Search
Close this search box.

IBGE aponta registro de aumento do abate de bovinos no 1ºtrimestre de 2024

13 de maio de 2024

Dados mostram que foram abatidas 9,24 milhões de cabeças de bovinos
Compartilhe no WhatsApp
IBGE aponta registro de aumento do abate de bovinos no 1ºtrimestre de 2024

No primeiro trimestre de 2024, o abate de bovinos registrou um aumento de 24,1%, revela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos resultados preliminares das Estatísticas da Produção Pecuária. Em comparação com o último trimestre de 2023, o abate de bovinos cresceu 0,9%.

Os dados do IBGE revelam que no primeiro trimestre deste ano foram abatidas 9,24 milhões de cabeças de bovinos.

O coordenador de pecuária da consultoria Safras & Mercado, Fernando Iglesias, avalia o cenário. “É natural o crescimento do abate, nós estamos em um ano que o descarte de fêmea segue muito presente dentro do mercado, então desta maneira, nós vamos ver a evolução do abate de bovinos a nível de Brasil.”

Além disso, a pesquisa mostra que houve uma queda de 1,3% e 1,8% nos abates de frangos e suínos, respectivamente. O abate de frangos alcançou 1,59 bilhão de cabeças, enquanto o de suínos atingiu 13,92 milhões.

Em relação ao 4º trimestre de 2023, o abate de frangos teve expansão de 4,0% e o de suínos caiu 1,6%.

Iglesias explica que a redução dos abate de frangos e suínos também é natural, pois foi visto um menor alojamento desses animais em novembro, com isso, o número de abate também diminui.

Charles Dayler, engenheiro agrônomo, destaca que novos mercados foram abertos, ou seja, o Brasil tem novos clientes para comprar carne bovina, suína, entre outros. 

“Na China, melhorou a aceitação. Alguns locais que não estavam podendo exportar voltaram a poder. Além disso, novos frigoríficos foram cadastrados e estão aptos a exportar. Então a gente aumentou o número de agentes brasileiros que têm autorização para exportar para China, que é o principal mercado”, explica.

Impactos na economia

O engenheiro pontua que o impacto para a economia brasileira é positivo, pois vai melhorar a oferta, logo, o mercado interno é beneficiado, com uma tendência de manutenção ou uma leve redução no preço da carne.

“Além disso, se você aumenta a exportação, melhora a balança comercial brasileira. Então você vai ter mais recurso estrangeiro vindo para o Brasil e isso vai levar a uma melhora do PIB agropecuário brasileiro”, completa.

Por Brasil 61

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior