Search
Close this search box.

Expointer faturou quase R$ 8 bilhões em 2023

6 de setembro de 2023

Vendas de máquinas agrícolas foram responsáveis pela maior movimentação na feira, com R$ 7,3 bilhões
Compartilhe no WhatsApp
Expointer faturou quase R$ 8 bilhões em 2023

A 46ª Expointer terminou neste domingo (03/09), em Esteio (RS), com faturamento de R$ 7,98 bilhões acumulados ao longo de nove dias, um crescimento de 11,76% em relação a edição de 2022 (R$ 7,14 bilhões).

O setor de máquinas agrícolas foi o que mais fechou negócios, somando cerca de R$ 7,3 bilhões durante a feira, dos quais 30% são provenientes do Pronaf. Adjacente a este segmento, os veículos automotores alcançaram o número de R$ 471 milhões.

O balanço foi divulgado durante coletiva de imprensa realizada neste domingo, na cidade gaúcha. A organização destacou também a receita movimentada no Pavilhão da Agroindústria Familiar na Expointer, de cerca de R$ 8,6 milhões.

público foi recorde, com 818.943 mil visitantes de 26 de agosto até às 13h30 deste domingo, aumento de 5,96% em relação ao ano anterior. De acordo com a diretoria da feira, estes valores podem se alterar porque os pavilhões devem fechar às 18h.

No setor de animais, o faturamento foi de R$ 11,7 milhões, menor do acumulado na feira de 2022, quando o segmento atingiu R$ 12,5 milhões.

Pela primeira vez, a feira contabilizou o valor faturado pelo segmento de insumos, que alcançou R$ 86,7 milhões.

No comércio geral, a feira cresceu 47% em comparação a 2022 e chegou a mais de R$ 55 milhões somados desde o primeiro dia (26/08) de evento.

A próxima edição acontecerá de 24 de agosto a 1 de setembro de 2024.

Crédito Rural na Expointer

A Expointer movimentou aproximadamente R$ 7,4 bilhões em crédito rural. Pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foram ofertados cerca de R$ 518 milhões.

Banco do Brasil concedeu R$ 1,35 bilhão durante o evento, enquanto o banco regional Banrisul transacionou R$ 1,26 bilhão. Outros bancos ainda estavam consolidando os volumes de negócios fechados.

No caso do banco gaúcho, o valor representa um crescimento de 52% em relação ao registrado na feira de 2022.

Do total, R$ 663 milhões foram destinados ao financiamento de máquinas e equipamentos, R$ 73 milhões para armazenagem e R$ 344 milhões para irrigação, correção de solo, sistemas de energias renováveis e desenvolvimento. Outras linhas somaram R$ 184 milhões.

As principais linhas de crédito foram Moderfrota Pronamp, Renovagro, Moderfrota, Proirriga, PCA e Pronaf Máquinas. Para o presidente do Banrisul, Fernando Lemos, “o resultado recorde desta edição foi alcançado graças à disponibilidade de recursos, aos esforços na melhoria do atendimento aos produtores e à modernização dos processos internos de contratação”.

Descontentamento da cadeia leiteira

Durante o anúncio do balanço, o vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Eugênio Edevino Zanetti, voltou a mencionar a “frustração” dos produtores de leite com a visita do ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

Segundo ele, o setor tem uma “previsão catastrófica” até o final do ano e, por isso, os produtores esperavam anúncio mais contundente por parte do Mapa.

Para ele, uma das primeiras medidas é “barrar o leite em pó do Mercosul” em favor do produto gaúcho.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Para participar é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único e viva no meio rural, com renda mensal de até R$ 218 por integrante
Reunião para discutir o tema foi realizada na terça (21), em Brasília
Em 2023, a CNI contabilizou 85 entraves às exportações nacionais contra 77 no levantamento do ano anterior