Mercados sentem pressão do petróleo

Açúcar perde mais de 2% em NY e 1% em Londres, nesta tarde de 2ª feira. Mundo sente pressão do petróleo, além de seguir atento para as safras de Brasil e Índia.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Mercados sentem pressão do petróleo
Açúcar perde mais de 2% em NY e 1% em Londres
Áudio

As cotações futuras do açúcar caíam fortemente nesta tarde de segunda-feira (10) nas bolsas de Nova York e Londres. O mercado acompanha a pressão do petróleo no internacional e câmbio, além das informações de desenvolvimento da safra do Brasil e na Índia.

Por volta das 13h10 (horário de Brasília), o açúcar bruto tinha desvalorização de 2,05%, negociado a US$ 17,67 c/lb na Bolsa de Nova York. Já no terminal de Londres, o primeiro vencimento perdia 1,38%, negociado a US$ 479,10 a tonelada.

O mercado do adoçante perdia forças neste início de semana acompanhando no financeiro a queda do petróleo em meio temores com a demanda, além de alta do dólar sobre o real. Além disso, nos fundamentos, segue atenção para as origens produtoras.

“Após o longo período seco, as chuvas nos últimos meses de 2021, na região canavieira, ainda que abaixo da normalidade, aliviaram parte do alto estresse que a cana vinha sofrendo”, destacou em nota o Itaú BBA sobre os impactos na safra do Brasil.

Na Índia, a nova safra está em andamento e os números de produção apresentam alta ante o mesmo período do ano anterior. Além disso, segue atenção para a demanda pelo adoçante em meio avanço da variante ômicron pelo mundo.

“Ideias de demanda mais fraca ainda estavam no mercado com relatos de novos bloqueios na Europa enquanto o Covid voltava para lá. Algumas lojas e restaurantes estão fechando nos EUA”, disse Jack Scoville, vice-presidente da Price Futures Group.

Fonte: Notícias Agrícolas/Por Jhonatas Simião
Crédito da foto: Reprodução CHBAgro

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Com a procura internacional crescente, o clima favorável para a produtividade, a qualidade dos produtos e os novos mercados crescem as vendas externas da fruticultura brasileira
Um novo levantamento divulgado pela Emater-MG mostra que milho, feijão e hortaliças foram as culturas mais afetadas pelo excesso de chuvas. As perdas são grandes
Embrapa lança edital para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes de amendoim forrageiro. Trata-se de uma oportunidade dos agricultores diversificarem produtos
Desempenho no ano passado representa uma evolução de 10,3% em receita cambial, na comparação com 2020. Já no montante de quedas houve queda importante e esperada