Consumo de carne suína aumenta no fim do ano

Crença de que o consumo desta carne favorece a prosperidade leva as pessoas a escolherem a proteína para a ceia de Natal e Ano Novo.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Consumo de carne suína aumenta no fim do ano
Fim de ano chegou e com ele o período de festas e confraternizações familiares. Nas ceias, entre os pratos mais comuns está a carne suína.
Áudio

Fim de ano chegou e com ele o período de festas e confraternizações familiares. Nas ceias, entre os pratos mais comuns está a carne suína. Impulsionada pelo fato de que os animais usam o focinho em movimentos que remetem a “ir para frente”, muita gente aproveita-se dessa crença e consome a carne suína na esperança de progredir na vida.

Este ano, soma-se à tradição, o fato dos preços da carne bovina e até mesmo o das aves estarem muito acima do normal, custando até 40% menos, os cortes suínos se tornam ainda mais atrativos nesta época.

Vilão na inflação e no custo de vida dos brasileiros este ano, o preço da carne bovina fez com que as famílias migrassem para as carnes de frango e suína para manter a proteína na mesa. No entanto, a carne de frango também subiu, o que abriu mais espaço para a carne suína.

O aumento no consumo da carne suína foi percebido ao longo do ano, o que deu certo alívio para os suinocultores que amargavam redução na receita em função da diferença negativa que obtinham na relação entre o preço do quilo do suíno vivo e o custo de produção. Para se ter uma ideia, entre 2018 e 2021, o custo para produzir um quilo de suíno vivo em Mato Grosso saltou 84%, o que pesou na receita dos criadores.

“Esse movimento no consumo interno possibilita que o suinocultor recupere um pouco a receita que deixou de ganhar ao longo do ano”, afirma o diretor executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) apontam que o consumo de carne suína atingiu 18,71 kg per capita no 3° trimestre deste ano, aumento de 13,6% em relação aos 16,47 kg de igual trimestre em 2020, e de 15,7% sobre o mesmo período de 2019. Este é o maior volume na série histórica, iniciada em 2018, e deve ser ainda maior no 4° trimestre.

“O consumo de carne suína tradicionalmente aumenta no fim do ano por causa das festas. Pensando nisso, alguns criadores até seguram os animais por mais tempo, para engordar mais, e vendem agora, quando a procura é maior”, acrescenta o presidente da Acrismat, Itamar Canossa.

Cotação

Relatório divulgado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA) referente à semana passada aponta cotação média de R$ 5,68/kg de suíno vivo no Estado, leve queda em relação aos R$ 5,86 da semana anterior. Já no atacado, apesar da queda de 1,38% no preço da carcaça, alguns cortes suínos apresentaram alta como paleta sem osso (+13,01%) e o pernil com osso (+6,07%), influenciados justamente pelo período de festas.

Números da Suinocultura

Granja de suinos em Campo Verde MT 2 2
No 3° trimestre deste ano, a produção em toneladas de carcaça cresceu 9,01% em relação ao mesmo período de 2020.

Levantamento do IBGE aponta que a produção de proteína suína ainda é a que mais cresce no país. No 3° trimestre deste ano, a produção em toneladas de carcaça cresceu 9,01% em relação ao mesmo período de 2020. Já na comparação com o 2° trimestre do ano, a alta foi de 4,68%. A expectativa é fechar 2021 com mais de 4,8 milhões de toneladas, alta de 8% sobre 2020. Em seis anos, a produção cresceu 40%.

Fonte: Acrismat/ÍconePress

Crédito: Divulgação Acrismat

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Também nos bovinos, os nutrientes desempenham funções essenciais no organismo; então, atenção para quando ele faltarem na forragem oferecida, Carência muito comum no País
Os dados constam do banco da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), entidade mais antiga de registro de animais de raça do país