Search
Close this search box.

Crise na pecuária leiteira exige “reinvenção” de produtores

12 de setembro de 2023

Pecuaristas de Castro (PR) mostram como estão dando a volta por cima aliando tecnologia à gestão financeira
Compartilhe no WhatsApp
Crise na pecuária leiteira exige reinvenção de produtores

Na Castrolanda, uma colônia fundada em meados de 1950 por imigrantes holandeses, no município de Castro (PR), os criadores de gado da raça holandesa investem cada vez mais em genética e em tecnologia para garantir a produtividade e a rentabilidade do rebanho leiteiro.

Na colônia, na qual uma única propriedade é capaz de produzir até 100 mil litros de leite por dia, eficiência é a palavra de ordem. “O segredo é buscar a máxima eficiência sempre, ser mais competitivo e nunca se dar por satisfeito”, disse o pecuarista Charles Salomons à Globo Rural.

As estatísticas – e também os relatos do campo – mostram que a pecuária leiteira vive atualmente uma de suas piores crises na história. O Brasil tem hoje cerca de 700 mil criadores de gado leiteiro, um contingente 40% menor do que o registrado no último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2017, que identificou 1,17 milhão de produtores.

Isso significa que o país perdeu meio milhão de produtores em menos de uma década. “Temos essa estimativa baseada em informações e cadastros de defesa sanitária, mas aguardamos o número oficial”, afirma Ronei Volpi, presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Ele acredita que, mesmo com a diminuição do número de produtores, o volume de produção em 2023 deve ficar próximo ao do ano passado, quando foi de 23,8 bilhões de litros de leite. Investir em ganho de eficiência, que já era um diferencial competitivo, tornou-se vitualmente a única saída para quem quer sobreviver na atividade, marcada por forte elevação de custos e, em paralelo, pelo aumento da importação de leite em pó da Argentina e do Uruguai.

A propriedade é capaz de produzir até 100 mil litros de leite por dia — Foto: Guilherme Pupo

A propriedade é capaz de produzir até 100 mil litros de leite por dia — Foto: Guilherme Pupo

disparidade de preços entre os mercados interno e externo acentuou problemas que já existiam. Algumas redes de supermercados, comenta Volpi, passaram a importar diretamente dos produtores para comercializar o leite em pó fracionado.

A Fazenda Fini é uma das que têm seguido a cartilha do aumento de produtividade. Associada à Cooperativa Castrolanda – organização que faturou R$ 7,2 bilhões em 2022 e tem 1.198 cooperados, dos quais 450 são produtores de leite –, a propriedade produz 43 mil litros de leite por dia por meio de ordenha mecanizada, sem uso de mão de obra.

O segredo é buscar a máxima eficiência sempre, ser mais competitivo e nunca se dar por satisfeito

— Charles Salomons, produtor de Castro (PR)

Charles Salomons investiu em melhoramento genético e na ordenha robotizada para manter a rentabilidade — Foto: Guilherme Pupo

Charles Salomons investiu em melhoramento genético e na ordenha robotizada para manter a rentabilidade — Foto: Guilherme Pupo

Cada um dos mil animais em lactação produz 43 litros ao dia, em média. “O custo fixo do produtor é muito alto, mas há várias maneiras de tentar ser mais eficiente na atividade”, diz Reynold Groenwold, que representa a quarta geração da família no comando da Fazenda Fini.

Fundada em 1952 pelo avô e pelo bisavô de Reynold, que chegaram à região com oito animais, nos primórdios da Castrolanda, a Fini coleciona títulos, entre os quais o de animal campeão do torneio leiteiro da Agroleite, quando registrou vacas produzindo em torno de 100 litros ao dia.

Reynold Groenwold, ao centro, quando venceu na Agroleite, em 2019 — Foto: Cowsdiario Fotografia

Reynold Groenwold, ao centro, quando venceu na Agroleite, em 2019 — Foto: Cowsdiario Fotografia

Também associado à Castrolanda, Charles Salomons é outro colecionador de premiações. Cinco vezes destacado como “criador supremo” pela Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa, ele tem mil animais em sua propriedade, sendo 360 em lactação e 50 vacas secas. A produção diária total é de 16 mil litros de leite.

Maria Benke, produtora associada à Castrolanda, é referência entre as pequenas propriedades — Foto: Guilherme Pupo

Maria Benke, produtora associada à Castrolanda, é referência entre as pequenas propriedades — Foto: Guilherme Pupo

A propriedade adota a ordenha mecanizada, e alguns animais da fazenda chegam a produzir 85 litros ao dia. Para melhorar a produtividade, Salomons recomenda, além da adoção de tecnologia, controle efetivo da produção, atenção à genética do rebanho e boa gestão financeira, por meio de programas e softwares específicos. “É preciso saber para onde está indo cada centavo do negócio”, diz.

