Search
Close this search box.

Conseleite MG debate o preço do leite

28 de dezembro de 2022

Integrantes do Conseleite destacaram a necessidade de profissionalização e união do setor leiteiro. Isso contribuiria para o setor evoluir e se firmar frente a mercados como os da Argentina e Uruguai
Compartilhe no WhatsApp
Conseleite MG debate o preço do leite
Especialistas e produtores debateram o comércio do leite – Foto: Freepik

Conseleite MG realizou a sua última reunião do ano concluindo que 2022 foi de muito trabalho e muitos desafios, mas também muitas realizações e perspectivas de um 2023 de muitos avanços. Para o presidente do Sistema Faemg Senar e do Conseleite, Antônio de Salvo, o objetivo de legitimar o trabalho do conselho foi cumprido. O vice-presidente de Finanças do Sistema e conselheiro, Renato Laguardia, também acompanhou os trabalhos.

O grupo, formado por representantes da indústria, de cooperativas e de produtores rurais, ressaltou que o Conseleite evoluiu bastante esse ano e ganhou a confiança dos produtores. “Estamos fazendo um belo trabalho junto aos professores José Roberto Canziani e Vânia Guimarães, da Universidade Federal do Paraná [UFPR], juntamente com um grupo de pessoas comprometidas com os objetivos do Conseleite Minas”, avaliou o presidente da Comissão Técnica de Pecuária de Leite do Sistema, Jônadan Ma. “Temos um grupo de pessoas muito capazes e fartura de informações que podem ser trabalhadas para serem utilizadas com inteligência. Esperamos fechar o ano com boas notícias e esperamos notícias ainda melhores para o ano que vem”.

Desafios

Segundo a professora Vânia Guimarães, não foi um ano fácil para o setor, mas houve um recorde no valor pago aos produtores no leite entregue em julho e pago em agosto, conforme levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). “No fim de ano há um aumento na produção por questões de clima, mas queda no consumo por causa das férias escolares. Porém, mesmo com os recuos, tivemos esse ano os maiores preços já recebidos pelos produtores. Foi um ano de bastante trabalho, mas conseguimos fechar da melhor maneira possível”, analisou.

As expectativas do setor para o próximo ano, com o início do novo governo, também foram lembradas. Os integrantes do Conseleite destacaram a necessidade de profissionalização e união do setor leiteiro. Isso contribuiria para o setor evoluir e se firmar frente a mercados como os da Argentina e Uruguai e provar que tem qualidade e competitividade, amenizando a necessidade de importação de leite que existe hoje.

Para Yago Silveira, conselheiro e representante da indústria, são milhares de produtores, centenas de empresas, e muitos desafios. “O Conseleite é uma ferramenta para superar essas questões, trazendo transparência e diálogo. Avançamos muito em 2022, mas o trabalho continua, não podemos nos acomodar. Que seja um 2023 de muitas conquistas”. “Se temos confiança hoje, vamos ter que aumentar ano que vem para que possamos defender o setor como um todo”, acrescentou Isabela Pérez, do Sistema Ocemg.

Avanços e satisfação com o Conseleite

“Vejo o fechamento do ano com uma evolução muito grande, o que não significa que devemos acomodar – precisamos continuar trabalhando com afinco e trazendo para a cadeia uma fortaleza necessária para enfrentarmos as adversidades que podem surgir”, avaliou o presidente do Conseleite, Antônio de Salvo.

Na opinião do presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Uberlândia, Thiago Silveira, é muito gratificante ver a evolução do grupo e o elevado nível das discussões. “Hoje debatemos com sabedoria e serenidade, conquistadas a partir da confiança que passamos a ter. Ainda temos muito a avançar, mas estamos realmente no caminho certo e em um nível que vai engrandecer muito a relação entre os atores do setor”.

“Não é fácil, mas temos certeza de que em 2023 teremos ainda mais dados e estaremos ainda mais afinados dentro das nossas pautas e na seriedade do que nos propusemos a fazer”, opinou Antônio de Salvo. Para ele, é certeza que o Conseleite ganhará mais espaço e trará informações firmes e transparentes para que o setor tenha visibilidade e previsibilidade. “Precisamos de uma conduta melhor e mais estudos para entender se é possível fazer um diagnóstico para saber se o desequilíbrio no mercado tem cura”, finalizou.

Integrantes

Ainda participaram da última reunião do Conseleite em 2022 o conselheiro Adauto Alves Ribas e o conselheiro e presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Pompéu, Paulo Henrique de Souza Lino, representando o Sistema Faemg Senar; José Francelino Dias, da Coopatos; Celso Costa Moreira, do Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado Minas Gerais (Silemg); Eduardo Nascimento, do Laticínio Jussara e Rafael Junqueira, da Lactallis do Brasil; e as analistas técnicas do Sistema Faemg Senar, Mariana Simões e Marília Saraiva.

Fonte: Sistema Faemg Senar

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nelore e anelorados representam 80% do rebanho bovino nacional. Entidade desenvolve ações de fomento e valorização da raça
Tudo pronto para a realização do 2º Fórum Nacional do Leite, dias 16 e 17 de abril, na sede da Embrapa, em Brasília (DF); organização promete abrangência nas discussões.
O Paraná é o segundo maior produtor de leite do Brasil. Foram 3.626.378 de litros entregues a laticínios em 2023
A marca é a maior desde o início da vacinação obrigatória contra a enfermidade no Estado de São Paulo, em 2002