Search
Close this search box.

Estudo da Fapesp sugere América Latina como protagonista no mercado de biocombustíveis

17 de agosto de 2023

Ricos em biodiversidade e com vastas áreas agricultáveis, Brasil, Argentina, Colômbia e Guatemala podem promover transição energética sustentável e liderar produção mundial.
Compartilhe no WhatsApp
Estudo da Fapesp sugere América Latina como protagonista no mercado de biocombustíveis

A busca por alternativas energéticas sustentáveis tem sido uma das principais pautas no cenário global e diante das crescentes mudanças climáticas e da necessidade urgente de redução de emissões de carbono, a América Latina surge como um protagonista promissor, conforme revela um estudo financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Conduzida pelo Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN) em colaboração com a Força Tarefa de Descarbonização do Transporte da Agência Internacional de Energia, a pesquisa coloca países como Brasil, Argentina, Colômbia e Guatemala no centro das discussões.

Isso porque, em comum, eles têm uma rica biodiversidade e vastas áreas agricultáveis, demonstrando potencial para liderar a produção de biocombustíveis de maneira sustentável.

Nesta corrida, o Brasil dispara em primeiro lugar. Segundo o diretor da Fenasucro & Agrocana, Paulo Montabone, o etanol produzido por aqui é um exemplo.

“É um produto ecologicamente correto, capaz de diminuir a emissão de gás carbônico e transformar o futuro das próximas gerações em um futuro mais saudável”.

O estudo ainda destaca que, mais do que uma alternativa energética, os biocombustíveis representam hoje uma solução viável para a redução significativa das emissões de gases de efeito estufa, combatendo diretamente o aquecimento global.

A produção de biocombustíveis não é considerada apenas uma solução energética, mas uma oportunidade para promover desenvolvimento econômico, inovação e sustentabilidade em toda a região.

“O Brasil é um dos maiores produtores de biocombustíveis no mundo, produz anualmente cerca de 30 bilhões de litros de etanol e cerca de 7 bilhões de litros de biodiesel. As principais matérias primas utilizadas na produção desses biocombustíveis são a cana-de-açúcar, responsável por 90% da produção de etanol do país, e a soja, responsável por 75% da produção de biodiesel do país”, diz Alexandre Alonso, chefe-geral da Embrapa Agroenergia.

O potencial das terras de pastagem

Uma das revelações mais impactantes do estudo é o potencial inexplorado das terras de pastagem na América Latina.

De acordo com os pesquisadores, se cerca de 5% dessas terras fossem convertidas para o cultivo de cana-de-açúcar e outras biomassas, a produção de biocombustíveis poderia dobrar.

Esta proposta não apenas maximiza o uso da terra, mas também promove uma transição para práticas agrícolas mais sustentáveis.

Além disso, o estudo aponta que a conversão dessas terras não comprometeria áreas de preservação ambiental ou terras destinadas à produção de alimentos, equilibrando produção energética e conservação.

Plantação de cana-de-açúcar na região de Ribeirão Preto, SP — Foto: Sergio Oliveira/EPTV

Plantação de cana-de-açúcar na região de Ribeirão Preto, SP — Foto: Sergio Oliveira/EPTV

Políticas públicas e economia de baixo carbono

A implementação de políticas públicas eficazes, ainda de acordo com a pesquisa, é fundamental para o avanço da produção de biocombustíveis.

O estudo sugere que governos devem considerar estratégias voltadas para uma economia de baixo carbono, incentivando a produção e consumo de biocombustíveis.

O etanol e o biodiesel, por exemplo, são economicamente viáveis, mas sua produção e preço podem ser impactados pelas flutuações nos custos das matérias-primas.

Portanto, políticas de incentivo e subsídios podem ser cruciais para garantir a estabilidade do mercado.

Ainda segundo Montabone, existe uma necessidade de integrar as indústrias de base às normas de sustentabilidade.

Ele afirma que não adianta cobrar a usina que produz etanol se não houver uma indústria de base sustentável.

“Trata-se de um circuito fechado, quanto mais empresas ecologicamente corretas, mais o setor se engrandece e menos emissão de gás carbônico a gente tem no planeta. E quando a gente conseguir fechar esse circuito industrial, vamos ter a indústria mais sustentável do planeta”.

Hidrogênio verde: a alternativa à eletrificação dos veículos

O estudo da FAPESP não se limita aos biocombustíveis tradicionais. Uma das descobertas mais inovadoras é o potencial do hidrogênio verde, produzido a partir do etanol. Este composto surge como uma alternativa promissora à eletrificação dos veículos.

Ao invés de depender exclusivamente de baterias e eletricidade, o hidrogênio verde pode ser utilizado em veículos, aproveitando a infraestrutura de reabastecimento já existente.

Esta solução não apenas diversifica as opções de energia limpa, mas também facilita a transição para tecnologias mais verdes.

Estudo sugere que governos devem considerar estratégias voltadas para uma economia de baixo carbono — Foto: Myriams-Fotos por Pixabay

Estudo sugere que governos devem considerar estratégias voltadas para uma economia de baixo carbono —

Por G1

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Nesses últimos dias, o ritmo de comercialização diminuiu e as cotações domésticas de algodão também recuaram, na contramão dos referenciais externos
Em farelo de soja, a expectativa é de exportação de 2,225 milhões de toneladas, em comparação com 1,869 milhão de toneladas na projeção anterior
O relatório do estudo completo está em fase final de elaboração e deve ser divulgado no começo de setembro.
Orizicultores têm preferido comercializar a matéria-prima no porto de Rio Grande, onde as ofertas para exportação se mantêm mais vantajosas