e de forte movimento nas exportações. Segundo a SAFRAS Consultoria, os consumidores estão bem abastecidos de estoques para atender a demanda de final de ano e os produtores seguem adotando uma estratégia de reter as intenções de venda do cereal.

Os preços do milho seguiram sustentados em boa parte do país, com as preocupações com as perdas na produção do cereal no Rio Grande do Sul, por conta da estiagem, e com as dificuldades logísticas que se desenham a partir do começo de 2023 para o deslocamento de cereal a grandes distâncias, por conta da concentração dos agentes na colheita e escoamento da soja.

As cotações ao longo da semana também reagiram nos portos, diante do movimento de alta do dólar frente ao real, em meio à continuidade das incertezas econômicas com relação ao novo governo. A tendência para as últimas duas semanas de 2023, de acordo com a SAFRAS Consultoria, é de um ritmo de negócios ainda mais travado no mercado doméstico e, com alguma possibilidade de avanços na exportação, a depender do comportamento do câmbio.

No mercado brasileiro, o valor médio da saca de 60 quilos do cereal ao longo da semana teve uma variação positiva de 1,03%, passando de R$ 84,49 para R$ 85,36. O preço da saca em Campinas/CIF, disponível ao produtor, subiu 2,22%, de R$ 90,00 para R$ 92,00. Na região Mogiana paulista, o cereal foi cotado a R$ 88,00 a saca, contra os R$ 86,00 da última semana, avanço de 2,33%.

Em Cascavel, no Paraná, no comparativo semanal, o preço da saca recuou 0,59%, de R$ 85,00 para R$ 84,50. Em Rondonópolis, Mato Grosso, a cotação seguiu em R$ 76,00 a saca. Em Erechim, Rio Grande do Sul, o preço no balanço semanal avançou 1,06%, de R$ 94,00 para R$ 95,00. Em Uberlândia, Minas Gerais, o preço na venda subiu 1,25%, de R$ 80,00 para R$ 81,00. Já em Rio Verde, Goiás, o preço na venda aumentou 3,9%, de R$ 77,00 a saca para R$ 80,00.

Exportação de milho

As exportações de milho do Brasil apresentaram receita de US$ 443,068 milhões em dezembro (7 dias úteis), com média diária de US$ 63,295 milhões. A quantidade total de milho exportada pelo país ficou em 1,515 milhão de toneladas, com média de 216,503 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 292,40.

Em relação a dezembro de 2021, houve alta de 90,3% no valor médio diário da exportação, avanço de 46% na quantidade média diária exportada e valorização de 30,3% no preço médio. Os dados são do Ministério da Economia e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior.

O line-up, a programação de embarques nos portos brasileiros, indicou que poderão ser exportadas 8,180 milhões de toneladas de milho dezembro, conforme levantamento de SAFRAS & Mercado. Desse total, 2,914 milhões de toneladas já foram embarcadas. Para janeiro, o line-up prevê embarques de 566,4 mil toneladas.

No acumulado de fevereiro/22 a janeiro/23, a programação de embarques até agora aponta volumes de 44,324 milhões de toneladas de milho.

Fonte: SAFRAS & Mercados

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em uma análise recente divulgada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as projeções apontam para um futuro promissor para o agronegócio brasileiro, especialmente para o setor de milho.
A primeira safra de milho foi projetada em 26,8 milhões de toneladas em 2024, queda de 3,3% ante 2023.
O milho é um dos principais grãos produzidos no mundo, e o Brasil é um dos principais produtores e exportadores
O Ministério de Agricultura e Pecuária (Mapa) e o Ministério de Relações Exteriores (MRE) anunciaram a consolidação do Vietnã, Tailândia, Turquia e Nova Zelândia como mercados consumidores de farelos de milho e cereais utilizados como insumos para produção de proteínas, conhecido como DDG/DDGS.