Search
Close this search box.

Como o uso da tecnologia ajuda a combater o desperdício de alimentos na América Latina

15 de agosto de 2023

A América Latina é responsável por 6% dessas perdas, e desperdiça cerca de 15% do seu suprimento anual de alimentos.
Compartilhe no WhatsApp
Como-o-uso-da-tecnologia-ajuda-a-combater-o-desperdicio-de-alimentos-na-America-Latina

Mais de 800 milhões de pessoas em todo o mundo passam fome, enquanto um terço de todo o suprimento global de alimentos é desperdiçado ou perdido. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a América Latina é responsável por 6% dessas perdas, e desperdiça cerca de 15% do seu suprimento anual de alimentos.
 

No entanto, a região apresenta um grande potencial para soluções que possam reduzir o desperdício ao longo da cadeia alimentar. Dividimos essas soluções em quatro verticais principais: upcycling, prevenção de desperdício, aumento da vida útil dos alimentos e revenda ou doação de excedentes.
 

Perda e desperdício de alimentos na América Latina
 

Os dados globais sobre desperdício e perda de alimentos mostram que, anualmente, cerca de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são perdidos ou desperdiçados em todo o mundo. Isso inclui 45% de todas as frutas e verduras, 35% de peixes e frutos do mar, 30% de cereais, 20% de produtos lácteos e 20% de carne. As perdas econômicas totais somam cerca de US$ 940 bilhões anualmente.

A agricultura é responsável por mais de um terço da área de terra global e mais de 70% das retiradas de água doce. O desperdício de alimentos é responsável por 8% das emissões globais de gases de efeito estufa, desmatamento e degradação do solo e agrava a insegurança alimentar e a pobreza em muitas partes do mundo.

Na América Latina, uma região rica em recursos naturais e alimentos, cerca de 15% dos alimentos produzidos são perdidos anualmente. A Organização Pan-Americana da Saúde estima que a fome afetará 67 milhões de pessoas na região até 2030. As principais causas do desperdício de alimentos na América Latina são: superprodução, sistemas inadequados de armazenamento e transporte, falta de educação e conscientização e redes de distribuição ineficientes. Fontes da FAO apontam que as perdas e desperdícios totais na região ocorrem em todas as etapas da cadeia alimentar: 27% na produção; 22% durante o manuseio e armazenamento; 6% no processamento; 17% no marketing e distribuição; e 28% no nível do consumidor.
 

É importante destacar que as perdas e desperdícios de alimentos são um problema global e afetam a segurança alimentar, o meio ambiente e a economia em todo o mundo, incluindo a América Latina. Portanto, medidas para reduzir o desperdício e aperfeiçoar as práticas de produção, armazenamento e distribuição de alimentos são fundamentais para garantir a sustentabilidade e a segurança alimentar para as gerações presentes e futuras.
 

Soluções inovadoras na América Latina

Existem muitas soluções potenciais que podem ser implementadas para reduzir o desperdício de alimentos ao longo da cadeia de fornecimento, principalmente nas quatro verticais abaixo:
 

Upcycling: é o processo de reutilização de resíduos ou subprodutos alimentares em novos itens. Existem várias abordagens de upcycling que as empresas podem usar com materiais de resíduos alimentares, incluindo:

Reciclagem – Produtos excessivamente maduros ou com imperfeições que iriam para o lixo podem ser transformados em produtos de snacks, como chips ou crackers.

Compostagem – A decomposição de resíduos orgânicos, como alimentos, em compostos fornece um fertilizante natural para as plantas.

Digestão anaeróbia – Este processo utiliza microrganismos para decompor resíduos orgânicos em biogás, que pode ser usado como fonte de energia renovável.

Prevenção de Desperdício: empresas que geram um melhor planejamento de compras e controle de qualidade tendem a desperdiçar menos. Algumas tecnologias em ascensão podem ser vistas abaixo:

Sistemas de software de loja – Muitas startups agora fornecem soluções tecnológicas para ajudar as operações comerciais de alimentos a medir, rastrear e reduzir o desperdício de alimentos.

Modelagem preditiva – Essa tecnologia usa dados e algoritmos para prever a demanda de alimentos, limitando a compra excessiva e o desperdício de alimentos.

Rastreabilidade de alimentos – Essa tecnologia ajuda a rastrear a jornada dos alimentos, desde a fazenda até a mesa, fornecendo transparência e responsabilidade na cadeia de fornecimento de alimentos. Isso pode ajudar a prevenir o desperdício de alimentos, garantindo que os alimentos sejam manuseados e armazenados corretamente em cada etapa do caminho.

Aumento da vida útil: essa abordagem pode reduzir o desperdício de alimentos na etapa de consumo, permitindo que alimentos perecíveis durem mais tempo. Existem várias tecnologias que podem ser usadas para aumentar a vida útil dos produtos alimentícios, incluindo:

Revestimentos comestíveis – São camadas protetoras comestíveis adicionadas às frutas e vegetais para prevenir a perda de umidade e estender a vida útil dos alimentos.

Embalagens controladas/inteligentes – Certos materiais de embalagem podem responder às mudanças no ambiente, como temperatura e umidade, para estender a vida útil dos alimentos.

Processamento de alta pressão (HPP) – Este é um processo de pasteurização não térmico que utiliza alta pressão para matar bactérias e estender a vida útil dos alimentos.

Liofilização ou desidratação – As empresas congelam os alimentos e removem a água através de um processo de sublimação. Isso pode ajudar a preservar a qualidade e estender a vida útil dos alimentos.

Revenda ou Doação de Desperdícios: significa reutilizar produtos que normalmente seriam jogados fora, transformando-os em vendas ou doações. Algumas iniciativas incluem:

Aplicativos que conectam consumidores a empresas locais que possuem alimentos excedentes à venda por preços reduzidos.

Empresas que entregam alimentos “imperfeitos” diretamente na casa dos consumidores.

Empresas que conectam residências com alimentos excedentes aos seus vizinhos, reduzindo o desperdício, garantindo que a comida vá para pessoas que possam utilizá-la.

Plataformas que redistribuem alimentos excedentes para outras empresas, como hospitais, escolas, ONGs e instituições de caridade.

Na América Latina, assim como no resto do mundo, a redução da perda e do desperdício de alimentos é um desafio complexo e multifacetado. Também é um problema crescente na indústria de alimentos e bebidas. À medida que a sustentabilidade se torna mais prioritária para as empresas de bens de consumo e para os consumidores, muitas empresas estão procurando maneiras de reduzir seu desperdício. No entanto, as empresas de bens de consumo sozinhas não serão capazes de mudar o quadro completo. É necessário trabalhar em conjunto entre setores para reduzir significativamente a quantidade de alimentos desperdiçados e criar um sistema alimentar mais sustentável e equitativo.
 

Os desafios de combater o desperdício de alimentos na América Latina exigem coordenação e soluções de uma ampla gama de stakeholders, como empreendedores, governos, empresas de bens de consumo, investidores e consumidores. Vemos um mercado de investimento fértil para o futuro nos setores agrícola e de alimentos e continuaremos a incentivar o ecossistema local em direção a esse objetivo.

Por: Alexandre Stephan é sócio da SP Ventures, um fundo de investimento em early-stage que investe em agrifoodtech em toda a América Latina.

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

O estudo indicou que a conectividade no agro, que antes era uma novidade, agora se tornou uma tendência emergente.
Os pesquisadores vão debater projetos e ações para o desenvolvimento sustentável da piscicultura na Amazônia com uso de tecnologia.
Empresa tem como produtos biofertilizantes e biocombustíveis produzidos a partir da sanitização de resíduos orgânicos que podem ser utilizados no campo.
Modificações na agricultura por intermédio da tecnologia e inovação tentam minimizar os impactos da produção de alimentos no meio ambiente e tornar o setor mais eficaz e sustentável. Um sensor ajuda no processo