Search
Close this search box.

Colheita do feijão chega a 76% da área cultivada no RS

8 de abril de 2024

A produtividade das lavouras do grão é estimada em 1.930 quilos por hectare pela Emater-RS/Ascar
Compartilhe no WhatsApp
Colheita do feijão chega a 76% da área cultivada

A área cultivada com feijão 1ª safra no Rio Grande do Sul está estimada em 25.264 hectares, e a produtividade em 1.930 quilos por hectare. Os números são do Informativo Conjuntural divulgado na última quinta-feira pela Emater-RS/Ascar. Conforme o levantamento semanal, prosseguiu a colheita nos Campos de Cima da Serra, região de cultivo mais tardio e responsável por aproximadamente metade da área cultivada em 1ª safra no Estado.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, em torno de 50% das lavouras foram colhidas. Alguns cultivos ainda estão em processo de maturação, porém, na maior parte ainda remanescente, foi realizado o processo de dessecação, visando à uniformização para colheita.Embora as lavouras de maior rendimento alcancem produção de 2,7 mil quilos por hectare, a média de rendimento, na região, é de 2,4 mil quilos por hectare.

Os grãos colhidos exibem boa qualidade, caracterizados por padrão satisfatório de cor, de acordo com a cultivar.Na de Pelotas, restam por colher pequenas lavouras destinadas basicamente para o autoconsumo.Feijão 2ª safra – A área cultivada em 2ª safra, no Estado, está estimada em 19,9 mil hectares, e a produtividade projetada é de 1.568 quilos por hectare.

As lavouras, de modo geral, apresentam crescimento e desenvolvimento normais, exibindo plantas de boa estatura, florada adequada e formação de vagens satisfatória. A colheita ainda está em fase inicial, progredindo lentamente à espera da finalização do ciclo das lavouras.

Quanto ao estado fitossanitário, observa-se uma incidência pontual de antracnose, principal doença que afeta essa cultura.Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, as lavouras apresentam bom desenvolvimento e estão distribuídas nas seguintes fases fenológicas: desenvolvimento vegetativo, 42%; floração, 30%; e enchimento de grãos, 28%.

A expectativa de rendimento atual é de 1.814 quilos por hectare.Na de Ijuí, 11% das lavouras estão no estágio inicial de maturação. Predominam as áreas em fase de formação de grãos (62%), apresentando potencial produtivo promissor e condição fitossanitária excelente.

Na de Santa Maria, 20% das lavouras estão em fase de desenvolvimento vegetativo, 23% em florescimento, 32% em enchimento de grãos, 22% no início da maturação, e 3% foram colhidas.Na de Soledade, o clima foi favorável para a cultura, proporcionando temperaturas adequadas, umidade do solo mantida por chuvas regulares e radiação solar suficiente.

Esses três elementos climáticos têm se mostrado benéficos para sustentar o padrão produtivo das lavouras. Continuam em andamento o monitoramento e o controle de pragas, como vaquinha, ácaro e mosca-minadora, assim como de doenças, como antracnose. De maneira geral, a pressão de doenças e pragas é baixa.

Quanto ao estágio fenológico da cultura, 12% estão em desenvolvimento vegetativo, 52% em florescimento, 35% em enchimento de grãos, e 1% em maturação.Comercialização (saca de 60 quilos) – O levantamento semanal de preços realizado pela Emater/RS-Ascar indica que a cotação média da saca de feijão no Estado, na semana, passou de R$ 317,70 para R$ 297,13, representando retração de 6,47%.

Por Rural News

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Mestre de torra da Mokado Lab de Cafés, da capital federal, supera 23 concorrentes e representará o Brasil no mundial da categoria, em Copenhagen, na Dinamarca
Rio grande do Sul havia colhido grande parte de sua produção de arroz antes das inundações
Este atraso da colheita pode ser atribuído a diversas condições climáticas adversas, especialmente no estado do Rio Grande do Sul.
Investimento em usina foi possível devido ao financiamento do Sicoob