Search
Close this search box.

Maressa Villela e seus talentos de raiz no Agro

8 de março de 2023

Conectada com a informação e a produção rural, Maressa Vilela mostra seu olhar sobre o Agro
Compartilhe no WhatsApp
Maressa Villela e seus talentos de raiz no Agro
Maressa Vilela

No Dia Internacional das Mulheres, 8 de março, convidamos uma legítima representante da expressão do agronegócio atual para nos contar um pouquinho sobre sua trajetória. Nossa entrevistada, Maressa Vilela Bettercourt, desenvolve seu projeto pessoal da Raiz Amazônica, reflorestamento, focado na madeira Teca, a qual é produtora, olhar para sustentabilidade, crédito carbono. Faz parte da comissão do IPA pela SRB, Câmara setorial do leite e de Florestas Plantadas do MAPA e Conselheira da Abraleite. É formada em Direito e trabalha no Grupo Cinco Estrelas – Pecuária Gv5.

Maressa é também a Diretora de Comunicação do Núcleo Feminino do Agronegócio, NFA, sólida Associação de Mulheres que há 13 anos vem colocando em prática a força da informação e a importância do trabalho em prol do agronegócio sustentável, produtivo e coletivo.

Para ela, é relevante levar informações do setor para colaborar de forma geral com outros produtores. “Quem quer trabalhar, quem é séria e coloca a mão na massa, sempre terá espaço para começar, para crescer e fazer a diferença”.

MAB – Comente um pouco sobre o início do seu interesse no Agro?

Maressa Vilela – Tanto por parte da família da minha mãe quanto do meu pai, tenho sangue de produtores rurais. Meus avós eram produtores de café, cana-de-açúcar e pecuária no Sul de Minas Gerais. Em 1968, meu pai foi desbravar a Amazônia no Norte do Mato Grosso, com isso, desde que eu nasci, em 1977, tive a oportunidade de passar férias na fazenda, numa natureza muito profunda. Nasci e cresci em São Paulo, onde moro até hoje. Sou formada em Direito, mas após minha formatura me aventurei em implantar um projeto de reflorestamento de Teca numa fazenda de Juara, MT.

Foi um grande desafio, pois em 2003 ainda não tinha luz elétrica, quase nenhum asfalto e os dificuldades eram muitas. No entanto, brinco que minhas raízes cresceram junto com as minhas árvores, porque elas me levaram para mais perto dos negócios do meu pai.

Mesmo sendo desafiante, me mantive lá, comecei a criar gado de corte e me envolver cada vez mais com o melhoramento genético das raças Gir Leiteiro, Girolando e Nelore. O amor por plantar e pela agricultura sempre esteve presente e, dessa forma, há três anos, assumi a gestão de uma fazenda também da minha família, no Sul de MG, para reverter áreas degradadas em produtivas. Hoje, com muito orgulho, já faço plantio direto e a cada ano as produções aumentam, tanto em milho quanto em capacidade de UA/HA.  

“Acredito na força da informação e na importância do trabalho em prol do agronegócio sustentável, produtivo e coletivo”

MAB– Quais as áreas mais relevantes no seu trabalho diário junto ao setor? Por quê?

Maressa Vilela – Acredito que é muito importante estar sempre atualizada das melhores práticas dos setores da minha atuação, como manejo de madeira de reflorestamento, melhoramento genético na pecuária de Leite e Corte, transferência de embrião, toda parte de comunicação zootécnica, agricultura, olhar para o solo, os biológicos, rotação de pastagem e claro o marketing, pois as informações precisam chegar.

“Meu objetivo com NFA é mostrar os trabalhos das associadas, pois temos muitos bons exemplos para serem compartilhados”

MAB – Na sua opinião, o que leva uma mulher a se destacar em uma gestão? Tratamos os assuntos de uma maneira diferente? Lidamos com as questões práticas com mais cuidado e atenção?

Maressa Vilela – Uma mulher para se destacar precisa ter vontade, resiliência, determinação, posicionamento, humildade, pensar no coletivo, trazer a natureza de ser mãe, de cuidar, de estar atenta para todas as áreas de sua vida, estudar, ter embasamento para defender suas posições e se dar o respeito, ser profissional e traçar um objetivo.

MAB – Você tem admiração por alguma mulher que tenha desenvolvido um trabalho especial junto a esse importante universo do agronegócio? Comente!

Maressa Vilela – São tantas mulheres que admiro e me inspiro, mas fica aqui uma admiração especial pela Teka Vendramini, Maria Antonieta Guazzelli, Samanta Pineda, Teresa Cristina, Camila Telles, Leticia Jacintho, entre tantas outras.

“O amor por plantar e pela agricultura sempre esteve presente”

MAB – Como é o seu dia a dia na fazenda, nos negócios em geral? Como administra seu tempo entre trabalho e família?

Maressa Vilela – Normalmente vou para o MT a cada 45 dias e passo de uma semana a 10 dias.   Para MG, vou todo mês, e normalmente aos finais de semana com meu marido e meus dois filhos. Quando estou na fazenda, fico praticamente o tempo todo no campo, gosto da lama na botina e também tenho interesse nos manejos do campo.

MAB – Junto ao cargo de Diretora de Comunicação do NFA, quais são suas atividades e perspectivas?

Maressa Vilela – Meu objetivo com NFA é mostrar os trabalhos das associadas, pois temos muitos bons exemplos para serem compartilhados num grupo de 35 mulheres que já existe há 13 anos e cada vez fica mais maduro, mais sólido e mais perto de pessoas capacitadas trabalhando por um agronegócio sustentável, produtivo e coletivo. Também acho relevante levar informações do setor para colaborar de forma geral com outros produtores.

MAB – Acredita que é necessário que se criem novas metas e posturas nesses próximos anos para que as mulheres continuem a mostrar seu diferencial de trabalho junto ao Agro nacional?

Maressa Vilela – Acredito que quem quer trabalhar, quem é seria e coloca a mão na massa sempre terá espaço para começar, para crescer e fazer a diferença.

Por: Mara Iasi – Agrovenki – Redação MAB

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em 2022, quando a Guerra na Ucrânia começou, houve um salto de 188% nas exportações de fertilizantes de Israel ao Brasil
Para Arnaldo Jardim, tendência é a ampliação das possibilidades do produto
Esse fenômeno tem gerado impactos positivos no desenvolvimento de municípios do Piauí que, anteriormente, apresentavam indicadores econômicos mais modestos, transformando suas realidades.
Ambiente de negócios aponta para encurtamento das escalas de abate, o que pode levar ao maior apetite de compra