Search
Close this search box.

Indústria da soja prevê exportação recorde de US$ 67 bilhões em 2023

21 de julho de 2023

Segundo Abiove, montante é US$ 6 bilhões maior que o do ano passado
Compartilhe no WhatsApp
Indústria da soja prevê exportação recorde de US$ 67 bilhões em 2023

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) elevou nesta quinta-feira (20) sua estimativa para a receita recorde das exportações de soja em grão e derivados (farelo e óleo) do país em 2023 para US$ 67 bilhões, ante os US$ 65,5 bilhões projetados no mês passado. Em 2022 foram US$ 61 bilhões, segundo a entidade.

O grão puxa a receita, com US$ 53,6 bilhões previstos para este ano, seguido por farelo (US$ 10,6 bilhões) e óleo (US$ 2,9 bilhões). O complexo soja (grão, farelo e óleo) lidera a pauta de exportações do agro brasileiro, à frente das carnes.

O aumento promovido pela Abiove refletiu sobretudo ajustes nas previsões para os volumes totais a serem embarcados. Para o grão, a associação elevou sua projeção de 97 milhões para 97,5 milhões de toneladas, para o farelo a conta subiu de 21,9 milhões para 22 milhões de toneladas e, para o óleo, passou de 2,3 milhões para 2,4 milhões de toneladas.

De acordo com a Abiove, a colheita de soja alcançou o recorde de 156,5 milhões de toneladas na safra 2022/23 no Brasil, e o processamento do grão para produção de farelo e óleo deverá chegar a 53,5 milhões de toneladas. A produção de farelo tende a atingir 41 milhões de toneladas e a de óleo, 10,8 milhões.

Por InfoMoney

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Com 2,8 milhões de toneladas, o Brasil se posiciona como o maior exportador global de algodão, ultrapassando os Estados Unidos
Medida é para o enfrentamento das consequências sociais e econômicas decorrentes de eventos climáticos extremos no Rio Grande do Sul. O arroz será vendido ao consumidor pelo preço tabelado de R$ 4 por quilo
Projetos de lei que reduziriam a dependência brasileira da importação de fertilizantes, impulsionando a produção agropecuária sustentável e tornando o País mais competitivo.
Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca