O Corneteiro de Pirajá e o Verdadeiro Espírito do Criador de Cavalos

Iniciativa, perseverança ou o que aprendemos a conhecer como ‘presença de espírito’ pode mudar muito coisa, até mesmo o rumo da história. A narrativa de hoje, do nosso colaborador Luiz Alberto Patriota, toca exatamente nesse sentido, o de acreditar e seguir em frente diante dessa intuição.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O Corneteiro de Pirajá e o Verdadeiro Espírito do Criador de Cavalos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sempre acreditei em ir contra o fluxo óbvio, sempre acreditei no princípio básico de investir na “baixa” e realizar resultados na “alta”. Às vezes, pode parecer sem sentido fazer algo quando ninguém mais acredita, ou investir em algo que poucos têm interesse. Pois é, há quase duzentos anos um desconhecido herói brasileiro fez isso e mudou a história do nosso país: o corneteiro de Pirajá, um personagem realmente inspirador e que nos ensina muito sobre o verdadeiro espírito do criador de cavalos. 

Vejam a história dele: 

Com a saída de Dom João do Brasil, de volta a Portugal, seu filho Pedro fica em terras brasileiras e, com ele, ficam as guarnições trazidas de Portugal por seu pai em 1808. Uma delas, liderada pelo general português Madeira de Mello proclama a independência na Bahia em 1822 e começa então um conflito com Portugal, que considera o gesto uma traição e trata o caso como uma insurreição contra a coroa. 

Naquela época, no Brasil, ainda não existia exército e estas guarnições compunham-se basicamente de camponeses e amadores civis que nunca haviam pegado em armas propriamente ou disputado uma batalha. Entre eles estava Luis Lopes, um negro experiente tocador de corneta, instrumento imprescindível para coordenação das tropas àquela época. 

Ainda que em condições precárias, esse “exército” ofereceu resistência e marchou para a batalha de Pirajá em pleno recôncavo Baiano. 

A batalha durava o dia inteiro, e já ciente de sua clara desvantagem, ao entardecer, o general brasileiro ordena o toque de retirar ao corneteiro. Cônscio de uma vantagem tática, visto que o sol se encontrava atrás das linhas brasileiras, o corneteiro, em vez de dar o toque de retirada, dá o toque de avançar. Os portugueses sem enxergar direito e confusos com o súbito ataque, supõem que os brasileiros haviam recebido reforços e batem em retirada garantindo a vitória na Batalha de Pirajá aos brasileiros e a independência ao Brasil. 

É esse o espírito do criador, somos todos corneteiros em um mercado que só nos diz para recuar, e nós, teimosamente, continuamos criando cavalos e indo adiante com nossos sonhos e projetos. 

Não há vitória sem perseverança e não há momento de maior glória e retorno do que acreditar em algo quando ninguém mais acreditava. É assim que os grandes feitos são construídos. 

Parabéns a todos os corneteiros criadores de cavalos! 

Adaptado: Blog Mangalarga Patriota
Crédito da foto: Divulgação

Leias outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também