ESG no agronegócio, seus desafios e compromissos

A colunista do portal MAB, Thais Carloni lembra que os temas de governança, meio ambiente e diretrizes de responsabilidade social também passaram a ser prioritários no agronegócio, que tem buscado disseminar práticas e modelos de trabalho mais sustentáveis
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
ESG no agronegócio, seus desafios e compromissos
Existem diversas metodologias dentro da plataforma do ESG que auxiliam na estruturação e resultados esperados que servem como vetores institucionais e até financeiros para as iniciativas do agronegócio – Foto: Divulgação

A abordagem de hoje vem na esteira de tantos eventos de queimadas e perda de grandes áreas florestais em vários estados e municípios do Brasil nos últimos dias, o que incentiva a todos nós à reflexão e observação do futuro dos temas climáticos e do meio ambiente em face das ações sociais e confiança nos grandes setores da economia, como o Agronegócio. Refletem-se tais eventos não somente na perda de áreas públicas como riscos efetivos para grandes produtores em virtude dos estigmas que vivemos com mudanças climáticas e a impotência das autoridades. 

Com grande protagonismo na economia brasileira, o agronegócio representa mais de 20% do Produto Interno Bruto (PIB). Seus clientes e parceiros estão espalhados em todas as unidades da Federação. O setor vem construindo uma agenda sólida e robusta para impulsionar mudanças estruturais e inovadoras principalmente por meio de ações socioeconômicas que possam refletir-se diretamente na geração de empregos, na sustentabilidade dos negócios para suas empresas e toda sua cadeia de valores.  

Com papel de grande relevância, o agronegócio nas suas mais diversas modalidades, tamanhos e modelos tem grande repercussão no âmbito das iniciativas de ESG (Environmental, Social and Governance ou meio ambiente, social e governança) que influenciam diretamente a economia global. 

Os temas de governança, meio ambiente e diretrizes de responsabilidade social, nestes últimos anos, passou a ser tema prioritário e a todo momento, o setor busca disseminar práticas e modelos inovadores que possam revelar-se como incentivo de oportunidades socioambientais para seus parceiros no campo.  

Observando as diretrizes de regulação, políticas e valores na qual se enquadram os compromissos e pilares de ESG, as empresas do agronegócio amparam-se nas iniciativas de governança por meio de ações multidisciplinares que visam atender os anseios e necessidades da sociedade civil. Por sua vez, enfrentam também muitas críticas no âmbito dos desafios para a construção de uma plataforma de produtos mais sustentáveis ou produtos “verdes”.  

Mas não podemos esquecer que deste universo de produtores rurais e empresas de grande e médio porte estima-se uma expansão da produção agrícola mundial na ordem de 35%, que tem como meta impulsionar a cadeia alimentar de forma mais consciente e mais concentrada em produtos que venham do campo com tecnologias mais sustentáveis. 

No âmbito da plataforma de ESG existem diversas metodologias que auxiliam na estruturação e resultados esperados que servem como vetores institucionais e até financeiros para as iniciativas do agronegócio e fundamentalmente servem para estruturar a gestão e cultura de negócios sustentáveis alinhadas ao perfil de risco e compromissos das empresas do setor.   

Como indicado no Relatório Global de Riscos do Fórum Econômico Mundial, foram destacados os principais riscos que desafiam o segmento do agronegócio. Todos estes cenários se traduzem em métricas para avaliação dos investidores e impulsionam o sucesso das empresas e a confiabilidade nos programas de governança. Dentre os riscos inerentes as atividades do agronegócio, estão os temas ambientais, em especial, o setor busca criar metas que perpetuem uma atividade mais responsável no âmbito das mudanças climáticas, aplicação de recursos naturais e hídricos, emissões de carbono e geração de energias renováveis visando afastar infortúnios que a própria a natureza nos impõe.  

Além disso, o setor se propõe a assumir firmes compromissos com a formação de uma liderança mais sensibilizada; focada na transparência e criação de oportunidades e condições de trabalho seguro; segurança de processos; produtos mais verdes e aplicações inovadoras dentre outros. O que equivale dizer que os grandes líderes assumem um papel de vital importância no diálogo ético e transparente nas ações de redução e mitigação dos índices apontados para a proteção ao meio ambiente e no âmbito das ações relacionadas a mudanças climáticas, demonstrando com clareza a aplicação de investimentos em ações sociais e inovação na tecnologia de produtos sustentáveis.   

Compromissos visando uma Governança mais sólida, com planos de sucessão e agenda de longo prazo, além de firmes programas de compliance e adequações aos requisitos das legislações nacionais e internacionais; adoção de boas práticas no gerenciamento de riscos, maior transparência nos resultados obtidos destas ações e metas estruturais na agenda socioambiental e de baixo carbono, soam como uma esperança para os desafios de empresas influentes e empenhadas na construção de um mundo melhor. 

Enfim, cenários que se traduzem de forma positiva e com confiabilidade são as evidências para a geração de uma sociedade mais salutar para as futuras gerações.  Trata-se, portanto, de um compromisso sem volta, não se pode retroceder as métricas e desafios colocados na mesa e definidos como prioridade.  

Espera-se que o Agronegócio, como sempre o fez, desponte com resultados a curto prazo e destaque-se como segmento motivacional e exemplar a outras atividades da economia. Aposta consciente e resultado seguro, é o que todos esperamos. 

Por Thais Carloni

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O novo Decreto 11.129/2022, de 11 de julho de 2022 estabelece alterações na regulamentação da Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013), que dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira
Fato é que estamos diante de riscos por todos os lados. E muitas vezes em searas que nos expõem sem nosso conhecimento, sujeitando-nos a total insegurança jurídica no âmbito da privacidade de dados. Daí, tomar conhecimento dos riscos é fundamental para que a sociedade possa reagir em caso de eventos que nos impõem vulnerabilidades diante da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). 
Polícia Civil de São Paulo publicou cartilha que é um tutorial para que as pessoas não apenas se previnam dos golpes mais comuns, mas saibam o que fazer em caso de serem vítimas
Tema que sempre busca a reflexão, segundo a colunista Thais Carloni. Saiba mais sobre a LGPD conferindo o texto completo!
X