Search
Close this search box.

“Leite de vaca é saudável e barato”, afirma presidente da ABRALEITE

18 de janeiro de 2024

Estudo da OMS libera o consumo do produto pasteurizado para bebês a partir dos 6 meses de idade.
Compartilhe no WhatsApp
"Leite de vaca é saudável e barato", afirma presidente da ABRALEITE

A Organização Mundial da Saúde publicou, em dezembro do ano passado, uma diretriz que libera, além das fórmulas infantis, o uso do leite de vaca não modificado para bebês de 6 a 11 meses que não estão sendo amamentados por leite materno. A recomendação da OMS consta no Guia para alimentação complementar de bebês e crianças de 6 a 23 meses de idade.

O presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (ABRALEITE), Geraldo Borges, falou sobre o assunto, ontem, no CB.Agro — parceria entre o Correio e a TV Brasília. Aos jornalistas Roberto Fonseca e Mila Ferreira, o presidente da ABRALEITE avaliou como positiva a liberação pela OMS do leite de vaca, mas reforça que o leite materno é o alimento mais indicado para bebês. Acompanhe os principais trechos da entrevista.

Como o senhor avalia a posição da OMS e qual o impacto para o setor? 

É um assunto extremamente importante, trata-se de saúde humana, inclusive, dos bebês, que precisam de cuidados. Isso só mostra para nós o quanto o leite é um alimento saudável e importante para o ser humano em praticamente todas as fases da vida. Até os 6 meses, o leite materno é insubstituível, o leite da própria mãe do bebê deve ser sempre ministrado à criança.

Mas, quando você vê que a própria OMS publica isso, melhora muito, não só no sentido de esclarecer para a população o quanto esse alimento é importante e saudável, mas, também, pela acessibilidade, das famílias menos favorecidas terem acesso a um produto em que o custo é muito menor. O leite de vaca pode ser adquirido de uma forma muito mais fácil por qualquer classe da população brasileira, é muito mais acessível que um leite especial ou um leite formulado — que a gente chama de fórmula infantil —, que restringem o consumo pelo seu custo.

Nem todas as mães conseguem amamentar, por uma série de fatores, nem têm condição de adquirir a fórmula infantil…

Nem todas conseguem amamentar por 12 meses, o ideal é que consigam, mas não é possível para todas elas. (A decisão) traz uma tranquilidade para que pais e mães possam administrar o leite de vaca sem nenhuma preocupação, já que é um estudo e uma mudança colocados pela Organização Mundial de Saúde.

Como tem sido a conversa com os produtores em relação a esse assunto? Vem sendo feito uma campanha de esclarecimento? 

A gente divulgou não só em redes sociais como nos sites, mas, também, em entrevistas como essa aqui. A divulgação foi no final do ano, um momento difícil, todo mundo está se preparando para as festas de fim de ano, encerramento, recessos. A gente pretende, agora em janeiro, divulgar, difundir mais isso.

Existem vários paradigmas com relação aos benefícios nutricionais, intolerância à lactose, tem muita gente que acaba cortando o leite da alimentação acreditando que faz mal sem ter essa certeza. Agora, a Sociedade Brasileira de Nutrição e a Sociedade Brasileira de Nutrologia soltaram um estudo sobre os benefícios nutricionais do leite. Qual a importância de a população ter informações científicas?

É muito importante, porque são duas instituições sérias, da saúde humana, que não estão vinculadas ao agronegócio. Não representam os produtores, e sim, a área de saúde humana. São duas instituições sólidas que fizeram um estudo e publicaram um consenso mostrando o quanto o leite e seus derivados lácteos são importantes para a saúde humana em todas as suas fases de vida, quebrando tabus e esclarecendo dúvidas e colocações que são fake news.

A gente quer esclarecer por meio do embasamento científico, de estudos sérios como esse. Por isso, a gente está trazendo essa notícia, e ficamos muito tranquilos de falar dessa forma. É lógico que pessoas com intolerância à lactose ou alergia à proteína do leite precisam consumir produtos livres ou do açúcar ou da proteína do leite, e isso está disponível no mercado.

O percentual de seres humanos que tem alergia ou intolerância ao leite é muito pequeno. Então, é fácil para a gente publicar e divulgar para toda sociedade que é tranquilo consumir os lácteos.

Quais são os tipos de leite de vaca disponíveis e quais são os benefícios? 

O setor é muito grande. Nós temos vários lácteos importantes, como queijos, manteiga, e a gente recomenda todos esses produtos, não há restrição a nenhum deles, e nem queremos aqui compará-los. O único alerta que nós fazemos é que as pessoas também procurem saber se têm alergia ou intolerância, que faça exames, que peçam ao seu médico para provar se ele tem uma alergia à proteína do leite ou intolerância ao açúcar do leite.

Qual a diferença do tipo A para o tipo B, como é feito isso e como que impacta para o consumidor? 

Não impacta em relação à saúde. O tipo leite A é envasado diretamente na agroindústria, e tem a validade parecida com a do leite pasteurizado, que não é envasado na propriedade. O pasteurizado tem em torno de sete dias de validade. Existe o UHT, que é o de caixa, que tem um prazo de validade maior pelas condições de armazenagem.

Todos esses leites são alimentos importantes, são alimentos saudáveis e devem ser consumidos. O leite tipo A tem um custo maior do que o leite pasteurizado e de um leite UHT, que é o de caixinha.

É essa a diferença que justifica o que a gente vê nas gôndolas? 

Sim, de valores de custo de produção que oneram mais ou menos. Consumir leite in natura é seguro? A gente não recomenda o consumo do leite in natura que não tenha passado por algum processo de pasteurização e UHT, só o leite que realmente foi inspecionado. Nós temos o serviço de inspeção no Brasil municipal, estadual ou federal.

Cada estabelecimento, seja cooperativa ou laticínio, necessariamente precisa passar por um desses sistemas de inspeção. Quais são as perspectivas que o senhor vê para o setor em 2024? O Brasil ainda importa 12% do leite consumido no país?

Ainda que estejamos com recordes de importação, inclusive, aumentou dezembro em relação a novembro, e janeiro ainda persiste com alto índice de importação de leite do Mercosul, aproveitando a questão de que os países membros comercializam seus produtos sem nenhum tipo de taxação. Argentina e Uruguai continuam mandando volumes expressivos para o Brasil, o que tem prejudicado muito a nossa cadeia produtiva do leite. Isso prejudica não só aqueles mais de 1 milhão 176 mil produtores — segundo o censo do IBGE — pulverizados em 800 municípios, mas, também, as pequenas cooperativas de laticínios, todas as indústrias de beneficiamento de leite.

Nós não somos contra o comércio internacional, mas contra fluxos predatórios que ainda estão acontecendo. Temos esperança de que alguma coisa possa modificar em relação a isso, como o decreto que passa a vigorar em fevereiro, do governo federal, que reduz os benefícios fiscais para aquelas empresas que importam o leite, o derivado lácteo do Mercosul, de uma forma que possa diminuir esse fluxo contínuo e predatório que está acontecendo aqui no Brasi.

Por: Isabel Dourado – Correio Braziliense  – 13 de janeiro de 2024

De: ABRALEITE

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira