Search
Close this search box.

Laranja e sucos de frutas mais caros: entenda o que tem elevado os preços

20 de setembro de 2023

Estoques da bebida brasileira enfrentam o pior volume desde junho de 2011, início da série histórica da associação dos exportadores (CitrusBR). Preço da laranja sobe para a indústria e para o consumidor.
Compartilhe no WhatsApp
Laranja e sucos de frutas mais caros entenda o que tem elevado os preços

O mundo enfrenta uma escassez de suco de laranja. O Brasil, maior produtor da bebida, está com o menor estoque da série histórica feita pela Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR), iniciada em junho de 2011.

Atualmente, há 84.745 toneladas do suco armazenadas pelos associados, 40% a menos do que na comparação com o ano passado.

A maior parte do que é produzido nesse setor no Brasil vai para exportação. Ainda assim, a competição entre a indústria e o consumidor pela laranja aumenta o preço da fruta, explica Fernanda Geraldini, pesquisadora de frutas da equipe de hortifrúti do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/ Esalq – USP).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) de agosto mostrou que os sucos de frutas (não é feita uma discriminação por sabor) ficaram 10% mais caros. Já o preço da laranja pera, a mais popular, subiu 9% no mesmo período. A lima foi a que mais encareceu: 17%.

E, para a indústria, a fruta também não está mais barata. Em setembro, a laranja pera encareceu 16,6% na comparação com o mesmo mês em 2022, apontam dados do Cepea.

Por que está faltando laranja?

Esse cenário é causado pelas dificuldades em se produzir a laranja, causadas por dois fatores:

  1. mudanças climáticas
  2. o “greening”, uma doença que afeta os pomares e diminui a qualidade e a produtividade da fruta.

Esses problemas não estão afetando apenas a produção brasileira, como também a dos Estados Unidos, que também são protagonistas neste cultivo.

O país também tem o pior volume de laranjas desde o início da série histórica do Departamento de Agricultura do país (USDA).

Antes de a produção começar a cair por causa do “greening”, na safra de 2011/2012 os EUA ocupavam o segundo lugar na produção de suco de laranja no mundo, perdendo apenas para o Brasil. Hoje, os norte-americanos estão em terceiro, atrás também do México.

Além do Brasil e Estados Unidos, o México e a Espanha enfrentaram secas severas e reduções nas colheitas, ao mesmo tempo em que experimentam uma forte demanda por laranjas em seus mercados de frutas frescas.

O avanço do ‘greening’

O “greening” é causado por um fungo que afeta os pés que ainda estão se desenvolvendo e são novos nos pomares, explica o presidente da Associação Brasileira de Citros de Mesa (ABCM), Antonio Simonetti.

A doença faz com que o fruto fique pequeno e caia antes da hora. Com isso, os produtores dependem de árvores mais antigas, mas que já têm uma baixa produtividade pela idade.

O Brasil já enfrentou esse mal anteriormente, mas, segundo Simonetti, os insetos que disseminam as doenças estão resistentes aos agrotóxicos que já existem para combater a praga, o que dificulta o combate, que se torna dependente do desenvolvimento de novas variedades de laranjas e pesticidas.

Com isso, muitos produtores estão desistindo da laranja e iniciando outras culturas, como o milho, ou até mesmo se deslocando para regiões em que a fruta ainda não é muito plantada, sendo áreas sem disseminação de “greening”.

Mas a doença não é o único problema que a laranja enfrenta. A instabilidade climática também está colaborando com os números. As altas temperaturas fora de época, quando o fruto está se desenvolvendo, também fazem a laranja cair do pé antes da hora, diz o presidente da ABCM.

As chuvas irregulares também dificultam o desenvolvimento do cultivo.

Já nos Estados Unidos, há ainda os ciclones que atingem a Flórida, explica Geraldini do Cepea.

Competição pela laranja

Com menos laranja colhida, a indústria passa a competir com os supermercados e feiras pelo produto de mesa, aquele que é cultivado para consumo em casa, deixando a fruta mais cara, afirma Simonetti.

“Estão ficando poucos produtores que querem fornecer para o supermercado por causa da exigência de tamanho de fruta e qualidade”, diz.

Ele afirma que os supermercados pagam menos e devolvem a fruta quando a aparência não está perfeita, uma vez isso é importante para o consumidor. Já para fazer suco, as com defeitos também podem ser usadas.

E, mesmo com todos esses problemas, a demanda brasileira por laranja se mantém alta, o que ajuda a diminuir os estoques, ressalta Felippe Serigati, do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro).

Vai melhorar?

Para o preço da laranja e do suco melhorarem no Brasil, é preciso aumentar a oferta mundial, para diminuir a competição pela fruta.

Para Serigati, a melhora dos estoques depende de como serão as próximas safras dos Estados Unidos. Isso porque, com a recuperação do país, teria mais laranja no mercado.

Contudo, o pesquisador lembra que a laranja é uma cultura permanente, ou seja, ela não é plantada a cada safra, mas são pomares fixos que dão frutos em ciclos. Com isso, a produção da fruta pode demorar mais para se recuperar.

Mas o Brasil também tem um papel importante nessa recuperação, aponta a pesquisadora do Cepea Geraldini. E a melhora do estoque vai depender do clima, se o país manterá altos níveis de vendas, impedindo o incremento dos estoques e se o “greening” continuará avançando.

“Única coisa que talvez a gente pode garantir é que não vai ser no ano que vem”, afirma.

Para ela, os Estados Unidos dificilmente voltarão a ter uma produção de grande relevância. Isso porque, há alguns anos, o país sofre com a queda da colheita, uma vez que o declínio acontece de forma contínua desde a safra 2018/19.

Por G1

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.