Search
Close this search box.

Frigoríficos querem bancos também monitorando fornecedores de gado

2 de junho de 2023

A Abiec (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes) divulgou nesta 3ª feira (30.
Compartilhe no WhatsApp
Frigoríficos querem bancos também monitorando fornecedores de gado

O objetivo da regra, segundo a Febraban, é auxiliar no combate ao desmatamento ilegal na Amazônia e atender aos novos padrões comerciais europeus, que impedem que produtos sejam importados de áreas desmatadas para os 27 países que integram a União Europeia.

No entanto, a norma baixada pelos bancos não se aplica aos seus próprios clientes diretos. Produtores agrícolas e outros setores do agronegócio envolvidos com desmatamento podem continuar sendo clientes de bancos brasileiros.

É isso que a Abiec aponta em sua nota, cobrando que os bancos apliquem as mesmas regras que querem impor aos exportadores de carne.

“É importante não só que os bancos exijam de seus clientes que implementem sistemas de monitoramento e rastreabilidade, mas que as áreas de compliance e due diligence das instituições financeiras adotem em relação a todos os seus correntistas, inclusive proprietários rurais, os mesmos critérios socioambientais já implementados pela indústria de processamento de carne bovina, e não apenas para concessão de crédito. Os fornecedores indiretos da indústria são clientes diretos de bancos, portanto é responsabilidade dessas instituições conhecer o seu cliente”, diz a Abiec em sua nota.

A grande maioria das empresas do setor de carnes, como JBS e Marfrig, já exige há algum tempo de seus fornecedores o cumprimento de critérios socioambientais, bloqueando a compra dos produtores que não se enquadram nas regras.

Ocorre que esses fazendeiros compram animais de terceiros, sobre os quais os frigoríficos não têm visibilidade. Há uma prática em algumas regiões do país do que é chamado de “lavar o gado”. Por exemplo, um produtor que cria animais em regiões proibidas e os leva no momento da venda para outro empresário em local liberado para criação. Só depois disso os bois acabam chegando para grandes produtores.

Para coibir esse tipo de prática de “lavagem do gado” seria necessário também rastrear o fluxo de dinheiro entre os produtores menores, que são clientes dos bancos. Uma ação direta do Banco Central também poderia identificar transações em dinheiro que às vezes ficam não rastreáveis pelo sistema tradicional.

Na nota, a Abiec oferece apoio à Febraban para desenvolver o modelo de monitoramento e os critérios para o relacionamento dos bancos com proprietários de terras desmatadas ilegalmente, invasores de terras públicas e de territórios indígenas.

“Hoje entre nossos associados temos aproximadamente mais de 20.000 fornecedores bloqueados por inconformidades socioambientais. Os frigoríficos cortam relações comerciais com estes fornecedores, mas é possível que eles continuem tendo relações comerciais com o setor financeiro”, escreve a Abiec.

Por São Bento em Foco

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil


© 2023 Todos os direitos são reservados ao Poder360,

Relacionadas

Veja também

Confinamento alcança 7,379 milhões de cabeças e destaca a importância da tecnologia e gestão para aumentar a produtividade no setor
Criação de canais de atendimento exclusivos e especializados e melhorias na rede elétrica no interior integram série de ações previstas no Cemig Agro.
Produção de frangos e ovos é destaque no Distrito Federal. A grande demanda da região por produtos de origem animal resulta nos quase 6 mil produtores cadastrados na Emater-DF
A Pecuária é responsável por US$ 1,37 bilhão das exportações sul-mato-grossense