Search
Close this search box.

Mapa lança plano de desenvolvimento da Aquicultura até 2032

25 de fevereiro de 2023

O Plano Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura tem como objetivo desenvolver, de forma sustentável, a produção de animais aquáticos
Compartilhe no WhatsApp
Mapa lança plano de desenvolvimento da Aquicultura até 2032
Plano pretende focar o aumento das exportações de camarões, entre outros seres vivos que podem ser cultivados na água.

O governo federal lançou o Plano Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura 2022-2032 (PNDA), uma política de governança e implementação para estimular e orientar a evolução do setor aquícola brasileiro. O principal objetivo é atrair investimentos e promover o desenvolvimento sustentável das atividades no País na próxima década.

O setor movimenta mais de US$ 260 milhões por ano, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). Apesar do potencial brasileiro devido à extensão das águas, o País gera apenas R$ 4,7 bilhões, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Brasil tem grande potencial de produção de organismos aquáticos e pode crescer no mercado internacional, mas enfrenta entraves logísticos, infraestrutura insuficiente e complexidade de tributos. Além disso, produtores precisam de suporte financeiro para se tornarem competitivos.

O que é o Plano Nacional de Desenvolvimento da Aquicultura?

O plano é composto de 12 programas específicos que foram desenvolvidos com base na análise das fragilidades estruturais e funcionais do setor aquícola nacional. Os programas são organizados em torno de grandes temas e, juntos, visam superar limitações com propostas de soluções elaboradas a partir da consulta direta ao setor.

O PNDA visa abordar questões ambientais e fundiárias, melhorar a gestão de dados e modernizar técnicas para aumentar a produtividade e a competitividade da aquicultura brasileira por meio de tecnologia, treinamento e cooperação, além de melhorar a gestão da aquicultura em águas da União.

A iniciativa também pretende aumentar as exportações brasileiras na aquicultura. Com base no exemplo do crescimento dos embarques da tilapicultura, principalmente nos últimos três anos, o plano quer estimular a exportação de produtos de carcinicultura (camarões), malacocultura (moluscos) e algicultura (algas) que apresentam oportunidades de negócios no mercado global.

Preocupação com a sustentabilidade

Dois peixes ornamentais arredondados, com manchas laranjas no corpo
Comércio de peixes ornamentais deve ser incentivado pelo novo Plano de Desenvolvimento da Aquicultura. (Fonte: Pxhere/Reprodução)

O PNDA ainda espera aumentar a produtividade e a lucratividade da indústria da aquicultura ao mesmo tempo que promove práticas sustentáveis, como a redução das emissões de gases de efeito estufa e do desmatamento. A aquicultura global foi responsável por cerca de 0,49% das emissões de gases de efeito estufa em 2017. Ela tem vantagens em relação à pecuária terrestre devido à ausência de metano entérico das espécies aquáticas, à alta fertilidade e às baixas taxas de conversão alimentar, mas ainda há trabalho para tornar o setor mais sustentável.

O plano defende a realização de ações para otimizar o uso e o reuso de água, implementar tecnologias de produção com fontes alternativas de energia renovável, otimizar processos para baixa emissão e sequestro de carbono.

O que muda com o novo Plano para a Aquicultura?

O PNDA não é o primeiro plano que pretende desenvolver a aquicultura no Brasil. Em 2008, o governo federal traçou uma série de metas até 2011 com o Mais Pesca e Aquicultura. Outras iniciativas estaduais, de companhias de desenvolvimento, bancos públicos e até da Marinha também buscam qualificar a cadeia produtiva.

A diferença do novo plano para as outras iniciativas é a abrangência das propostas e a participação de mais de 70 instituições públicas e privadas, com atuação municipal, estadual, nacional e até internacional. Essa frente de organizações fortalece o documento e contribui para a realização das ações propostas pelo plano.

Por Estadão

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira
O Porto, em conjunto com o operador portuário responsável, montou a logística necessária para o recebimento da carga