Search
Close this search box.

Como o agronegócio pode contribuir para reduzir a poluição?

14 de julho de 2023

Descubra 5 maneiras como o agronegócio pode se tornar mais sustentável e contribuir para diminuir a poluição ambiental
Compartilhe no WhatsApp
Como o agronegócio pode contribuir para reduzir a poluição?

Muitas vezes criticado por ainda recorrer a métodos altamente poluentes, o agronegócio pode ser um aliado na busca por um mundo mais sustentável. Para alimentar um planeta com a população de quase 8 bilhões de pessoas, técnicas de produção de comida em larga escala são fundamentais, mas isso não significa que é preciso abrir mão do cuidado ambiental. 

Conheça cinco maneiras como o agronegócio pode contribuir para a diminuição da poluição.

ILPF

Quando se fala de poluição atmosférica, é impossível não pensar no dióxido de carbono (CO2). O gás emitido de diversas maneiras, como pela poluição de indústrias e por automóveis movidos a motores de combustão, é altamente poluente e dura centenas de anos na atmosfera. 

Outro gás, porém, pode ser ainda mais danoso, trata-se do metano, que chega a ser 80 vezes mais prejudicial para o meio ambiente do que o CO2. Ele tem uma “vida” mais curta, ficando ativo por cerca de 12 anos, desse modo, a redução nas emissões de metano teria um impacto rápido para o combate à poluição.

O metano é um dos principais produtos da agropecuária, estima-se que 65% das emissões no Brasil provenham das atividades do setor. Desmatamento, queimadas e a utilização de solos para pecuária geram problemas dessa ordem e existem maneiras do agronegócio mitigar as emissões poluentes, como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

ILPF é um sistema de produção agropecuária que combina a criação de gado, a produção de culturas agrícolas e o plantio de árvores em uma mesma área. Esse sistema visa a maximizar a produtividade, otimizar a utilização dos recursos naturais e promover a sustentabilidade. 

A manutenção de áreas de florestas ou com árvores serve para sequestrar e devolver ao solo o carbono emitido durante as atividades agropecuárias. Além disso, as florestas ajudam na recuperação do solo, evitam erosões e alagamentos e fornecem sombra e proteção natural contra pragas.

Uso consciente de agrodefensivos

O uso de agroquímicos e defensivos pode gerar poluição de diversas maneiras. Pode, por exemplo, ocorrer a contaminação do solo e das águas subterrâneas quando os agrotóxicos se infiltram no solo e alcançam camadas mais profundas. Além disso, a dispersão de agrotóxicos no ar pode afetar a fauna e a flora locais, prejudicando a biodiversidade, afetando insetos benéficos e contaminando plantas não alvo. 

O uso excessivo de defensivos também leva ao desenvolvimento da resistência de pragas e doenças, e pode ter consequências negativas para a saúde humana. Para mitigar esses impactos, é necessário promover o uso responsável de agrotóxicos e buscar alternativas sustentáveis.

Uma das soluções para a redução no nível de uso de agrotóxicos e manutenção da produtividade é o manejo integrado de pragas e doenças. Essa é uma abordagem que combina diversas medidas naturais em vez de recorrer a meios químicos para o combate de pragas. 

No manejo integrado são utilizados ferramentas como o controle biológico, a rotação de culturas, o plantio de variedades resistentes, o monitoramento das pragas e a adoção de práticas de manejo adequadas. Isso reduz a necessidade de agrotóxicos e, consequentemente, diminui a contaminação ambiental.

O desenvolvimento da tecnologia também é um grande aliado para o produtor rural que busca maior sustentabilidade. A agricultura de precisão é uma abordagem que utiliza tecnologias avançadas, como sensores, sistemas de informações geográficas (SIG) e inteligência artificial (IA). Com essas ferramentas, busca-se um manejo mais preciso dos insumos agrícolas, como fertilizantes e agrotóxicos, reduzindo sua aplicação em áreas desnecessárias, o que resulta em uma menor exposição ao meio ambiente e na diminuição da contaminação.

word image 24106 3
Tecnologia é aliada para evitar desperdício de água. (Fonte: Getty Images/Reprodução)

Irrigação

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), 70% da água doce é utilizada na irrigação de campos agrícolas. Esse é um problema ambiental, já que o planeta pode sofrer com a falta de água potável para as próximas gerações. O uso mais consciente da água é uma das maneiras do agronegócio contribuir para reduzir o impacto ambiental.

Uma irrigação otimizada no campo pode ser alcançada com métodos tradicionais ou com a ajuda da tecnologia. Entre os exemplos de técnicas tradicionais há o mulching ou cobertura morta, que consiste no uso de materiais orgânicos ou plásticos para cobrir o solo ao redor das plantas, ajudando a reduzir a evaporação da água do solo e mantendo-o mais úmido por mais tempo. 

Além disso, a seleção de culturas e variedades mais adaptadas à seca é uma estratégia eficiente para reduzir a demanda de irrigação. As plantas adaptadas ao clima local e com maior resistência à escassez de água requerem menos irrigação para se desenvolverem adequadamente.

Outras práticas conservacionistas incluem o plantio direto e a rotação de culturas, que contribuem para a melhoria da estrutura do solo, aumentando sua capacidade de retenção de água. Isso reduz a necessidade de irrigação, uma vez que o solo consegue armazenar e disponibilizar água de maneira mais eficiente para as plantas.

O uso da tecnologia, entretanto, pode ajudar a otimizar a irrigação em diversos aspectos. A instalação de sensores no solo pode mostrar os reais níveis de umidade e necessidade de irrigação, e os sistemas de gotejamento e microaspersão estão cada vez mais desenvolvidos, o que gera uma economia de água.

Uso de energia renovável

O agronegócio ainda é, em grande parte, dependente do diesel e de outros combustíveis de fontes não renováveis. A própria dependência do modal rodoviário para a escoação da produção brasileira é uma questão preocupante. 

A adoção de fontes de energia renováveis no agronegócio, como a energia solar, eólica e de biomassa, contribuiria para a redução das emissões de gases de efeito estufa e diminuiria a poluição atmosférica. 

A utilização de sistemas de energia limpa, como painéis solares para irrigação, biodigestores para geração de biogás e biomassa como fonte de calor, já é uma realidade que promove a sustentabilidade energética nas propriedades rurais. Contudo, para ser implementada em larga escala, é preciso de uma ação conjunta de produtores, órgãos ambientais e dos governos federal e locais.

Gestão adequada dos resíduos

gestão correta dos resíduos produzidos pelo agronegócio é essencial para evitar a contaminação do solo, da água e do ar. A compostagem de resíduos orgânicos, a reciclagem de embalagens de agrotóxicos e o manejo adequado dos resíduos animais são práticas que contribuem para a redução da poluição e para a preservação ambiental.

Por: Estadão Summit Agro

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil 

Relacionadas

Veja também

Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
A Pecuária é responsável por US$ 1,37 bilhão das exportações sul-mato-grossense
O saldo alcançou US$9,42 bilhões, aumento de 14,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior
Programas de destaque incluem “Vivenciando a Prática”, que já mostrou realidade do agronegócio a mais de 30 mil estudantes e professores, e a Agroteca Digital