Search
Close this search box.

Exportações do agronegócio gaúcho quebram recorde histórico no primeiro semestre

12 de agosto de 2023

Boletim do Departamento de Economia e Estatística indica embarques de 7,3 bilhões de dólares
Compartilhe no WhatsApp
Exportações do agronegócio gaúcho quebram recorde histórico no primeiro semestre
Venda de soja alcançou 2,2 bilhões de dólares no período, incremento de 15,5% | Foto: Fernando Dias / Seapi / CP

O setor agropecuário gaúcho teve o melhor desempenho em exportações para um primeiro semestre desde 1997, quando teve início a série histórica. No acumulado dos seis primeiros meses de 2023, as exportações cresceram 2,7% em relação ao mesmo período do ano passado, alcançando 7,3 bilhões de dólares, o que representou 71,3% das vendas externas do Estado no período.

Os dados constam do boletim Indicadores do Agronegócio do RS, divulgado nesta sexta-feira pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG). O material foi elaborado pelo pesquisador Sérgio Leusin Júnior e contempla ainda informações sobre o emprego formal no campo.  

O recorde nos primeiros seis meses do ano foi puxado pelo complexo soja, com 2,2 bilhões de dólares no período, incremento de 15,5% em relação ao mesmo período de 2022. Além da oleaginosa, registraram aumento o grupo de fumo e seus produtos (1,06 bilhão de dólares; +20,6%) e de máquinas e implementos agrícolas (308,01 milhões milhões de dólares; +11,7%).

Houve redução na exportação de carnes (1,22 bilhão de dólares; -4,1%), cereais, farinhas e preparações (992,61 milhões de dólares; -8,5%), produtos florestais (721,64 milhões de dólares; -13,8%) e couros e peleteria (162,57 milhões de dólares; -19,5%). 

Entre produtos específicos, a soja em grão apresentou a maior variação positiva em termos absolutos (mais 331,65 milhões de dólares; +50,6%), seguida do fumo não manufaturado (mais 158,55 milhões de dólares; +19,4%). Entre os principais destinos das exportações, a China respondeu por 22,5% das compras, seguida pela União Europeia (14,9%), Estados Unidos (5,7%), Vietnã (5,1%), Indonésia (4,7%) e Arábia Saudita (2,8%).  

Segundo trimestre

A publicação do DEE destaca que os embarques de produtos agropecuários atingiram 3,54 bilhões de dólares no segundo trimestre, 0,9% a menos do que no mesmo período do ano passado (3,57 bilhões de dólares). As maiores altas foram no complexo soja, com 1,38 bilhão de dólares (crescimento de 23,7%), seguido pelo setor de fumo e seus produtos (471,24 milhões de dólares e 21,4% de incremento).

Em sentido inverso, produtos florestais (US$ 295,39 milhões; -35,4%) e carnes (US$ 569,88 milhões; -21,4%) sofreram as maiores quedas. O agro foi responsável por 69,3% das exportações totais do Estado no segundo trimestre.  

Ainda no segundo trimestre, a soja em grão foi a principal responsável pelo aumento nas vendas do complexo soja, com alta de 94,3% no valor comercializado (total de 755,87 milhões de dólares), compensando a queda do óleo de soja (total de 149,05 milhões de dólares, -44,6%). No fumo e seus produtos, o principal artigo do segmento, o fumo não manufaturado, registrou elevação de 17,2% em valor (total de 417,38 milhões de dólares).

Entre as baixas, a redução nas vendas de carne de frango (total de 274,65 milhões de dólares; -35,7%) e de carne bovina (83,16 milhões de dólares; -25,2%) impactaram o resultado final. Entre os produtos florestais, o principal item do segmento – a celulose – registrou queda de 44,6% (179,08 milhões de dólares).

O setor de cereais, farinhas e preparações teve queda de 9,2% nas vendas (279,55 milhões de dólares). O destaque positivo foi para o aumento nas exportações de arroz (136,49 milhões de dólares; +115,9). Houve, ainda, redução no comércio de trigo (70,63 milhões de dólares; -33,2%) e de milho (54,02 milhões de dólares; -53,4%).  

Os principais compradores foram a China (27,3%), que aumentou em 169,4 milhões de dólares as aquisições do Rio Grande do Sul, alta de 21,2%. O bloco da União Europeia (15,9%), Estados Unidos (5,3%), Vietnã (5,1%) e Argentina (3,1%) completam o ranking dos cinco principais compradores. 

Conforme o boletim, o período registrou saldo negativo de 8.438 postos com carteira assinada no Rio Grande do Sul. Em 2022, o resultado havia sido negativo em 7.856 postos. Os dados seguem a tendência de redução no saldo de postos de trabalho no campo nesta época, por conta da sazonalidade da produção agrícola. 

Outros números

Na quinta-feira, a Federação da Agricultura do RS (Farsul) divulgou dados das exportações gaúchas para julho. Conforme o Relatório de Comércio Exterior do Agronegócio, em comparação com junho de 2023 houve aumento de 4% no valor  e queda de 2% no volume. Na relação com julho de 2022, houve queda de 4% no valor (1,2 bilhão de dólares em 2023, contra 1,3 bilhão de dólares em 2022) e no volume (1,5 milhão de toneladas em 2023 contra 1,6 milhão de toneladas em 2022).

O agronegócio respondeu por 69% do valor total exportado pelo Estado por e 88% do volume. O acumulado do ano é de 8,1 bilhões de dólares, valor 1% superior ao período no ano passado. Em volume, no acumulado, houve queda de 2%, totalizando 11,7 milhões de toneladas.

Em nível nacional, as exportações tiveram, em julho, o valor recorde de 14,43 bilhões de dólares, crescimento de 1,2% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Segundo análise da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária (SCRI/Mapa), o aumento do volume exportado foi responsável pelo incremento do desempenho da balança comercial, puxados, principalmente, pelo complexo soja, carnes de frango e suína, celulose e algodão.

No geral, os preços médios de exportação dos produtos recuaram. A participação das exportações do agronegócio no total da balança comercial de julho foi de quase 50%. China, Argentina, Argélia e México são alguns dos países em que as exportações do agro tiveram aumento absoluto das exportações acima de 100 milhões de dólares.

Por Correio do Povo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Exportações do agronegócio cresceram 14,8% em janeiro
Recorde de exportações de soja impulsiona o Paraná
5a Noite da Soja irá reunir em torno de 500 produtores, entre cooperados e demais agricultores do Paraná, para expor o desempenho de sementes ideais para regiões do Paraná Alto e Baixo
Produtores que não realizaram replantio ou atrasaram sua janela de safra podem ter perdas acima de 15% de sacas por ha