O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Gestão e genética dobram a produção de arrobas por hectare

Família de pecuaristas, da Fazenda Santa Cecília, faz ciclo completo de Nelore em duas propriedades em SP e MS
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Quarta geração de uma família de pecuaristas, Daniel Martins e seus três filhos, tocam a Fazenda Santa Cecília, que faz ciclo completo de Nelore em duas propriedades, localizadas em Tarabai (SP) e em Rio Brilhante (MS). Obstinados por índices zootécnicos, gestão e genética, eles representam bem o modelo da pecuária moderna, que busca sustentabilidade e produtividade em um ciclo cada vez mais curto.  

Em recente visita à propriedade em Tarabai, a presidente da Sociedade Rural Brasileira, Teresa Vendramini, conheceu de perto o programa de melhoramento genético implementado na fazenda. Criado em 2014 e intitulado Cia de Melhoramento, o programa possui mais de 86 mil vacas em avaliação, fruto da união de pecuaristas do Brasil, Paraguai e Colômbia. O objetivo é melhorar os índices zootécnicos das fazendas a fim de produzir mais arrobas em uma mesma área. 

Os dados da fazenda Santa Cecília comprovam a viabilidade do método: em 2005, a propriedade produzia ao redor de 7,5 @/hectare ao ano e hoje a produtividade chega a 14@/hectare/ano. Na desmama desta temporada, por exemplo, a taxa de prenhez foi de 85% e o peso médio dos machos de 205 quilos e das fêmeas de 202 quilos. “Estamos quase eliminando a recria da desmama, tamanho é o ganho genético”, afirma Daniel. 

Gestão e genética: ciclo completo

De ciclo completo, as duas fazendas da família se complementam. Na unidade de São Paulo, a fazenda faz todo trabalho de cria, recria e melhoramento genético e os melhores touros com CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção) e genotipados desta seleção vão para a fazenda em Mato Grosso do Sul, onde são comercializados para os pecuaristas pantaneiros. “Nossa pressão de seleção é grande, porque precisamos de animais rústicos para a região do Pantanal”, explica Martins. 

“Sabemos que o mercado ficará cada vez mais exigente, especialmente na produção de carne de bovina. Acredito que esse é o modelo de pecuária necessário para conciliar rentabilidade com sustentabilidade. Fiquei muito satisfeita em ver essa gestão e a evolução dos resultados produtivos”, diz Teresa Vendramini. 

Fonte: SRB – Sociedade Rural Brasileira
Crédito da foto: Divulgação/SRB

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil