Search
Close this search box.

Marfrig (MRFG3) antecipa sua meta de rastreabilidade na pecuária para 2025 durante a COP28

3 de dezembro de 2023

Marfrig investirá R$ 100 milhões para acelerar o programa e se compromete a controlar 100% de sua cadeia de fornecimento de gado
Compartilhe no WhatsApp
Marfrig (MRFG3) antecipa sua meta de rastreabilidade na pecuária para 2025 durante a COP28

Marfrig (MRFG3), anunciou uma nova fase do seu Programa Verde+, lançado em julho de 2020 com objetivo de acelerar o seu compromisso de estabelecer uma pecuária de baixo carbono, 100% rastreada, livre de desmatamento, inclusiva e mais produtiva e rentável.

Após três anos de resultados efetivos, a Marfrig investirá R$ 100 milhões para acelerar o programa e se compromete a controlar 100% de sua cadeia de fornecimento de gado, direta e indireta, até 2025 em todos os biomas, antecipando a meta inicial de 2030.

O anúncio foi feito na COP28 (Conferência das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas), que acontece entre 30 de novembro e 12 de dezembro deste ano em Dubai, nos Emirados Árabes.

“A Marfrig já é uma referência global em ESG. Somos a empresa do setor de proteína animal mais bem avaliada em diversos rankings de sustentabilidade, resultado do nosso forte compromisso e entregas efetivas em mais de três anos do Programa Verde+. Nosso objetivo é acelerar ainda mais a nossa plataforma e atingir 100% de rastreabilidade da cadeia de valor até 2025, em todos os biomas brasileiros, antecipando em cinco anos a nossa meta”, diz Paulo Pianez, diretor de Sustentabilidade e Comunicação da Marfrig.

Ações do Programa Verde+ da Marfrig

Para acelerar o Programa Verde+ nos próximos anos, a companhia vai implementar uma série de ações:

  1. Recuperação e transformação. Serão 100.000 hectares de pastagens degradadas transformadas em áreas produtivas por meio de parcerias público-privadas.
  2. Restauração ecológica Cerca de 6.000 hectares de florestas nativas restauradas com parceiros referência, dentre eles a empresa de restauração florestal re.green.
  3. Agropecuária regenerativa. Intensificação e manejo adequado de pastagens, aumentando a produtividade e evitando a necessidade de supressão de vegetação nativa.
  4. Melhoria genética do rebanho com integração. Parcerias para fornecimento de sêmen, embriões e touros para a sua cadeia de fornecimento. Redução do tempo de preparação dos animais para o abate, melhorando a qualidade e reduzindo as emissões. Integração com as fazendas de confinamento MFG Agropecuária, escalando o fornecimento de gado.
  5. Tecnologias de medição de carbono no solo. Geração de créditos de carbono certificados, com rentabilização de toda a cadeia de produção em parceria com a Agrorobótica, uma green fintech que usa inteligência artificial para explorar o solo.
  6. Carne baixo carbono e carne carbono neutro certificadas. Sistemas de integração pecuária-lavoura-floresta certificados em parceria com a Embrapa.
  7. Proteção à biodiversidade. Resgate e reabilitação de animais silvestres no Pantanal em parceria com AMPARA Silvestre.
  8. Apoio a pequenos produtores de cria. Investimento no Programa de Produção Sustentável de Bezerros da IDH – Iniciativa para o Comércio Sustentável, que atua junto a produtores no norte do Mato Grosso.

Por MoneyTimes

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Cooperação técnica entre o Governo do Maranhão e a Conafer vai garantir o melhoramento genético e aumento da produção dos rebanhos do estado
Mapa planeja apresentar um estudo à Organização Mundial de Saúde Animal para reconhecimento internacional dos estados envolvidos como zona livre de febre aftosa sem vacinação
Além das ensacadoras, o governo também entregou um silo à Prefeitura de Nova Venécia.
A produção brasileira de sêmen bovino (raças de corte e de leite) em 2023 foi de 19,431 milhões de doses, recuo de 22% ante os 24,757 milhões de doses do ano de 2022.