Search
Close this search box.

Dia Mundial do Chocolate: defesa agropecuária garante segurança e qualidade na produção de cacau

7 de julho de 2023

Tempo certo de colheita, processo de fermentação, secagem e classificação do cacau são alguns dos fatores para a produção de chocolate com alto valor nutritivo
Compartilhe no WhatsApp
Dia Mundial do Chocolate: defesa agropecuária garante segurança e qualidade na produção de cacau

O Dia Mundial do Chocolate, celebrado em 7 de julho, é a data que marca a chegada do produto na Europa, no século 15. Atualmente, são diversos tipos e sabores: vegano, zero lactose, amargo, ao leite, com castanha, licor e pimenta. Mas todos têm em comum o cacau como matéria-prima. O Brasil é sétimo país que mais produz cacau no mundo e conta com um rigoroso serviço de defesa agropecuária para garantir a qualidade do chocolate ao consumidor final.

Os auditores fiscais federais agropecuários (affas), ligados ao Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), são os responsáveis por fiscalizar a produção e o comércio das amêndoas do cacau. O trabalho vai desde a fiscalização nas plantações em território nacional, até a exportação e a importação da iguaria. O objetivo é verificar se existem doenças e pragas nas sementes, o que compromete a segurança do alimento.

A maior preocupação do serviço de defesa agropecuária é com a “vassoura-de-bruxa”, uma praga causada pelo fungo Moniliophthora, que acomete as produções, se não houver o monitoramento e o controle adequados. O nome dado à praga tem a ver com os ramos do cacaueiro secos que parecem uma vassoura velha. Os casos são mais frequentes em plantações na Bahia e no Espírito Santo.

“Quando há registros dessa praga, as sementes secam e não conseguem realizar fotossíntese. Com isso, apodrecem e não podem ser aproveitadas para comercialização gerando grandes prejuízos ao agro”, explica o diretor de Comunicação e Relações Públicas do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), Antonio Andrade.

Produção de Chocolate

Para garantir a qualidade de fabricação do chocolate, alguns procedimentos são imprescindíveis, segundo o diretor, que também é auditor agropecuário. “Podemos destacar alguns fatores importantes nessa cadeia de produção, começando pela colheita das amêndoas do cacau, que precisa ser feita no tempo certo. Ainda é preciso estar atento ao processo de fermentação, secagem e classificação das sementes”, afirma. “Se o cacau estiver em boa qualidade, cerca de dez quilos das amêndoas rendem oito quilos de chocolate, em média”, estima.

De acordo com o Mapa, o cacau é fonte de renda para mais de 70 mil produtores, sendo que a maioria, cerca de 70%, trabalham em pequenas propriedades. Dentre os principais estados produtores da iguaria estão a Bahia, o Pará e o Espírito Santo.

Bom para a saúde

Rico em antioxidantes, potássio, magnésio, zinco e cobre, o cacau é responsável por ativar o hormônio da felicidade e do bem-estar. Para isso, o chocolate precisa ter alto valor nutritivo. E tem mais: quanto maior o índice de cacau e menor a quantidade de açúcar, melhor para a saúde. Uma boa opção são os chocolates meio amargo ou amargo, a partir de 70% de cacau.

Se estiver em um dia estressante, o chocolate pode ajudar, já que o cacau libera serotonina no organismo, o que causa uma sensação de relaxamento e bem-estar. Redução da ansiedade, insônia e depressão também são alguns dos benefícios do alimento.

Por FSB Comunicação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.