Search
Close this search box.

Com melhoramento genético, é possível produzir mais e melhor, além de alimentar e vestir o mundo com segurança

17 de janeiro de 2024

o melhoramento genético tem contribuído para tornar as lavouras mais sustentáveis.
Compartilhe no WhatsApp
Com melhoramento genético, é possível produzir mais e melhor, além de alimentar e vestir o mundo com segurança

O melhoramento genético tem se mostrado cada vez mais essencial na agricultura. Nas últimas décadas, a inserção de biotecnologias nos processos de pesquisa e desenvolvimento de cultivares tem assegurado lavouras mais produtivas e rentáveis. Como resultado, estamos produzindo mais e melhor e nossas culturas podem alimentar mais pessoas no mundo com segurança.

O Brasil, cujo agronegócio é referência mundial, tem colhido frutos dos avanços tecnológicos, tanto do ponto de vista da genética quanto no que diz respeito à transformação digital que está ocorrendo nas empresas do setor e também nas propriedades rurais de todos os portes.

Dados da Secretaria do Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços mostram que a balança comercial brasileira do agronegócio encerrou 2023 com superávit recorde de US$ 98,839 bilhões, um avanço de 60,6% sobre 2022. O bom resultado foi impulsionado pela agropecuária, que negociou US$ 81,5 bilhões no período, 9% a mais que em 2022 (US$ 74,8 bilhões).

Mais que isso, o melhoramento genético tem contribuído para tornar as lavouras mais sustentáveis. Com cultivares resistentes a diversas pragas, doenças e condições climáticas extremas, os produtores se beneficiam de lavouras mais produtivas e rentáveis, com menor uso de defensivos químicos, desde que faça o manejo correto e planeje a safra com a cultivar mais apropriada.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a agricultura brasileira tem feito progresso rumo à sustentabilidade ao longo das últimas décadas, com destaque na produção integrada da agropecuária, produção agroflorestal e integração lavoura-pecuária-floresta.

De acordo com o Ipea, o país tem liderado o crescimento da produção agrícola sustentável nos últimos 20 anos.

O estudo mostra que o “Efeito poupa-florestas” (índice que aponta a extensão de terra que o país consegue poupar, utilizando-se de mudanças tecnológicas e técnicas, mantendo ou aumentando a produção de alimentos) alcançou a marca de 43,2% de área poupada do território brasileiro em 2020, sendo maior do que a área efetivamente usada na agropecuária do país.

Além das culturas que servem para alimentar a população, na cultura do algodão, por exemplo, estamos alcançando índices de qualidade de fibra muito acima do imaginado décadas atrás, o que repercute no mercado. 

A produção e a produtividade de fibra têm aumentado ao passo que o tamanho da área de cultivo tem caído ao longo das décadas, porém com consistente aumento da produção total brasileira.

Outro destaque é que, segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), 82% da produção nacional possui certificação socioambiental ABR e 92% do montante produzido depende apenas de água de chuva para se desenvolver.

Além disso, hoje, ainda de acordo com a Abrapa, o Brasil é o maior fornecedor de algodão responsável do mundo, com Valor Bruto de Produção (VBP) de cerca de R$ 30,7 bilhões. Vale ressaltar ainda que a cadeia têxtil é a 2ª maior do país em geração de empregos na indústria de transformação. No mercado externo, a cotonicultura do nosso país atende as demandas de mais de um terço da população mundial.

Para chegarmos a esse patamar de destaque e continuar avançando, os desafios são inúmeros. Nosso parque tecnológico demanda investimentos constantes e nossa mão de obra deve estar em contínua capacitação. Além disso, precisamos investir continuamente em ganho genético, pesquisando e desenvolvendo biotecnologias, assim como buscar parcerias e referências em todo o país e no mundo para enriquecer o banco genético a fim de que seja capaz de atender às mais diversas necessidades do campo.

Estamos no caminho certo e temos certeza de que, apesar de todos os desafios que há pela frente, temos expertise para fazer cada vez mais e melhor. O que precisamos é do entendimento geral de que o melhoramento genético é essencial não apenas para garantir os bons números da agricultura, mas para assegurar qualidade de vida às pessoas e menor impacto ao meio ambiente. E para o futuro, vamos em frente. Ainda temos muito o que conquistar.

*Francisco Soares é presidente da TMG – Tropical Melhoramento & Genética

A TMG (Tropical Melhoramento e Genética S/A) é uma empresa independente de melhoramento de soja, algodão e milho com base no Brasil, com instalações de última geração que permitem o desenvolvimento rápido de novas cultivares, adaptadas a diferentes locais do mundo.

A TMG está focada em desenvolver soluções genéticas para entregar produtividade e rentabilidade aos agricultores, que contribuam para atender a demanda mundial de grãos e fibras de forma sustentável. No algodão, por exemplo, a empresa desenvolve há 22 anos um programa de melhoramento genético focado nas necessidades dos cotonicultores e foi pioneira ao lançar cultivares com tolerância à ramulária, principal doença do algodoeiro. Essas inovações levam um número maior de benefícios ao campo e ajudam a reduzir os custos de produção. 

Por: ASCOM TMG

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob