Search
Close this search box.

Formação de pastagens requer atenção para que não haja margem para erros

25 de janeiro de 2024

Especialista orienta pecuaristas para o correto manejo, a fim de garantir aos bovinos pasto de qualidade com maior longevidade
Compartilhe no WhatsApp
Formação de pastagens requer atenção para que não haja margem para erros

De acordo com a mais recente Pesquisa Produção da Pecuária Municipal divulgada pelo IBGE, o rebanho bovino brasileiro alcançou em 2022 novo recorde de 234,4 milhões de animais, com alta de 4,3% em relação ao ano anterior. Outro dado é que cerca de 95% da carne bovina brasileira é produzida em regime de pastagens, cuja área total é de cerca de 167 milhões de hectares, portanto, o cuidado com os pastos é fundamental para garantir oferta de alimento mais barata e saudável.

Passos para formação de pastagens:

O primeiro ponto do qual o pecuarista precisa ter atenção é com a formação da pastagem, afinal, tudo precisa ser realizado de acordo com a sua real necessidade. Segundo o zootecnista Wayron Castro, técnico da Soesp – Semente Oeste Paulista, o produtor precisa ter definido qual o objetivo de sua propriedade. “Vejo muitas pessoas cometerem erros por não terem claro o real objetivo do negócio deles, acabam copiando os vizinhos de cerca, e muitas vezes isso dá errado, pois cada propriedade é uma realidade”, sinalizou.

O passo seguinte é analisar a fertilidade do solo. As análises químicas e físicas, por exemplo, possibilitam conhecer a quantidade de nutrientes disponíveis e a composição do solo quanto ao teor de areia, argila e silte. Os resultados das análises serão usados também para a escolha da forrageira, na Soesp por exemplo, são 18 opções de forrageiras disponíveis.

Ainda com esses dados, o próximo passo será investir nas correções e adubações, no período e quantidade ideais:

– Calagem: é o fornecimento de calcário a fim de neutralizar a acidez do solo, caso o pH esteja baixo.

– Gessagem: para o melhor condicionamento da distribuição dos nutrientes no perfil do solo.

– Fosfatagem, serve para aumentar os teores de fósforo, é um elemento bem pouco disponível nos solos brasileiros.  (Você encontra vídeos sobre esses três conteúdos no canal do Youtube da Soesp)

Ainda pode haver a necessidade de reposição de potássio, um nutriente responsável pela expansão celular e crescimento da planta, além do nitrogênio. “É preciso manter sempre a fertilidade para consequentemente ter maior oferta de alimento para o gado no pasto, com qualidade”, diz o zootecnista.

O processo de gradagem no solo também precisa de atenção, já que não há uma fórmula padrão, cada localidade tem aspectos físicos diferentes. Regiões com muitas pedras requerem mais processos, já lugares mais arenosos rapidamente ficam nivelados. Portanto é fundamental fazer essa análise e lembrar que um solo mal preparado vai gerar um pasto de baixa longevidade. “É necessário cuidado nessa etapa para que haja uniformidade no plantio, seja a lanço ou em linha. Precisa estar nivelado, sem torrões para que as sementes tenham o melhor contato possível com a terra, isso vai impactar, inclusive, no tempo de formação dessa área”, destaca o profissional.

Dimensão do pasto e oferta de água

Pastos no Brasil têm grandes extensões e isso dificulta o manejo do produtor. O recomendado, segundo o profissional da Soesp, é encurtar essas áreas e trabalhar no formato de rotação.

A qualidade da água disponibilizada aos animais, também não deve ser negligenciada, “É preciso ter pastos menores com mais oferta de água limpa, seja por poço artesiano, caixas ou com bebedouros”, diz Castro.

Ainda segundo o especialista, bovino que tem disponível água limpa, tem ganho de até uma arroba por ano. Isso significa incrementos de 50 gramas a mais por dia, somente com a oferta de água de qualidade. “Um produtor, por exemplo, que tem mil animais, isso significa mil arrobas a mais por ano. Somente nesse aspecto, com esse ganho, ele já paga em pouco tempo todo o investimento em bebedouros”, detalha. Além disso, “temos que avançar muito com relação ao manejo de pastagem e qualidade de água para os animais”.

Atenção com qualidade da semente

Hoje, o custo total da semente na implantação da pastagem gira em torno de 3,4%, ou seja, é o mais barato no processo, mas mesmo assim muitos produtores optam por insumos mais baratos, sem pensar na longevidade da pastagem.

Ao comprar uma semente que não é beneficiada, o produtor tem o risco de colocar plantas daninhas na propriedade. Existem dois tipos de invasoras que podem gerar grande dor de cabeça: as de folha larga e de folha estreita.

Herbicidas de pastagem conseguem controlar de forma adequada as invasoras de folha larga, mas em caso de infestação de invasoras de folha estreita, não há muito o que fazer. “Os Panicuns e Brachiarias são plantas de folha estreita também. Então não há herbicida seletivo para controlar daninhas dessa variedade. E é o que mais acontece com as sementes ilegais, provocam infestação dessa invasora causando problemas graves”, detalha o especialista.

E do outro lado no mercado existe a sementes que recebem tratamento industrial para promover alta pureza e blindagem com dois fungicidas e um inseticida. Essa proteção reduz o ataque de formigas no campo. O controle de qualidade da empresa conta com diversos testes laboratoriais. “O tratamento indica maior confiabilidade no plantio, reduzindo as chances de perdas em campo, ajuda na formação de uma pastagem homogênea e consequentemente no aumento da produtividade do rebanho”, finaliza Castro.

Por Agricultura Fantástica

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Exportações do agronegócio cresceram 14,8% em janeiro
Produzido a partir de dados do Caged, o levantamento mostra que as atividades que envolvem a colheita da laranja foram responsáveis por 54.232 contratações
Com maior disponibilidade de lavouras, produtores visam se capitalizar e/ou adiantar a colheita, comparativamente ao padrão sazonal de anos anteriores.
Após quase quatro anos da pior queimada na região, a implementação de novas tecnologias têm sido aliadas, não somente no monitoramento de novos incidentes, como também na prevenção e no aumento da produção da região