O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Exportações do agro crescem 16% em divisas e 6% em volume

Com faturamento de US$ 36 bilhões no 1º quadrimestre deste ano o setor vem mostrando sua força e importância para a economia brasileira
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Depois de atingirem recordes em volume e faturamento em 2020, as exportações brasileiras do agronegócio seguem em ritmo intenso em 2021. De janeiro a abril de 2021, o volume exportado pelo agronegócio nacional cresceu 6% frente ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia AplicadaCepea, da Esalq/USP, realizadas com base em dados da Secex. 

Quanto ao faturamento, atingiu US$ 36 bilhões no primeiro quadrimestre deste ano, aumento de 16% em relação ao do mesmo período de 2020. Como resultado, de janeiro a abril, as exportações do agronegócio representaram 51% das vendas externas totais brasileiras. 

Segundo pesquisadores do Cepea, esse bom resultado está atrelado, além da demanda externa aquecida, aos preços em alta no mercado internacional – houve avanço de 10% no primeiro quadrimestre deste ano frente ao mesmo período de 2020. 

Destinos 

A China se mantém como parceira comercial mais importante do agronegócio brasileiro, sendo destino de quase 38% de todo valor em dólar gerado pelo setor nos quatro primeiros meses de 2021. Os países que compõem a Zona do Euro continuam com a segunda posição, com participação de quase 15%, e os Estados Unidos, a terceira, com 6,4%. 

O principal produto da pauta de compras da China continua sendo a soja em grão, ficando com mais de 70% do produto exportado pelo Brasil no primeiro quadrimestre de 2021. 

O país asiático também se consolidou como o principal comprador das carnes brasileiras, absorvendo 54% da proteína bovina, 57% da suína e 18% da de frango. 

Os chineses ainda foram destino de 20% das exportações de algodão em pluma, 43% da celulose e 52% do óleo de soja. 

O comportamento do câmbio deve ser o fator mais importante na tomada de decisão do exportador nos próximos meses. Se, por um lado, a recuperação econômica nos países desenvolvidos tem se mostrado cada vez mais firme diante da aceleração na vacinação da população, no Brasil, ainda há dúvidas em relação a essa retomada. Além disso, as crises internas, sanitária, econômica e política devem influenciar o preço do dólar ao longo do ano. 

Desempenho das Exportações do Agronegócio – CEPEA – 
  mai20-abr21/mai19-abr20  jan-abr21/jan-abr20  abr21/abr20 
Volume  11%  6%  10% 
Preço em dólar  -1%  10%  17% 
Faturamento em dólar  10%  18%  29% 
Índice câmbio Agro  9%  -5%  -17% 
Preço em Real (Atratividade)  8%  4%  -2% 
Faturamento em Real  20%  9%  8% 

Fonte: Cepea 
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal MAB