Search
Close this search box.

IZ destaca no Dia Mundial do Leite as análises para certificação do leite A2

3 de junho de 2023

A pesquisa visa garantir uma produção de leite mais digestível para pessoas com sensibilidade a beta casomorfina 7
Compartilhe no WhatsApp
IZ destaca no Dia Mundial do Leite as análises para certificação do leite A2

Comemorado desde 01 de Junho de 2001, pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Mundial do Leite tem o objetivo de incentivar o consumo de lácteos, alimento de alto valor nutricional: rico em lipídios (gordura), carboidratos, proteínas, sais minerais, vitaminas, cálcio e fosforo. Para ampliar esse consumo, o Instituto de Zootecnia (IZ-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, realiza, em seu Laboratório de Genética, análises do leite A2 para certificação doo produto. 

A partir das análises realizadas no Laboratório de Genética do IZ é possível fazer certificação do leite A2, bem como orientar o produtor rural na formação de rebanho de vacas leiteiras que produzem apenas o leite A2.  

Metodologia desenvolvida pelo IZ

O Laboratório de Genética do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Genética e Biotecnologia do IZ desenvolveu uma metodologia que permite a identificação de vacas que produzem leite tipo A2. 

“O leite A2 é um leite de mais fácil digestão para as pessoas que apresenta algum grau de intolerância à beta casomorfina 7 (BCM-7), que é um produto da digestão da beta caseína A1, sendo uma opção para ingestão de produtos lácteos por essas pessoas”, relata Anibal Eugênio Vercesi Filho, diretor do CPD Genética e Biotecnologia do IZ.

Mutação do alelo A1 

Constituindo um alimento fundamental para formação e manutenção dos ossos, formação e manutenção dos tecidos, além de favorecer a visão, crescimento, processos imunológicos, reprodução, e saúde da pele.  

Há muitos relatos de pessoas que não consumem o leite por ter alguma dificuldade na sua digestão. Entre as pessoas com intolerância ao leite há um grupo de pessoas que possuem intolerância a beta casomorfina 7 (BCM-7), que é um produto da digestão da beta caseína A1. A presença do alelo A1 da beta caseína está associada a possíveis problemas de inflamação das mucosas gástricas e intestinais neste grupo de pessoas.  

Vale ressaltar que existem pessoas com intolerância a outras substâncias do leite, como a lactose. Para estas pessoas o leite A2 não resolveria o problema. O leite A2 melhora a digestibilidade apenas para o grupo de pessoas com intolerância à beta casomorfina 7 (BCM-7). 

O alelo A1 é uma mutação do alelo A2 e há animais que não sofreram esta mutação e só produzem beta caseína A2.  

Por Notícias Agrícolas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

A Pecuária é responsável por US$ 1,37 bilhão das exportações sul-mato-grossense
Comitivas internacionais da América Latina, África e Ásia são esperadas no Parque da Gameleira
Em Hagen, na Alemanha, João Victor Marcari Oliva montando Feel Good V.O faz quarto índice em 2024 rumo aos Jogos de Paris e fica em 5º no GP Freestyle. Confira a programação da modalidade na Olimpíada