Search
Close this search box.

El Niño e calor no inverno: afinal como será o verão do brasileiro?

25 de agosto de 2023

O calorão desta semana está surpreendendo não só os capixabas, mas todos os brasileiros.
Compartilhe no WhatsApp
El Niño e calor no inverno afinal como será o verão do brasileiro

Nesta quinta-feira (24), cidades do país afora experimentaram temperaturas típicas do alto verão. Em Cuiabá, no Mato Grosso, por exemplo, os termômetros chegaram aos 41,8°C na quarta-feira (23). Foi o local mais quente do Brasil na data. Mas outras localidades também experimentaram muito calor: no Rio de Janeiro, foi registrado 40°C. Brasília e Goiânia também estabeleceram novos recordes de calor para 2023.

No Espírito Santo, os ventiladores e aparelhos de ar-condicionado voltaram a funcionar em plena estação mais fria do ano. Várias cidades registraram calor intenso e os termômetros ficaram acima dos 35°C.  Além disso, o Hemisfério Norte, que está no verão, foi castigado por uma brutal onda de calor. Para dar uma ideia, o Vale da Morte, na Califórnia, registrou impensáveis 53ºC no final de julho. Roma, na Itália, teve a maior temperatura de sua história observacional com quase 42ºC e o Sul italiano se aproximou dos 48ºC.

A pergunta que resta é: se o verão no Hemisfério Norte foi brutal e, se em pleno inverno, o calorão tomou conta do Brasil, o que esperar do nosso verão? Segundo publicou a meteorologista Estael Dias, do portal MetSul, ao analisar o verão no Hemisfério Norte (que teve recordes de altas temperaturas) essa ainda é uma pergunta difícil de responder pelas características climáticas do Brasil.

“Os meses mais quentes do ano nestes locais castigados no Hemisfério Norte pelo calor extremo são os de verão, mas em parte do Brasil as mais altas temperaturas do ano não ocorrem tradicionalmente no verão e sim no fim do inverno e no começo da primavera”, escreveu a meteorologista.

Ela salientou, ainda, que “no fim do inverno e no começo da primavera, quando ainda chove pouco normalmente, e a atmosfera começa a ficar mais aquecida, ocorrem estes extremos de temperatura alta no Centro-Oeste, no Sudeste e em áreas do Nordeste de clima mais árido ou distantes da costa”.

No artigo, a meteorologista salientou, ainda, que estamos em período de El Niño, que é o aquecimento das águas superficiais do Pacífico Equatorial. “O maior aquecimento do planeta com sucessivas e simultâneas ondas de calor marinhas, e ainda um El Niño de forte intensidade mais tarde neste ano, pode levar a extremos térmicos de calor excessivo em áreas do Sudeste, do Centro-Oeste, do Sul da região amazônica e do interior do Nordeste principalmente entre setembro e novembro.

A probabilidade que os meses da primavera e do verão tenham temperatura acima da média, e em alguns locais muito acida média, é altíssima em quase todo o Brasil. Do Sul ao Norte. Sob seca do El Niño, a temperatura pode ficar muito acima do normal, por exemplo, em áreas mais ao Norte do Brasil, tanto em parte do Nordeste como do Centro-Oeste e do Norte, especialmente na região da Amazônia Legal”, afirmou.

Por Conexão Safra

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Ondas de calor e regime de chuvas influenciados pelo El Niño impactam a safra 2023/2024 e estão levando produtores e empresas do setor do agro a se apoiar em serviços de previsão meteorológica, segundo a Climatempo
O Inmet prevê chuvas abaixo da média no Norte e Nordeste, mas acima da média no Centro-Oeste e Sudeste para os próximos meses
Serviço climático da União Europeia confirmou hoje que 2023 foi o ano mais quente já registrado e o de mais alta temperatura no planeta em 100 mil anos
Efeitos do El Niño, que já causaram grandes prejuízos neste ano, devem se prolongar até abril, com impactos na colheita de grãos e nos custos de produção