Search
Close this search box.

Uso de drones no agronegócio tem regras simplificadas pela Anac

30 de junho de 2023

Segundo as novas regras da Anac, os drones usados no agronegócio não terão mais limite de peso para voar
Compartilhe no WhatsApp
Uso de drones no agronegócio tem regras simplificadas pela Anac

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) descomplicou as regras para o uso de drones no agronegócio. O órgão pretende implementar um modelo de desregulamentação para incentivar a inovação, impulsionar o mercado profissional e potencializar a utilização da tecnologia na agricultura e pecuária.

Até abril, os sistemas de aeronaves remotamente pilotadas (RPAs) categorizados como classe 3 e destinados à aplicação de defensivos agrícolas, fertilizantes, entre outros insumos, eram autorizados a decolar com um peso de até 25 quilogramas. Com a nova resolução da Anac, o limite de peso foi eliminado, implementando exigências mais simples para a autorização de voo.

A agência também criou uma câmara técnica para drones agrícolas, cujo objetivo é debater novas medidas para o setor, com a participação de técnicos dos fabricantes e operadores dos equipamentos. O órgão espera que o grupo possa desenvolver ações de promoção de segurança e elaborar guias para divulgar as boas práticas no uso dos RPAs.

image 14
Anac pretende desregulamentar o uso de drones no agronegócio para impulsionar a adoção da tecnologia. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Para usar drones no agronegócio, os equipamentos devem estar homologados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e registrados na Anac. Os voos precisam obter autorização de uso do espaço aéreo junto à Aeronáutica, além de contar com avaliação de risco operacional e seguro com cobertura de danos a terceiros.

Os operadores e auxiliares devem ter, pelo menos, 18 anos de idade. A Anac permite a troca de piloto remoto durante o voo, mas cada profissional pode operar apenas um sistema RPA de cada vez. Os operadores estão sujeitos às regras da Aviação Civil que proíbe, entre outras coisas, a operação sob efeito de substâncias psicoativas, como álcool.

Veículos aéreos não tripulados (VANTs) podem sobrevoar somente áreas desabitadas, a uma altura de até 120 metros, e ficar no campo de visão do operador. Os equipamentos devem voar a uma distância horizontal mínima de 30 metros em relação a pessoas não envolvidas com a operação e não podem carregar substâncias inflamáveis.

Qual é a importância dos drones no agronegócio?

image 15
Além dos usos agrícolas, drones também são úteis na pecuária. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

O Brasil tem 2,5 mil drones agrícolas registrados na Anac. Até 2026, esse número deve superar 90 mil aeronaves cadastradas no órgão, conforme estimativa do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag). Esses equipamentos contribuem para elevar a eficiência e reduzir os custos em grandes áreas rurais.

O uso de drones na agricultura proporciona maior eficiência operacional, reduzindo o tempo necessário para a realização de tarefas, como monitoramento e mapeamento de grandes áreas. Além disso, ajudam a reduzir o uso excessivo de insumos agrícolas, como fertilizantes e pesticidas, resultando em uma economia de custos para os agricultores.

Esses equipamentos aéreos também geram benefícios significativos para a pecuária, proporcionando um monitoramento eficiente de rebanhos, auxiliando na contagem de animais, inspeção de cercas e infraestrutura, busca e resgate de animais perdidos, monitoramento de recursos hídricos e segurança do rebanho.

A tecnologia pode ser utilizada também para o plantio de sementes, inclusive no reflorestamento e na recuperação de áreas degradadas. Em média, uma pessoa consegue plantar uma área de 1 hectare por dia, enquanto os drones são capazes de semear até 50 hectares no mesmo período, alcançando áreas remotas e de difícil acesso.

Fontes: Jornal Nacional, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)

Relacionadas

Veja também

O saldo alcançou US$9,42 bilhões, aumento de 14,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior
Programas de destaque incluem “Vivenciando a Prática”, que já mostrou realidade do agronegócio a mais de 30 mil estudantes e professores, e a Agroteca Digital
O estudo foi realizado pela HR Tech Mereo, plataforma integrada de gestão de pessoas presente em cerca de 40 países, responsável por atender a 10% das 500 maiores empresas do Brasil.
Totalizando R$ 228,6 bilhões o valor representa 22,2% do total do PIB estadual