O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Índia: mudanças nas estratégias de produção de açúcar

Principal concorrente do açúcar brasileiro no mercado global da commodity, a Índia é também o segundo maior exportador, atrás do Brasil
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Com a notícia de que a Índia está aumentando a mistura de etanol na gasolina e tem previsão para exportar 6 milhões de toneladas de açúcar em 2020/2021, fica claro que haverá mudanças nas estratégias de produção no país.  

“O plano do governo da Índia é de aumentar a mistura de etanol na gasolina, o que irá diminuir o excedente de açúcar para exportação do país em dois a três anos” analisa o presidente do conselho de uma grande empresa indiana do setor. O país é o principal concorrente do açúcar brasileiro no mercado global da commodity, além de ser o maior consumidor do mundo do adoçante, com 19 quilos per capita. Também é o segundo maior exportador, atrás do Brasil. 

Em uma fala durante a Conferência Santander ISO Datagro de Etanol & Açúcar de Nova York, provido pela consultoria brasileira na terça-feira (18/05), Samir Somaiya, o diretor do Godavari Biorefineries, afirmou que as medidas do governo, como maiores preços de referência de cana-de-açúcar e etanol, irão mudar as estratégias de produção. 

“A indústria está ativamente respondendo a essas políticas, e não existem dúvidas de que a produção de biocombustível na Índia irá aumentar”, disse Somaiya durante a apresentação na conferência. 

Ele acrescentou que a produção do açúcar deverá diminuir, como uma consequência. A Índia está a caminho de exportar 6 milhões de toneladas de açúcar em 2020/21. No país, cerca de 50 milhões de agricultores produzem cana. O governo do país mudou recentemente a meta para mistura de etanol com gasolina, buscando atingir 20% de mistura até 2025, ao invés da meta anterior para 2030. 

Outro importante produtor de açúcar, a Tailândia, deverá ver uma recuperação no ciclo 2021/22. 

A analista sênior da corporação de açúcar Mitr Phol, Sasathorn Sanguandeekul, afirmou durante a conferência que a produção de cana-de-açúcar do país está prevista para avançar de 66 milhões de toneladas em 2020/21 para 85-90 milhões de toneladas em 2021/22. 

Ela espera que as exportações de açúcar aumentem na próxima temporada, para cerca de 5 milhões a 6 milhões de toneladas, e vê as exportações da Tailândia competirem de novo no mercado da Indonésia, onde as importações foram alteradas nos últimos dois anos para ofertas brasileiras e indianas, como um resultado da baixa disponibilidade de açúcar tailandês (Reuters, 18/5/21) 

Preço do Etanol

Enquanto isso, por aqui no Brasil, os indicadores semanais de etanol registraram mais uma semana de alta no Estado de São Paulo, devido à demanda aquecida, de acordo com informações do Cepea.  

De 10 a 14 de maio, o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 3,0488/litro, avanço de 4,19% frente ao período anterior. No caso do etanol anidro, a elevação foi de 5,59% no mesmo comparativo, com o Indicador fechando em R$ 3,4935/litro.  

Segundo pesquisadores do Cepea, o volume de negócios de etanol anidro no spot segue aquecido em função das transferências de produto para o Nordeste – a região está em período de entressafra, e as atividades de moagem devem começar somente no segundo semestre deste ano. 

Fonte: Reuters e Cepea
Crédito da foto: Divulgação/Canva

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil