Search
Close this search box.

Dia Internacional da Cerveja: conheça a atuação dos Profissionais da Química na fabricação

4 de agosto de 2023

O Brasil é o terceiro maior consumidor de cerveja do mundo, perdendo apenas para China e Estados Unidos.
Compartilhe no WhatsApp
Dia Internacional da Cerveja: conheça a atuação dos Profissionais da Química na fabricação


A primeira sexta-feira de agosto é celebrada como o Dia Internacional da Cerveja desde 2007 em mais de 80 países, incluindo o Brasil. A bebida alcoólica, a propósito, já foi tema do “Falas da Química”, painel virtual promovido pelo Conselho Federal de Química (CFQ) voltado para assuntos de interesse de profissionais da área e da sociedade. No caso da cerveja, os Profissionais da Química atuam em praticamente todos os processos envolvidos na sua produção. Eles estão presentes desde os processos químicos, também chamados de operações unitárias, até o controle de qualidade.
 

No país, são cerca de 1,5 mil cervejarias registradas, sendo a maior parte concentrada nas regiões Sul e Sudeste. Durante a pandemia de covid-19, estima-se que o patamar de consumo tenha chegado a 50% de aumento, alcançando 14 bilhões de litros consumidos no país em 2021 e que essa média esteja se mantendo no chamado pós-pandemia.
 

A cerveja é uma bebida fermentada de cereais que está presente na história da humanidade desde o período Neolítico (7000 a.C.) e possui sabor e aroma complexos. Ela é produzida com quatro principais ingredientes: água, malte, lúpulo e leveduras e, em alguns casos, adjuntos cervejeiros. Cada tipo de cerveja apresenta características únicas e os Profissionais da Química são imprescindíveis nas etapas de produção.


Fabricação da cerveja


São esses profissionais que avaliam e realizam experimentos de alta ou baixa fermentação, que são os processos que dão gosto e cor diferente às cervejas do tipo Ale e Larger, e para as do tipo Lambic, produzidas a partir de fermentação espontânea, e que exigem rigoroso controle da acidez. Com relação à acidez e amargor, o controle do pH específico da bebida também é de responsabilidade dos Químicos nas fábricas.


Outra área que tem os Profissionais da Química envolvidos é o tratamento dos efluentes gerados na produção da bebida, seja no controle da potabilidade da água utilizada para a produção, seja no tratamento dos resíduos gerados em sua fabricação.
 

Na fabricação de cervejas sem álcool – apesar de suas propriedades físico-químicas e sensoriais serem diferentes das tradicionais -, os processos tecnológicos usados são similares aos das cervejas comuns.

Na parte sensorial, o principal cuidado é com o teor de amargor, devido aos alfa-hidroxiácidos, que deve ser mais acentuado na cerveja sem álcool, o que se consegue com a dosagem de lúpulo na fabricação.
 

Existem os processos de produção biológicos e físicos. No biológico, restringe-se a formação do álcool, com modificações na etapa de fermentação, como a utilização de leveduras especiais, alteração na produção do mosto e fermentação limitada. No físico, o etanol é removido da cerveja através da utilização de técnicas de separação, que ocorrem após a fermentação, por meio de processo térmico ou utilização de membranas.


Quanto mais suave o paladar da cerveja, mais complexo é o processo químico-tecnológico empregado na fabricação. O mais utilizado é o processo de fermentação limitada devido à praticidade e ao baixo custo. Por outro lado, os esforços tecnológicos para a remoção de álcool sempre removerão substâncias, alterando os aspectos sensoriais da cerveja.
 

Controle de qualidade
A principal etapa a ser controlada na produção da cerveja é a fermentação, para evitar que o etanol ultrapasse o nível de 0,5 %. Isso porque, conforme a Lei Seca, o teor permitido é 0,0% de concentração de álcool no corpo. A margem do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para os bafômetros acusa infração com resultado igual ou superior a 0,05 mg/L de ar expelido.
 

Devido à expertise dos Profissionais da Química, a qualidade sensorial das cervejas não alcoólicas já não é mais um grande problema. Substâncias como sacarina, ácido ascórbico, ácido lático e outros aditivos têm sido utilizadas com êxito para encorpar, dar sabor e estabilidade.
 

Processos químicos da cerveja
A produção de cerveja é descrita em sete processos químicos:


1 – moagem: separação da casca e do endosperma do malte e demais cereais, permitindo seu melhor contato com a água;


2 – mostura: o malte triturado é colocado em água e submetido a um aquecimento gradual de 40 a 78 °C por períodos de tempo determinados (técnica de rampas de temperatura);


3 – fervura: esterilização do mosto filtrado (cerca de 100 °C);


4 – fermentação: durante seu metabolismo, as leveduras incorporam açúcares simples, tais como a glicose e a maltose, produzindo dióxido de carbono (CO2), etanol, ésteres, fenóis, ácidos graxos e álcoois superiores;


5 – maturação: remoção de off flavours, permitindo que as leveduras que ainda estão ativas no líquido continuem a produzir CO2, eliminando compostos voláteis indesejáveis;


6 – filtração: eliminação das leveduras que ainda restam no líquido após a maturação, resultando em uma bebida mais brilhante e transparente;


7 – envase: envasamento da cerveja em recipientes metálicos ou de vidro. No envase, também é feita a adição do CO2, denominada carbonatação.


Tipos de cerveja
A composição da cerveja, com diversos grupos de substâncias, como ésteres, aldeídos, dicetonas vicinais, ácidos orgânicos, álcoois superiores, fenóis, iso-α-ácidos e outros, está diretamente relacionada à qualidade dessa bebida. É justamente o equilíbrio entre compostos voláteis e não-voláteis o responsável por sua aceitação sensorial.


Clique aqui e conheça os três tipos de cerveja e suas distintas características


Clique aqui e conheça a química da Cevada, principal matéria-prima da cerveja


Fonte: Medeiros, 2021; Calado; 2017; Rosa e Afonso, 2015; Coelho Neto et al., 2020

Por ASSCOM Conselho Federal de Química

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Dados mostram que serão produzidos 193,15 mil litros, abaixo do recorde de 580,22 mil litros do período anterior
Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.