Força feminina à frente dos negócios em assentamento

Mulheres inauguram feira livre em assentamento do Triângulo Mineiro, a ser realizada quinzenalmente, aos sábados.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Força feminina à frente dos negócios em assentamento
Áudio

Uma feira livre será inauguraram neste sábado (20/11), dentro do Projeto de Assentamento Perobas Sanharão, em Campina Verde, no Triângulo Mineiro. O Projeto tem 158 famílias assentadas e é um dos 12 projetos de assentamentos de reforma agrária criados pelo Instituto de Reforma Agrária (INCRA) no município.

A proposta da feira é atender as famílias do próprio assentamento, além de dois outros assentamentos próximos e fazendas vizinhas, oferecendo não só produtos frescos como atrações para os adultos e crianças.

A organização da feira está sendo feita pelo Círculo de Mulheres do Sanharão e pela Emater-MG, tendo como parceiros a Secretaria Municipal de Agricultura e o Instituto Federal Tecnológico do Triângulo Mineiro (IFTM).

“O círculo de mulheres busca trabalhar o empoderamento feminino, por meio ferramentas de autodesenvolvimento, e também criar uma fonte de geração de renda para elas, e daí surgiu o projeto de implantação da feira”, conta a extensionista da Emater-MG Márcia Barbosa.

O grupo acredita que a implantação da feira da agricultura familiar dentro do assentamento é uma iniciativa muito viável. Além da quantidade expressiva de famílias no local, também há dois assentamentos vizinhos e várias fazendas ao redor.

O assentamento ainda é cortado pela rodovia federal BR-497. Inicialmente, a proposta é promover a feira, quinzenalmente, sempre aos sábados, das 9 às 18 horas, no Barracão da entrada do assentamento. O Barracão é um espaço comunitário e de uso coletivo.

Transformação social

Os produtos comercializados serão hortaliças, pimentas, frutas, doces (compota, barra, cristalizados, geleias), pães, bolos, bolachas, roscas, carne suína, linguiças, frangos, ovos, queijos, artesanatos. Na praça de alimentação, serão vendidos pastéis, espetinhos, galinhada, porcada e bebidas. Além de um cardápio variado, outra atração da feira será o pula-pula para as crianças.

“A grande maioria dos assentados trabalha na bovinocultura leiteira e, com isso, muitas famílias não produzem hortaliças e frutas. Elas compram muito desses produtos fora do assentamento ou de vizinhos. A feira vai fazer o dinheiro circular no próprio assentamento”, explica Márcia Barbosa.

Além de promover o desenvolvimento sustentável local e ser um atrativo de lazer para a comunidade, a feira vai estimular a produção e o escoamento da produção das famílias de assentados, estimular a comercialização e promover a diversificação da produção no assentamento.

“Um benefício que eu vejo, até maior que a circulação de dinheiro no local, é que as mulheres da comunidade, que antes não tinham renda nenhuma e eram muitos tímidas, hoje já tem voz para falar. Elas agora conseguem fazer valer seus pontos de vista, inclusive nos relacionamentos com os maridos e passaram a acreditar que são capazes e podem fazer vários projetos”, acrescenta a técnica da Emater-MG.

IMG 20211117 WA0032
Com apoio da Emater-MG, mulheres do Assentamento Perobas Sanharão, em Campina Verde, no Triângulo Mineiro, organizam feira livre.

Fonte: Emater-MG/Assessoria de Comunicação

Crédito da foto: Adobe Stock

Crédito: Divulgação Emater-MG

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas
Querendo ou não, a tecnologia chegou para ficar e é claro que ela está muito além do sinal de internet, na comunicação. Ela vai até novas técnicas e formatos de manejo dos animais
Desarranjo nas cadeias globais e a retomada da demanda em grandes portos exportadores do mundo ajudam a explicar a situação que afeta a distribuição de café, carnes, grãos e insumos.