Search
Close this search box.

Lançamento da Aliança Global para os Biocombustíveis destaca papel do Brasil na descarbonização

26 de julho de 2023

Proposta tem como objetivo ampliar a cooperação dos países, incluindo os Estados Unidos, visando a redução da emissão de gases no setor de transportes
Compartilhe no WhatsApp
Lançamento da Aliança Global para os Biocombustíveis destaca papel do Brasil na descarbonização

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, participou neste sábado (22/7), em Goa, na Índia, do lançamento da Aliança Global para os Biocombustíveis (Global Biofuels Alliance – GBA). A iniciativa é liderada pelo país asiático juntamente com o Brasil e os Estados Unidos.

O projeto, que pretende atrair mais países para a aliança, tem como objetivo ampliar a cooperação técnica e tecnológica visando a expansão de biocombustíveis, a descarbonização do setor de transportes e a transição energética.

Em seu discurso, Silveira destacou que o Brasil apoiou o projeto desde o primeiro momento, que tem como finalidade “oferecer ao mundo uma proposta concreta e imediata de descarbonização do setor de transportes”, destacou o ministro.

“O Brasil saúda e abraça com entusiasmo a iniciativa Indiana de lançar a Aliança Global para os Biocombustíveis, que terá a missão de ajudar os países, especialmente os do Sul Global, a trilhar um caminho de energia sustentável e contribuir desde já para o combate às mudanças climáticas. Neste setor, podemos garantir geração de emprego e renda, menor preço ao consumidor e diminuição da pegada de carbono no setor de transportes. Não queremos ficar isolados do mundo. Queremos, sim, a mobilidade sustentável mais eficiente e mais barata para as nossas populações”, completou.

Alexandre Silveira ressaltou que o Brasil já conta com uma solução tecnológica, altamente competitiva e eficiente, que são os veículos flex, lançados em 2003 durante o primeiro mandato do presidente Lula.

“O carro flex, que permite o uso de qualquer proporção de etanol e gasolina, foi um marco histórico para o país, trazendo novas e econômicas alternativas para o consumidor, contribuindo para a sustentabilidade ambiental e projetando um novo cenário para a indústria automotiva nacional. E os resultados da política de etanol no Brasil são reconhecidos pela Agência Internacional de Energia, que em seus documentos e relatórios oficiais, tem destacado que os biocombustíveis e a bioenergia terão papel fundamental na descarbonização, na transição energética e na oferta de energia sustentável pelas próximas décadas”, destacou Silveira.

Alexandre Silveira destacou que o Brasil tem a matriz energética mais limpa dentre as grandes economias no mundo e os biocombustíveis fazem parte da estratégia nacional para o cumprimento pleno da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) brasileira no Acordo de Paris.

Entre as ações desenvolvidas pelo MME estão os programas RenovaBio e o Combustível do Futuro. “Acredito ser oportuno aqui dar o exemplo do esforço do nosso governo. Estamos trabalhando ativamente em nossa mais nova iniciativa chamada ´Combustível do Futuro´, que pretende fazer o Brasil avançar ainda mais com uma política pública integrada e voltada para promover a mobilidade sustentável de baixo carbono“, reforçou Silveira no evento.

MME também está atuando na proposta de aumentar de 27,5% para 30% o teor de etanol na gasolina, que será discutida no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Segundo o ministro, fomentar a indústria sucroenergética é prioridade para o Governo Federal, ressaltando que o etanol contribui para que o Brasil tenha uma descarbonização barata e competitiva.

“A integração de programas visando a mobilidade sustentável possibilitará reduzir a intensidade de carbono dos combustíveis com maior utilização de etanol, biodiesel e biometano, ao mesmo tempo que a indústria automotiva brasileira terá metas para que seus motores sejam mais eficientes”, finalizou.

Números

Hoje, 80% da frota brasileira de veículos leves é composta por veículos flex, cujas vendas alcançaram a casa dos 40 milhões de unidades ao longo desses 20 anos.

Ao longo de quase 40 anos, o uso do etanol no Brasil proporcionou uma economia de mais de 2,5 bilhões de barris equivalentes de petróleo, que correspondem a mais de dois anos da atual produção brasileira de petróleo. Isso equivale a mais de 200 bilhões de dólares nos preços atuais.

Com esse deslocamento do uso de derivados fósseis, estima-se que deixaram de ser emitidos mais de 1,5 bilhão de toneladas de CO2 equivalente.

Por Jornal Cana

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.