Search
Close this search box.

Consumo de carne bovina tem perspectiva promissora até o fim do ano

10 de julho de 2024

Disponibilidade do produto, que ao lado de frango e suíno está no debate sobre a Reforma Tributária, tende a recuar em 2025 com mudança do ciclo pecuário
Compartilhe no WhatsApp
Consumo de carne bovina tem perspectiva promissora até o fim do ano

As carnes estiveram no centro dos debates do governo e Congresso nos últimos dias, no impasse se estarão ou não entre os itens da cesta básica, na reforma tributária. Caso tenham desoneração, o reflexo virá em forma de valores mais acessíveis e aumento na demanda interna. Mas ainda que fiquem de fora da isenção, ao menos a proteína bovina tende a continuar com o consumo aquecido até o fim de 2024, segundo analistas.

No frango e suíno, o cenário esperado pela indústria é um pouco menos promissor, com possibilidade de aumento no preço da carne da ave, por exemplo, caso não entre na cesta básica.

Com o ciclo de alta oferta na pecuária bovina e ampliação no volume de abates, a consultoria Agrifatto estima que a produção da carne de boi deve crescer 8,8% neste ano, para 9,72 milhões de toneladas.

Mesmo com a exportação indo de vento em popa, com possibilidade de crescer 15,5% em 2024, para 3,28 milhões de toneladas, quem consome a maior parte da carne bovina produzida no Brasil é o mercado doméstico.

Por aqui, a consultoria espera que a demanda local avance 5,4%, para 6,48 milhões de toneladas no ano, em relação a 2023. Os cálculos não levam em consideração uma eventual desoneração para a proteína.

Lygia Pimentel, diretora da Agrifatto, disse que o consumo interno vem melhorando ao longo de 2024, em função do aumento na disponibilidade de produto. “Aumentou a oferta, os preços cederam um pouco e encaixamos um pouco mais de carne no mercado doméstico”, explicou.

O diretor da consultoria HN Agro, Hyberville Neto, acrescentou que, de fato, o consumo da proteína bovina é muito relacionado à disponibilidade de carne e, consequentemente, ao preço. “Quando temos mais fêmeas [sendo abatidas] e mais produção de carne, geralmente, por efeito de elasticidade preço, há maior escoamento”.

De acordo com o especialista, em momentos de avanço expressivo na oferta de gado, dificilmente a demanda externa cresce na mesma magnitude. Então, uma parcela significativa da produção adicional de carne fica no mercado interno e vai sendo escoada por preços menores.

Renda

Além dos valores mais acessíveis da proteína, um fator macroeconômico também tende a contribuir para que a demanda interna fique aquecida no segundo semestre, com a carne bovina desonerada ou não: a renda do trabalhador.

“O desemprego está mais controlado, próximo a 8%, há menor pressão de dívidas pela população na segunda metade do ano e, geralmente, há o aumento da geração de empregos temporários, o recebimento de décimo terceiro salários e bonificações. Somamos a este contexto um preço de carne bovina mais acessível – a demanda [pela carne] deverá ser melhor”, disse Felipe Fabbri, analista da Scot Consultoria.

Fernando Iglesias, da consultoria Safras & Mercado, concorda que há bons argumentos para entender que o consumo doméstico vai seguir aquecido por proteínas de origem animal até o final dessa temporada.

“Ano que vem, com a reversão de ciclo pecuário, uma potencial retração da oferta de carne bovina no mercado interno, aí essa dinâmica tende a ficar um pouco diferente”, alertou o analista.

Somente a eventual vinda da desoneração tributária poderia manter o cenário ainda otimista para o consumo em 2025, quando os preços da proteína bovina tendem a aumentar.

Por enquanto, o grupo de trabalho da Câmara dos Deputados optou por não incluir as carnes na lista de produtos da cesta básica nacional, que seriam contempladas com alíquota zero após a reforma tributária.

Outras proteínas

A medida foi duramente questionada pela indústria de aves e suínos, que lamentou a decisão do grupo e espera que “parlamentares sensíveis à manutenção da oferta de alimentos apoiem a revisão”, disse a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Ricardo Santin, presidente da ABPA, afirmou ao Valor que o setor ficou surpreso com a mudança de entendimento, já que havia uma sinalização de que as carnes seriam desoneradas em 100% na cesta básica, especialmente as carnes in natura.

“Essa mudança de entendimento que apareceu, tributando as carnes em 60% da alíquota média, isso vai ter impacto bastante forte no consumidor. No nosso caso, você vai ter um aumento mínimo de 10% [de preço]. Em muitos Estados a alíquota é zerada, está dentro da cesta básica”, explicou o executivo.

E na hipótese de que somente o frango, por exemplo, tenha uma desoneração e a carne bovina não, Hyberville Neto acredita que virá um efeito negativo para o consumo de carne bovina, por queda de competitividade, já que a carne de frango naturalmente já é mais barata.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira