Search
Close this search box.

Embrapa mostra tecnologias para sistemas integrados na Abertura da Colheita do Arroz

19 de fevereiro de 2024

Um estudo recente realizado pela consultoria Agrifatto analisou a evolução da produtividade na pecuária brasileira ao longo dos últimos anos.
Compartilhe no WhatsApp
Embrapa mostra tecnologias para sistemas integrados

A Embrapa Pecuária Sul estará presente na 34ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz e Grãos em Terras Baixas, que será realizada na Estação Terras Baixas, da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão/RS, entre os dias 21 e 23 de fevereiro. Durante o evento serão apresentadas soluções tecnológicas que contribuem para o desenvolvimento da pecuária e de sistemas integrados, além da participação em eventos técnicos.

O evento é uma realização da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Embrapa, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Rio Grande do Sul (Senar/RS) e apoio do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga).

Entre as tecnologias apresentadas no evento, estão alternativas de forrageiras para a pecuária e sistemas integrados. Nesse sentido, os visitantes poderão conferir, na vitrine instalada na estação experimental, cultivares desenvolvidas pela Embrapa Pecuária Sul e disponibilizadas para o produtor, contribuindo para melhor planejamento forrageiro das propriedades. Um dos destaques é a cultivar de capim-sudão BRS Estribo, lançada há mais de dez anos e que vem sendo muito utilizada na região Sul do Brasil.

Também estarão disponíveis na vitrine as cultivares de trevo-branco BRS URS Entrevero e de trevo-vermelho URS BRS Mesclador, leguminosas de grande potencial para a utilização em consorciação na formação de pastagens de inverno. Já a tecnologia Pasto sobre Pasto preconiza o uso de mesclas de cultivares forrageiras em uma mesma área, mantendo sempre plantas vivas ao longo do ano, com objetivo de ampliar a oferta de pasto e eliminar os chamados vazios forrageiros. 

A Embrapa também vai mostrar tecnologias voltadas para a prevenção e controle de plantas indesejadas.

Uma dessas tecnologias é o Método Integrado de Recuperação de Pastagens Degradadas (Mirapasto), desenvolvido pela Embrapa Pecuária Sul, e que permite a reversão da degradação da pastagem nativa e o controle do capim-annoni, principal invasora de pastagens da região Sul, de forma econômica e sem a necessidade de mobilização do solo.

Outro destaque é o aplicador seletivo de herbicida Campo Limpo, uma importante ferramenta para a recuperação de pastagens degradadas, pois possibilita o controle de gramíneas indesejáveis como o capim-annoni e o capim-navalha e também plantas tóxicas de folha larga como a maria-mole, flor-das-almas e mio-mio.

Essas tecnologias estarão sendo apresentadas em estações a campo por pesquisadores da Embrapa Pecuária Sul: Danilo Sant’Anna (Pasto sobre Pasto), Naylor Perez (controle de plantas indesejadas) e Gustavo Silva (cultivares forrageiras). A pesquisadora Fabiane Lamego, da Embrapa Clima Temperado, também estará atendendo na estação de controle de plantas indesejadas.

Pesquisadores da Embrapa Pecuária Sul também participam dos debates técnicos programados para o evento. Na quinta-feira (22/02), dentro do painel “Manejo de plantas daninhas em sistemas de produção em Terras Baixas”, os pesquisadores Naylor Perez e Fabiane Lamego (Embrapa Clima Temperado) vão apresentar palestra sobre o controle de plantas indesejadas em sistemas forrageiros e de integração lavoura-pecuária. Já na sexta-feira (23/02), será a vez do pesquisador Daniel Montardo falar sobre a evolução e histórico no melhoramento de plantas forrageiras, destacando o papel da Embrapa no processo de melhoramento genético e lançamento de cultivares.

Por Notícias Agrícolas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Estado é o maior produtor da região Norte
Agrishow mostra a força do agronegócios e fabricantes de turboélices apostam no potencial do setor
Segundo o IBGE, 90% das empresas têm perfil familiar no Brasil, respondem por mais da metade do PIB, e empregam 75% da mão de obra do país.
Número de produtores de sementes registrados no Mapa passou de 7 para 27 em menos de dez anos; área de campos de produção quadruplica no país