Panorama do mercado de carne bovina mostra menor demanda e preços mistos

Frigoríficos ainda encontram grande dificuldade na composição de suas escalas de abate, voltando a operar com estoques enxutos
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Panorama do mercado de carne bovina mostra menor demanda e preços mistos
Áudio

Depois de operarem no encerramento de abril nas máximas nominais da série do Cepea, os preços da carne bovina recuaram ao longo de maio no mercado atacadista da Grande São Paulo. No dia 31 de maio, a carcaça casada bovina foi negociada a R$ 19,80/kg, à vista, acumulando queda de 2,65% frente à média verificada no dia 30 de abril. Trata-se, inclusive, da primeira queda no acumulado de um mês neste ano. 

Segundo pesquisadores do Cepea, a pressão vem da demanda interna bastante enfraquecida, tendo em vista o atual contexto econômico, o desemprego elevado e o consequente poder de compra fragilizado da maior parte da população brasileira. 

Além disso, os preços competitivos das principais carnes concorrentes, a suína e avícola, reforçam a menor procura pela proteína bovina. Agentes de frigoríficos consultados pelo Cepea indicam dificuldades em vender a carne nos atuais patamares. 

Assim, enquanto as unidades de abate habilitadas a exportar acabam tendo as vendas internacionais como “válvula de escape” – favorecidas especialmente pelo dólar elevado e pela demanda externa aquecida –, as que trabalham apenas com o mercado brasileiro relatam estar com as margens apertadas. 

Arroba do boi no mercado

Na sexta-feira, 04/06, o mercado físico de boi gordo registrou preços mistos. “O quadro geral ainda apontava para oferta restrita em grande parte do país. Os frigoríficos ainda encontram grande dificuldade na composição de suas escalas de abate, voltando a operar com estoques enxutos”, diz o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias. 

Segundo ele, o primeiro giro de confinamento é mais tímido em 2021, avaliando o recente comportamento dos custos pecuários, com os preços da reposição e da nutrição animal em seu topo histórico. “Ou seja, houve uma menor atratividade para o confinador. Para o segundo giro de confinamento ocorre o inverso, com a perspectiva de pelo menos uma retração dos preços da nutrição animal ao longo do segundo mestre, somada a uma curva futura mais atraente na B3; logo a tendência é por avanços do volume de animais confinados”, assinala Iglesias. 

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 317, na modalidade a prazo, estável. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 301 a arroba, ante R$ 300 na quarta-feira. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 305, estável. Em Cuiabá, a o valor da arroba foi indicado em R$ 304 – R$ 305, ante R$ 304. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 305 a arroba, ante R$ 305 – R$ 306. 

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina subiram. Conforme Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere pela continuidade do movimento durante a primeira quinzena de junho, consequência da entrada da massa salarial na economia, motivando a reposição entre atacado e varejo. “Somado a isso precisa ser considerada a maior dificuldade dos frigoríficos na composição de suas escalas de abate, resultando em estoques enxutos, situação que aumenta a propensão a reajustes”, diz Iglesias. 

Com isso, o corte traseiro teve preço de R$ 20,70 o quilo, alta de 35 centavos. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,25 o quilo, alta de 35 centavos, assim como a ponta de agulha, com mesmo preço e variação. 

Fonte: Cepea/ Safras & Mercado
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal MAB

 

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.