Ele representa a terceira geração à frente da propriedade, criada há mais de 70 anos por seu avô, que começou com um plantel de dez vacas e foi um dos primeiros imigrantes holandeses a chegar à região. O produtor já prepara os filhos para a sucessão nos negócios.

A gente está pressionando, mas não se sabe se haverá soluções de imediato ou de curto prazo

— Nelci Mainardes, da Associação dos Criadores de Jersey

Como forma de amenizar os problemas na pecuária leiteira, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, anunciou no início de agosto a decisão do governo federal de comprar leite em pó a preços de varejo. A medida terá caráter emergencial, mas não deve encerrar a crise.

O presidente da Associação Brasileira de Criadores de Gado Jersey, Nelci Mainardes, define o cenário atual como “extremamente difícil”, principalmente por causa do aumento dos custos de produção, puxado pela alta dos preços de milho e soja no mercado internacional (os dois grãos são os mais importantes na produção de ração para o gado).

A associação, que representa 1.200criadores de gado jersey no Brasil, trabalha para reverter a situação. Além de pedir a redução da importação do leite da Argentina e do Uruguai, assim como a alteração da alíquota de imposto para a importação de produtos lácteos – que o governo elevou recentemente de 12% para 18% –, Mainardes enfatiza que é necessário apoio aos produtores do setor para a renegociação de dívidas.

Alguns animais do produtor Charles Salomons chegam a produzir 85 litros ao dia — Foto: Guilherme Pupo

Alguns animais do produtor Charles Salomons chegam a produzir 85 litros ao dia — Foto: Guilherme Pupo

“A gente está pressionando, mas não se sabe se haverá soluções de imediato ou de curto prazo”, afirma. As lideranças estão preocupadas, mas a longo prazo os ganhos de eficiência e a concentração setorial serão as principais tendências do setor, segundo o estudo Projeções do agronegócio – Brasil 2022/23 a 2032/33, elaborado pela Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura.

A produção brasileira de leite deve crescer 19% nos próximos dez anos e atingir 40,5 bilhões de litros em 2033, baseada em melhorias na gestão das fazendas e na produtividade dos animais e menos no número de vacas em lactação.

Os autores do estudo explicam que nem todos os produtores menores vão sair. “Os excluídos serão aqueles que não se adaptarem à nova realidade de adoção tecnológica, melhorias na gestão e maior eficiência técnica e econômica. Vão permanecer os produtores eficientes”, diz o estudo. “Mas como existe uma diferenciação de preço por volume, haverá, sim, uma pressão por aumento de escala.”

A Chácara Benke é referência em produtividade e tecnologia entre as pequenas propriedades — Foto: Guilherme Pupo

A Chácara Benke é referência em produtividade e tecnologia entre as pequenas propriedades — Foto: Guilherme Pupo

A produtora Maria Benke conhece algumas dessas recomendações na prática. Ela está na pecuária leiteira há 12 anos e conta que precisou driblar o preconceito numa atividade em que a presença masculina é predominante. “Falavam que não ia dar certo, mas me mantive firme e fui buscar capacitação”, conta.

Chácara Benke é referência em produtividade e tecnologia entre as pequenas propriedades. “Tudo que construí na fazenda saiu das vacas. Sabendo administrar, com controle financeiro para sobreviver e crescer”, ensina Maria. O segredo, reforça, é saber gastar, mesmo ganhando pouco.

“No final, é preciso sobrar alguma coisa para o produtor, que, por sua vez, tem que saber aplicar essa sobra”, sugere. Enquanto seu marido se concentra na lavoura, ela toca a pecuária leiteria em conjunto com o filho, William Benke. Com um plantel de leite de 102 cabeças, a produção passa de 2.500 litros de leite por dia.

Tudo que construí saiu das vacas. Sabendo administrar, com controle financeiro para sobreviver e crescer

— Maria Benke, produtora de Castro (PR)

Parte do rebanho, que tem 52 vacas, já está na ordenha robotizada, mas a previsão é chegar a 100%. Maria orgulha-se de dizer que sua chácara é a única pequena propriedade associada à Castrolanda – e a quarta no quadro geral – com o sistema de ordenha robotizada implantado.

tão importante quanto a tecnologia, raciocina, é ter uma gestão atenta aos detalhes financeiros. É isso que permite fazer aquisições à vista – e, com isso, evitar financiamentos.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Gravada e publicada em parceria com o Chef de cozinha Jimmy Ogro, a série que desmistifica a suinocultura a carne suína já soma quase 120 mil visualizações no Instagram
Uma jornada de imersão na pecuária de confinamento americana revela práticas inovadoras e abre novas perspectivas para o agronegócio brasileiro
A feira contou com 1500 animais de 160 expositores das raças Girolando, Gir Leiteiro, Holandês, Guzerá, Guzolando, Jersey, Simental e Búfalos
Confinamento alcança 7,379 milhões de cabeças e destaca a importância da tecnologia e gestão para aumentar a produtividade no setor