Search
Close this search box.

Com quase 6 mil produtores, DF se consolida no mercado avícola

17 de junho de 2024

Produção de frangos e ovos é destaque no Distrito Federal. A grande demanda da região por produtos de origem animal resulta nos quase 6 mil produtores cadastrados na Emater-DF
Compartilhe no WhatsApp
Com quase 6 mil produtores, DF se consolida no mercado avícola

A grande demanda por produtos de origem animal e de alto valor nutricional faz do Distrito Federal uma região promissora para o desenvolvimento da avicultura, vocação que se confirma com os 5.788 produtores cadastrados na Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF). “As pequenas e médias propriedades são maioria nesta atividade, que não necessita de grandes extensões de terra para se desenvolver”, diz o coordenador do Programa de Avicultura da Emater-DF, João Gabriel Palermo.

Entre as vantagens da avicultura estão a geração de segurança alimentar, o pouco investimento e o menor consumo de água, em comparação a outras cadeias.

Na empresa Gema do Cerrado, focada em ovos caipiras, a produção média gira em torno de 2,4 mil ovos por dia, com a manutenção de 2,7 mil aves. O produtor rural e técnico em avicultura Ney Fabio Borges, 47 anos, que tem mais dois sócios, explicou que o negócio, iniciado para obter renda extra, tornou-se um trabalho prazeroso, ao garantir o bem-estar das aves, criadas soltas no pasto.

“Nossas aves são criadas soltas no pasto, em seu habitat natural, onde têm acesso a uma ampla área de pastagem e banho de sol”, conta o produtor rural. É importante destacar que não utilizamos nenhum tipo de antibiótico ou promotor de crescimento em nossas aves”, garante Ney.

Atualmente, a Gema do Cerrado trabalha sob sistema de entrega, com uma carteira de mais de 800 clientes. Em média, a empresa fatura de R$ 80 mil a R$ 85 mil por mês com a produção dos ovos e gera três empregos diretos e um indireto.

Os próximos passos de Ney em relação à empresa envolvem a expansão do negócio com mais dois galpões, cada um com capacidade para 1, 5 mil aves. O aumento irá resultar em um crescimento de 100% na produção nos próximos cinco anos.

Tecnologia

Considerando a avicultura caipira e industrial, o ramo representa 85% da produção pecuária do DF, segundo dados da Emater. Nele, há sempre o aprimoramento de novas tecnologias e novas formas de utilização dos insumos. “No semiconfinamento, no frango semi-intensivo tipo caipira colonial, nós usamos muitas tecnologias do frango industrial, só que adaptadas para essa realidade. O nosso frango é um frango criado em galpão, mas que também tem acesso a piquete, tanto o frango de corte, como a galinha poedeira. Como difere um pouco, nós vamos adaptando as tecnologias”, exemplifica o coordenador da Emater.

No DF, a cadeia de produção de frangos de corte — matrizes e frangos — é basicamente realizada no sistema de integração pecuária, enquanto a cadeia de ovos de consumo é feita por produtores independentes, explica Rodrigo Hermeto, engenheiro agrônomo, presidente do Sindicato dos Avicultores do Distrito Federal (Sindiaves) e diretor da Federação da Agricultura e Pecuária do DF (Fape-DF).

Por Avisite

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Entre janeiro e junho, foi exportado quase o mesmo volume de peixes, em valores, de todo o ano passado
Doença em um aviário comercial no Rio Grande do Sul gerou fortes reflexos para os frigoríficos na B3
No periódico Current Microbiology, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Alimentos descreveram três cepas de bactérias do gênero Lactobacillus em queijos que podem beneficiar a saúde humana e atender às demandas da indústria queijeira