Cooperativa Holambra recebe certificação Verde e Tech

Agro Industrial lança seu primeiro CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) em uma operação de R$ 75 milhões

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Cooperativa Holambra recebe certificação Verde e Tech
CEO da Cooperativa Holambra, Shandrus Hohne de Carvalho – Foto: Divulgação/Alfapress Comunicações
Áudio

A Cooperativa Agro Industrial Holambra, que já ultrapassou a barreira de R$ 1 bilhão de faturamento neste ano, acaba de lançar seu primeiro Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA), tendo como coordenador exclusivo o banco BV, e a Virgo como securitizadora. A operação, que está buscando certificação verde, é de R$ 75 milhões.

 A certificação verde e tech garante que as práticas de sustentabilidade estão sendo levadas à frente nos inúmeros projetos da companhia.  

Para o CEO da Cooperativa Holambra, Shandrus Hohne de Carvalho, o lançamento do CRA garante aporte financeiro à cooperativa e uma credibilidade ainda maior perante o mercado, além de possibilitar que cooperados e pessoas físicas em geral se tornem investidores de uma companhia extremamente sólida e em forte crescimento. “Para o investidor, o nosso CRA é uma oportunidade de investimento bastante rentável e muito segura, além de ser isenta de imposto de renda. A possibilidade real é de ganhar muito acima comparando com investimentos tradicionais”, garante Carvalho.

Certificação Verde e Tech. Um detalhe importante e que traz ainda mais relevância à operação é que esse CRA está em processo de obtenção do selo verde, que garante que as práticas de sustentabilidade estão sendo regiamente levadas à frente pela Cooperativa Holambra, em seus inúmeros projetos. Esse fator revela a atenção da companhia com o conceito ESG (environmental, social and governance, em livre tradução: ambiental, social e governança), que significa a adoção das melhores práticas ambientais, sociais e de governança corporativa.

 “A verdade é que cada vez mais, os negócios que se comprometem com as melhores práticas de gestão têm uma operação mais sustentável sob variados aspectos, incluindo o econômico, e na gestão de riscos, gerando resultados mais consistentes ao longo do tempo”, comenta Carvalho.

Para o diretor do Corporate & Investment Banking do banco BV, Albano Correa, a Cooperativa Holambra teve uma iniciativa inovadora ao apostar no lançamento do CRA, já que poucas cooperativas já levaram à frente esse tipo de ação, e o mais importante, cria uma fonte alternativa de captação. “A transação está alinhada com os pilares ESG do banco BV, que anunciou publicamente o compromisso de financiar ou distribuir por meio do mercado de capitais R$ 80 bilhões até 2030”. Segundo a responsável pelo mercado de capitais do banco BV, Ana Sertic, as características da emissão, como taxa e prazo, foram adequadas para os investidores.

Por que CRA Tech?

A Cooperativa Holambra conta com importantes ferramentas tecnológicas, como monitoramento da lavoura por meio de imagens de satélites e uso de algoritmos de Inteligência Artificial da empresa A de Agro. “Já analisamos milhões de hectares, em centenas de milhares de propriedades rurais. Isso possibilita monitorar a evolução da lavoura e fazer um mapeamento com muito mais segurança e sucesso. Conseguimos prever a produtividade da gestão agrícola, com informações territoriais que auxiliam na tomada de decisões estratégicas”, explica Rafael Coelho, CEO da A de Agro.

“O investidor que optar pelo CRA da Cooperativa Holambra terá a vantagem de investir em uma companhia que preza pela produtividade, pela sustentabilidade e também pela qualidade do produto. Esses itens são a garantia de nosso sucesso, e, consequentemente do sucesso dos investidores”, finaliza o CEO da Cooperativa Holambra.      

Fonte: Alfapress Comunicações
Foto: Divulgação/Alfapress Comunicações

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a semana teve início com fluxo inexpressivo de negócios no mercado físico do boi gordo.
Ele inventou um coletor de pingo, fermento natural usado na produção de Queijo Minas Artesanal
Para entidade, debate sobre demarcação de terras indígenas causa insegurança jurídica e pode afetar a economia e toda a cadeia produtiva.
Equipamento é ideal para corrigir a umidade das pistas equestres, bem como para suprir outras necessidades que um rancho demanda