Search
Close this search box.

FAESP integra GT sobre aproveitamentode créditos de ICMS pelos produtores rurais

20 de abril de 2024

Federação vai propor soluções para o aproveitamento dos créditos de uma forma mais abrangente
Compartilhe no WhatsApp
FAESP integra GT sobre aproveitamentode créditos de ICMS
FAESP integra GT sobre aproveitamentode créditos de ICMS

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) vai integrar um Grupo de Trabalho (GT) criado pela Secretaria da Fazenda e Planejamento para discutir o aproveitamento de créditos do ICMS pelos produtores rurais paulistas. Em março, por meio do Decreto n° 68.406/2024, o governo paulista, atendendo a reivindicação da FAESP, prorrogou por 90 dias a entrada em vigor das alterações referentes aos procedimentos para a transferência de crédito por estabelecimento rural ou por estabelecimento de cooperativa de produtores rurais, inicialmente previsto para vigorar a partir de 1º de julho. A entrada em vigor das medidas foi prorrogada para 1º de outubro de 2024 e a Faesp solicitou que esse prazo seja também prorrogado.

A intenção da Faesp no GT é evitar que a mudança no sistema tributário gere prejuízos ou perda de benefícios aos produtores quanto à utilização de créditos adquiridos no sistema vigente. “

Estamos em permanente negociação com a Secretaria da Fazenda, buscando adequações à nova legislação, de modo a resguardar os interesses dos produtores rurais, para que o crédito do ICMS não se transforme em custo”, disse Tirso de Salles Meirelles, presidente da Faesp.

Atualmente os produtores rurais utilizam o sistema e-CredRural para recuperar o valor do ICMS pago em compras de insumos, máquinas, implementos agrícolas, embalagens e óleo diesel. O sistema envolve uma certa burocracia e depende de aval da Secretaria da Fazenda para a liberação dos créditos.

A Secretaria da Fazenda menciona que sua intenção, com as novas regras, é simplificar o sistema e automatizar cálculos, sem a necessidade de intervenção da Fazenda. Mas a regulamentação deve ser ajustada com o GT para corrigir omissões e facilitar o entendimento do produtor no momento de optar entre as modalidades disponíveis para enquadramento. Há dúvidas sobre o funcionamento da proposta sobre produtos diferidos, participação de pequenos produtores no sistema, formas de transferência do crédito outorgado e outras questões sobre o Regime Periódico de Apuração, que serão debatidas no GT, tendo a Faesp como um dos representantes do setor privado.

De acordo com a nova regra, sempre que um comprador adquirir produtos agropecuários de produtores rurais, ele terá a obrigação de compensar um crédito outorgado. Esse crédito corresponderá a uma porcentagem do valor das notas fiscais eletrônicas das transações realizadas. Especificamente, para operações que envolvam café, o comprador precisará compensar um crédito equivalente a 1,0% do valor total das notas fiscais eletrônicas. Já para outras mercadorias provenientes de produtores rurais, essa compensação será de 2,4% do valor total das notas fiscais eletrônicas. Em resumo, o comprador terá que realizar essa compensação de acordo com a porcentagem estipulada, como parte do novo sistema tributário.

“Vamos utilizar a prorrogação do prazo para discutir e propor soluções que viabilizem o aproveitamento dos créditos pelos produtores de uma forma mais abrangente”, explicou o diretor do Departamento econômico da Faesp, Cláudio Brisolara.

Por FAESP

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior