O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Produtores começam a colheita do pinhão e esperam bons resultados

Boa notícia que chega com o inverno, já que a previsão deste ano é de uma safra 60% maior que de 2020, chegando a 1,4 mil toneladas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Para os apreciadores do pinhão, a boa notícia é que neste inverno ele não vai faltar na mesa do brasileiro. E quem é chegado a cozinhar já pode ir pesquisando as várias formas, simples e saborosas do consumo deste grão tradicional.

Os produtores de pinhão estão animados com expectativa de crescimento da produção para este ano. A Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), estima que em 2021 Santa Catarina colha entre 40% e 60% a mais de pinhão do que no ano passado, quando a produção chegou a 800 toneladas.

Cerca de 3 mil famílias da Serra catarinense trabalham nessa atividade. A colheita, que começou no início de abril, vai até junho. A previsão deste ano é de uma safra de 1,4 mil toneladas. O total é considerado abaixo das produções consideradas normais, quando passa de 3 mil toneladas.

“Em 2020 a safra foi praticamente insignificante, isso se considerar um ano normal. Ela foi de 10 a 20% , e em algumas localidades de exceção foi de até 30% do que seria a safra em um ano normal”, explica o gerente regional da Epagri em Lages, José Marcio Lehmann.

Apesar da previsão de uma safra abaixo do normal, os produtores estão otimistas. A produção de pinhão de 2021 vai compensar o prejuízo do ano passado. Em média, o quilo está sendo vendido pelo produtor a R$ 3,00. “Caso isso se mantenha, e com a safra é um pouco maior, já será satisfatório”, afirma Lehmann.

Pinhão é opção de renda e experiência que passa de pai para filho

No município de Painel, o que mais produz pinhão no estado catarinense, o trabalho para garantir uma renda extra não tem dia de folga durante esse período. De acordo com o produtor Orlei Arruda Melo, os trabalhos começam logo pela manhã e contam com a ajuda do filho para garantir o sustento da família. “É a melhor renda que a gente tem aqui na nossa comunidade, porque só a lavoura daqui não é suficiente. Tem que ser o pinhão para que possamos nos garantir”, explicou.

Outro exemplo é Lucas Souza Melo, que teve o pai como o professor para aprender a colher o pinhão. Com ajuda da espora ele chega a subir em até 30 pinheiros por dia. “Eu já subo nos pinheiros desde os 8 anos, isso é uma atividade que é passada de pai para filho”, disse.

Fonte: via assessoria

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil