Funcafé libera recursos para recuperação de lavouras

Agora está disponível. No total, são 34 bancos e cooperativas de crédito podendo operar com as linhas do Fundo.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Funcafé libera recursos para recuperação de lavouras
Muitas lavouras de café de Minas foram seriamente afetadas pelas geadas deste inverno – Divulgação Emater-MG
Áudio

Os recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) desta safra já estão disponíveis a partir desta semana.  A informação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Na última semana, a ministra Teresa Cristina assinou os primeiros 14 contratos com os agentes financeiros que irão aplicar os recursos do Funcafé. Então, a partir de agora, produtores, cooperativas, indústrias e exportadores já podem procurar os 34 bancos e cooperativas de crédito que têm autorização para operar com as linhas do fundo.

Neste ano, o orçamento do Funcafé chega a quase R$ 4,64 bilhões, sendo R$ 1,28 bilhão para custeio, R$ 1,77 bilhão para comercialização, R$ 1,08 bilhão para aquisição e R$ 504,4 milhões para capital de giro para indústrias e cooperativas. Além disso, foram reservados R$ 1,32 bilhão especificamente para apoio aos cafeicultores que sofreram perdas nas lavouras, devido às geadas desse ano. O montante foi aprovado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), no dia 17 de agosto.

De acordo com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), a área de café atingida pela geada chega a 19,1%, em relação à área total plantada com café nas regiões pesquisadas no Estado. A área total afetada foi estimada pelos técnicos da empresa em 173,6 mil hectares, com 9,5 mil cafeicultores atingidos.

O coordenador de Culturas da Emater-MG, Sérgio Brás Regina, ressalta que os produtores devem procurar a assistência técnica antes de fazer qualquer intervenção nas lavouras. Os tratos culturais necessários vão depender da intensidade da geada em cada região e das características das plantas.

“Em alguns casos, será preciso fazer a recepa, que é uma das medidas mais drásticas. É o corte próximo ao solo, em torno de 40 centímetros de altura. Em seguida, ocorrerá a partir dali a rebrota, em torno de dois anos, e só então a planta voltará a produzir”, explica o engenheiro agrônomo. Sérgio Regina não descarta até a necessidade de retirada completa de algumas plantas, com o replantio com novas mudas. Mas, ele destaca, isso terá que ser avaliado caso a caso.

De qualquer forma, é importante fazer o laudo sobre as perdas, por um profissional habilitado, para apresentar na instituição financeira, seja para obter o seguro, que normalmente é atrelado ao crédito obtido pelo produtor, ou mesmo para ter os recursos do Funcafé.

Fonte: Emater-MG
Foto: Divulgação Emater-MG

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Estratégia que garante perenidade está presente nos principais países produtores. Trata-se de subvenção e mecanismo de gestão de riscos que o Brasil não pode prescindir
Falta de dessecante trará prejuízos à safra brasileira de soja. É o que afirma Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil)
Na 7ª edição do evento, a HELM do Brasil destaca solução para agricultura de precisão. Ferramenta para pequenos, médios e grandes produtores, SKYFLD V.2 é apresentada
Linha fina: Após visitar lavouras afetadas pela forte estiagem no PR e MS, ministra diz que ação imediata e efetiva é garantir plantio da safrinha que bate na porta