Search
Close this search box.

Setor agropecuário responde 48,2% das exportações

24 de outubro de 2023

Exportações do agronegócio bateram recorde nos nove primeiros meses do ano, alcançando US$126,22 bilhões. Só em setembro, elas somaram 48,2% dos embarques brasileiros
Compartilhe no WhatsApp
Setor agropecuário responde por quase metade das exportações
Silo de armazenagem: soja em grão e milho foram os produtos que mais contribuíram para o desempenho das exportações no período de janeiro a setembro – (crédito: Ed Alves/CB/DA.Press)

As exportações brasileiras de produtos do agronegócio bateram recorde de janeiro a setembro deste ano. Os embarques somaram US$ 126,22 bilhões, crescimento de 3,6% na comparação com o mesmo período em 2022. As vendas de soja em grão e milho foram as que mais contribuíram para o desempenho. Apenas em setembro, as vendas externas foram de US$ 13,71 bilhões, valor que correspondeu a quase metade — 48,2% — dos embarques brasileiros.

De acordo com a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária (SCRI/Mapa), o resultado não foi maior por causa do recuo do índice de preços dos produtos exportados. Por outro lado, a safra recorde de grãos na safra 2022/2023 possibilitou aumento de volume exportado pelo Brasil.

O crescimento das exportações do complexo soja-biodiesel foi uma tendência na última década.

Em 2022, o valor exportado atingiu US$ 61,3 bilhões, representando 38% das exportações do agronegócio nacional. O principal destino é a China, que absorve, desde 2013, mais da metade do valor exportado — 52,61% em 2022. A partir de 2019, porém, os chineses reduziram a dependência da soja brasileira, importando mais do Sudeste Asiático, da África e do Oriente Médio.

Também se destacaram como destinos do complexo soja, em 2022, União Europeia (14,51%), Sudeste Asiático (10,09%) e Oriente Médio (7,49%).

Mercado interno

Embora as exportações sejam relevantes para o saldo comercial, um volume significativo da produção abastece o mercado interno. Em 2022, a relação exportação versus produção foi de 61% para a soja em grão, 53% para o farelo de soja e 26% para o óleo de soja.

Segundo Jean Marc Sasson, cofundador e diretor jurídico da Atmmos, startup de compensação socioambiental para empresas, a composição do agronegócio passou por mudanças importantes nos últimos anos, pois além de maior produtor mundial de soja, o Brasil passa a se destacar em outros produtos, como milho e algodão.

“Sem o agronegócio, a balança comercial brasileira não ficaria superavitária nos últimos anos”, assinalou, observando que “ainda somos eminentemente exportadores de commodities, em vez de produtos manufaturados e acabados com maior valor agregado”.

Pauta verde

Avaliando as tendências para o setor, o especialista não enxerga um futuro para o agro sem se aliar à pauta verde, e destacou a experiência nacional na produção de combustíveis renováveis. “O Brasil já vem desde a década de 1970 (quando foi criado o Programa Nacional do Álcool) com uma tradição muito forte de biocombustíveis. Essa experiência, com certeza, ajuda, principalmente na matriz energética e nas exportações brasileiras, que enfrentam um grande escrutínio, principalmente europeu, na importação de produtos com baixa pegada de carbono”, avaliou.

Sasson mencionou o RenovaBio, iniciativa do Ministério de Minas e Energia (MME) lançada em 2016, com bem-sucedidas experiências na expansão da produção de biocombustíveis. Mais recentemente, o governo abriu outra frente com o projeto Combustível do Futuro, lançado em setembro. Ele alertou, porém, para a necessidade de compensações no setor. “O agronegócio precisa avaliar, principalmente, questões ligadas a desmatamento e identificar os passivos ambientais, com suas devidas proporções e exigências regulatórias”, disse. 

Por Correio Brasiliense

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

A produção brasileira de sêmen bovino (raças de corte e de leite) em 2023 foi de 19,431 milhões de doses, recuo de 22% ante os 24,757 milhões de doses do ano de 2022.
Uma recente diretiva da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado em dezembro de 2023, além das fórmulas infantis, permite o consumo de leite de vacas pasteurizado por bebês a partir dos seis meses de idade
O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT) é parceiro da 8ª edição do Farm Show, que acontece entre os dias 12 a 15 de março, das 8h às 20h, no Parque de exposições de Primavera do Leste.
Reunião dos Presidentes das Câmaras Setoriais do SAA destaca progressos e pioneirismos, com ênfase na atuação da Associação Grupo Pecuária Brasil e anúncio de novidades pelo Secretário de Agricultura do Estado.