Search
Close this search box.

Embrapa vai medir emissão de metano de bovinos em Mato Grosso

29 de março de 2023

Pesquisadores querem comparar dados locais com os do IPCC, o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima
Compartilhe no WhatsApp
Embrapa vai medir emissão de metano de bovinos em Mato Grosso
Foto: Gabriel Faria

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), unidade Agrossilvipastoril, localizada em Sinop (MT) anunciou ontem (28) que deu início às avaliações para mensurar a emissão de metano entérico por bovinos em diferentes sistemas produtivos de criação de gado a pasto criado no estado. De acordo com a Embrapa, a obtenção desses dados nos diferentes sistemas é o passo que falta para se fechar o balanço de emissões de gases causadores de efeito estufa na ILPF (integração lavoura-pecuária-floresta).

A medição de metano, usando metodologia de cangas e hexafluoreto de enxofre (SF6), começou neste mês de março, com cinco dias de coleta durante o verão. Uma nova coleta está prevista para o fim de abril/início de maio, na transição do período chuvoso para o seco. Outras duas coletas ocorrerão no inverno seco e na primavera, quando retornam as chuvas.

Inicialmente estão sendo medidas as emissões em vacas de leite da raça girolando. A opção por esta categoria se deu pela maior facilidade de manejo e pela docilidade dos animais. As vacas já estão acostumadas a ir ao curral duas vezes ao dia, permitindo a troca e verificação das cangas. Mas os dados da pesquisas miram a maior atividade pecuária do estado, o gado de corte, que a instituição pretende implementar em um segundo momento. Com 30 milhões de bovinos, equivalente a 14% do rebanho nacional, o Mato Grosso é o maior produtor de carne do Brasil. Se fosse um país, o estado estaria em sexto lugar no ranking global.

As avaliações contemplam vacas em quatro diferentes sistemas silvipastoris, com níveis variados de sombra. O Comitê de Ética Animal da Embrapa Agrossilvipastoril não autorizou que a pesquisa fosse feita com vacas em sistema de pasto a pleno sol. De acordo com o pesquisador responsável pela pesquisa, Alexandre Nascimento, a expectativa é que no fim do ano já seja possível ter informações para cruzamento com os dados sobre emissões de gases pelo solo e as taxas de sequestro de carbono no solo e nas árvores.

“Até o início do ano que vem esperamos ter a quantidade de carbono equivalente emitida por kg de leite produzido”, afirma Nascimento. “Pode ser um número maior ou menor do que aquele utilizado pelo IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima], mas será um número nosso. Medido em nossa realidade de criação a pasto em uma região tropical no Brasil.”

Atualmente os dados usados para elaboração de relatórios de emissões dos países são aqueles gerados em países com as pesquisas mais avançadas. A maioria deles localizados em regiões temperadas. Dessa forma, o próprio IPCC incentiva que cada país mensure as emissões de seus sistemas produtivos por meio de pesquisas científicas.

Embrapa – Parcerias para pesquisa na pecuária


No Brasil a Embrapa Pecuária Sudeste, localizada em São Carlos (SP), e que é parceira na realização da pesquisa em Mato Grosso, foi pioneira na utilização desta metodologia de avaliação. O uso das cangas com hexafluoreto de enxofre traz maior liberdade e facilidade na coleta dos dados em criação a pasto. Diferentemente do uso de aparelhos como o GreenFeed, que demandam que o animal vá até o cocho para que a emissão seja medida. Os dados obtidos em Sinop poderão ser comparados com dados obtidos em São Carlos.

A Embrapa Agrossilvipastoril pretende realizar as mesmas mensurações em gado de corte. Porém, para isso busca instituições parceiras. Devido aos animais serem mais ariscos, será necessário mais tempo e maior disponibilidade de mão-de-obra, uma vez que é preciso acostumar os animais com o manejo diário antes de colocar as cangas.

“Com essa pesquisa, nós inauguramos uma frente importante de pesquisas relacionadas ao metano entérico. Poderemos avaliar diferentes categorias animais e também o efeito da dieta adotada na emissão do gás”, explica Nascimento.

O metano é um dos três principais gases causadores do efeito estufa emitidos pela atividade agropecuária, ao lado do gás carbônico (CO2) e óxido nitroso (N2O). Em 2021, durante a Conferência do Clima realizada em Glasgow, na Escócia, foi assinado um acordo entre as partes para redução imediata das emissões desse gás. A pecuária é a atividade que mais emite metano por causa do processo de fermentação entérica que ocorre no rúmen dos bovinos.

Entenda como é técnica de medição de metano


Para medir as emissões, uma cápsula com hexafluoreto de enxofre (SF6) é inserida no rúmen da vaca. Previamente sabe-se a quantidade desse gás emitida diariamente pela cápsula.

Em seguida a canga é colocada presa a um cabresto. Nela há uma câmara de vácuo da qual sai um dreno posicionado próximo à boca e focinho do animal. A pressão negativa suga os gases emitidos e os leva para dentro da câmara. Após 24 horas a canga é trocada e o gás contido nela pode ser analisado em cromatógrafo gasoso.

Nesta pesquisa são medidas as quantidades de metano, hexafluoreto de enxofre e gás carbônico. Sabendo-se a quantidade de SF6 liberada diariamente, é possível comparar com a quantidade medida e essa taxa é extrapolada para os demais gases. (Com Embrapa)

Por Forbes

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

42 ª Exposição Internacional do Cavalo Puro Sangue Lusitano acontece de 20 de maio a 02 de junho no Parque da Água Branca
O aumento do uso de coprodutos representa uma solução sustentável para a destinação de resíduos
São Paulo enfrenta desafios ainda maiores devido aos altos custos para o setor produtivo do leite e por ser o maior mercado consumidor do país.
Volume alcançou em 178,8 mil toneladas até a quarta semana, sendo que no ano anterior foram exportadas 168,4 mil toneladas