Search
Close this search box.

Em parceria com Embrapa, startup produz trigo em fazenda vertical

14 de abril de 2023

No segundo teste em ambiente controlado, a produtividade do grão já alcançou o correspondente a uma tonelada por hectare
Compartilhe no WhatsApp
Em parceria com Embrapa startup produz trigo em fazenda vertical

A produção vertical de hortaliças em ambiente controlado, com menor uso de água e sem nenhum agrotóxico já avança nos grandes centros urbanos brasileiros. A novidade agora é a produção vertical de trigo, um dos grãos mais consumidos no mundo, matéria-prima do pãozinho nosso de cada dia.

Uma parceria público-privada entre a startup 100% Livre, que produz e comercializa folhosas nesse modelo de plantio na capital paulista, e a Embrapa Hortaliças já rendeu dois experimentos de produção de trigo vertical em hidroponia, com iluminação artificial de led e controle de diversas variáveis meteorológicas no ambiente, como temperatura, umidade relativa do ar, tempo e intensidade de iluminação.

Fazenda Vertical

Diego Gomes, CEO e sócio-fundador da 100% Livre, diz que, após o desenvolvimento junto com a Embrapa da tecnologia para folhosas e do avanço da comercialização de alfaces e temperos, começou a buscar uma oportunidade de trabalhar no mesmo sistema com uma commodity.

“Pesquisei oferta e demanda de grãos e decidi investir na pesquisa do trigo porque o Brasil não é autossuficiente na produção e a guerra da Ucrânia [um dos maiores produtores mundiais e exportadores do grão] nos fez entender melhor as opções de mercado do cereal”, conta.

O primeiro plantio, em julho de 2022, usando a cultivar BRS 394 da Embrapa, desenvolvida para produção irrigada no Cerrado brasileiro, serviu apenas como aprendizado. A germinação teve muitas falhas e o grão não encheu.

No segundo teste, foram feitos ajustes em nutrição, em tempo e intensidade da iluminação por leds, temperatura e em outras variantes, e os resultados já começaram a animar a equipe de pesquisa e a empresa.

“Colhemos um grão mais cheio e 42% mais produtivo que o da primeira rodada. A produtividade que conseguimos corresponde a mais de 1 tonelada por hectare. Como posso fazer o plantio em 20 prateleiras, já teria uma produtividade de 20 toneladas por hectare, diante da média de 3,5 toneladas colhidas atualmente em lavouras brasileiras a céu aberto”, projeta Gomes, que espera chegar ao mesmo rendimento do campo nos próximos testes.

Outra vantagem do ambiente controlado é que o trigo de 0,70 metro de altura ficou pronto para colheita entre 80 e 85 dias após o plantio, o que permitiria três ciclos de produção por ano, enquanto as lavouras do campo demandam cerca de 120 dias e têm apenas uma safra anual.

Terceiro ciclo

Ítalo Guedes, engenheiro agrônomo e coordenador da pesquisa feita em um contêiner instalado na área da Embrapa Hortaliças no Distrito Federal, diz que já está sendo conduzido o terceiro ciclo de experimentos, usando a mesma BRS 394 e também cultivares de empresas privadas.

Nas folhosas, até fechar o sistema de produção, diz o pesquisador, foram necessários de sete a dez ciclos e foram testadas mais de 300 cultivares.

Trigo de 0,70 metro de altura ficou pronto para colheita entre 80 e 85 dias após o plantio, o que permitiria três ciclos de produção por ano — Foto: Divulgação

Trigo de 0,70 metro de altura ficou pronto para colheita entre 80 e 85 dias após o plantio, o que permitiria três ciclos de produção por ano — Foto: Divulgação

“No trigo, devemos fazer de seis a oito ciclos de ajustes e experimentação e demorar de oito meses a um ano para fechar o sistema de produção a ser entregue para a produção comercial da 100% Livre”, revela.

Mesmo sendo em Brasília, onde a Embrapa faz pesquisas com grãos de trigo transgênico, não está nos planos da parceria testes com sementes geneticamente modificadas.

“Temos muito que conhecer e avançar ainda no processo com as cultivares de mercado”, diz Guedes, que sempre trabalhou na Embrapa com o cultivo em estufas e hidroponia e, a partir de 2016, após o lançamento do conceito de fazendas verticais nos Estados Unidos, se especializou no modelo de produção em ambiente controlado.

No modelo de parceria técnico-financeira, denominada Inovação Aberta, a empresa paga a pesquisa da Embrapa e recebe o sistema pronto para o cultivo comercial.

Segundo Guedes, só para começar, a pesquisa demandou um investimento de cerca de R$ 250 mil, sem contar salários e outros encargos, que a Embrapa não poderia bancar sem a parceira com a agtech, que recebe também, ao final do processo, um estudo de viabilidade financeira da cultura.

O CEO da 100% Livre explica que, antes de começar a produzir trigo em escala comercial, será preciso estabelecer se o consumidor vai aceitar pagar mais por um grão rastreável produzido sem defensivos, como já faz com as hortaliças.

“Sou um cara que entende de commodity e não de plantas. Fui buscar ajuda dos pesquisadores para dominar um sistema inovador de produção, mas ainda preciso avaliar se o cultivo vertical sustentável do trigo é competitivo, estudar os desafios de transporte e armazenagem, entre outros”, diz Gomes, formado em administração e publicidade.

Espaço para o cultivo, a empresa já tem. Além do galpão no Ipiranga de 300 metros quadrados e 14 metros de pé direito, que comporta 20 prateleiras e abriga a produção de folhas, a startup já alugou espaço de 1.500 metros quadrados com 20 metros de pé direito em Osasco, na região metropolitana de São Paulo.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Exportações do agronegócio cresceram 14,8% em janeiro
Produzido a partir de dados do Caged, o levantamento mostra que as atividades que envolvem a colheita da laranja foram responsáveis por 54.232 contratações
Com maior disponibilidade de lavouras, produtores visam se capitalizar e/ou adiantar a colheita, comparativamente ao padrão sazonal de anos anteriores.
Em uma análise recente divulgada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as projeções apontam para um futuro promissor para o agronegócio brasileiro, especialmente para o setor de milho.