Search
Close this search box.

Coalizão Brasil envia contribuições ao Plano Safra 2023/2024

23 de fevereiro de 2023

Entidade propôs medidas de incentivo à agricultura de baixo carbono e ao gerenciamento de risco climático no crédito rural
Compartilhe no WhatsApp
Coalizão Brasil envia contribuições ao Plano Safra 2023/2024

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura pediu ao governo federal “total alinhamento” do Plano Safra 2023/2024 com as metas climáticas assumidas pelo Brasil. A entidade, que entre seus integrantes representantes do agro, enviou um ofício ao Ministério da Agricultura com propostas para o incentivo à agropecuária mais sustentável no programa de crédito rural do país.

“As propostas visam contribuir para o contínuo aprimoramento do crédito e da mitigação de risco climático no Brasil. Se adotadas, sinalizarão a disposição do país em conciliar seu potencial agropecuário ao combate ao desmatamento e à insegurança alimentar, gerando emprego e renda”, afirma a Coalizão, em nota.

A avalição da entidade parte da premissa de que o Brasil não precisa perder mais “nenhum centímetro” de florestas ou outras vegetações nativas para expandir sua área de produção. E que o fortalecimento das boas práticas consolida o Brasil com grande produtor de alimentos com sustentabilidade e resiliência aos efeitos das mudanças climáticas.

No documento, a Coalizão pede o aumento do volume de recursos para o programa ABC+. Na avaliação da entidade, a demanda é de, no mínimo, R$ 8 bilhões em financiamentos com juros equalizados, 29% a mais que no Plano Safra atual. Além de redução das taxas em todas as linhas de crédito relacionadas ao programa, que visa incentivas a agricultura de baixo carbono.

A entidade propõe também a destinação de ao menos R$ 5 bilhões em crédito com juros equalizáveis para a linhas do Pronaf ABC+, de incentivo à agricultura de baixo carbono nas propriedades rurais familiares. Além da redução de juros nas linhas do programa e também do Pronaf Mais Alimentos.

Para a Coalizão, o governo deve incluir no Plano Safra também a exigência de se observar o cumprimento do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) em todas as operações de crédito. E o aumento do limite de empréstimo de custeio para o produtor que possuir apólice de seguro rural, seja com prêmio subvencionado ou não.

“Exigir a comprovação da qualidade das pastagens para os financiamentos de investimento do Pronaf, Pronamp, Moderagro e financiamentos sem vínculo a programa específico para aquisição de bovinos e, caso exista algum grau de degradação das pastagens, o financiamento deve ser feito em conjunto com a recuperação das pastagens degradadas e implementação de medidas de manejo”, propõe a Coalizão.

A entidade propõe ainda que parte dos recursos classificados como “sem vínculo a programa específico” seja realocada para linhas de financiamento ligadas ao programa ABC+, tanto na agricultura empresarial quanto familiar. Esses recursos viriam dos Fundos Constitucionais, no volume de R$ 686 milhões de cada um, totalizando R$ 2,06 bilhões.

Gestão de riscos

No documento entregue ao governo federal, a Coalizão propõe ainda o que chama de aprimoramento da gestão integrada de riscos na agropecuária. Entre as medidas, estão a garantia de R$ 2 bilhões para a subvenção do prêmio do seguro rural. Além de fomento à formação e capacitação de peritos agrícolas responsáveis pelas avaliações das propriedades.

Para pequenos e médios produtores que, atualmente, recebem recursos do Proagro, a proposta sugere a garantia de pelo menos R$ 100 milhões para subvenção de apólices de seguro rural. E outros R$ 200 milhões para quem tem contratos de financiamento pelo programa ABC+.

“O Plano Safra, principal instrumento da política agrícola brasileira, tem um papel central para o desenvolvimento sustentável. A Coalizão defende, portanto, seu total alinhamento às metas climáticas do Brasil e que seu portfólio seja vinculado a práticas de baixa emissão de carbono – visando à descarbonização da produção agrícola”, diz a entidade, em nota.

Sobre a Coalizão Brasil

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura é um movimento multissetorial que se formou com o objetivo de propor ações e influenciar políticas públicas que levem ao desenvolvimento de uma economia de baixo carbono, com a criação de empregos de qualidade, o estímulo à inovação, à competitividade global do Brasil e à geração e distribuição de riqueza a toda a sociedade. Mais de 300 empresas, associações empresariais, centros de pesquisa e organizações da sociedade civil já aderiram à Coalizão Brasil.

Por Globo Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Safra total de milho foi estimada em 114,14 milhões de toneladas, um acréscimo de 2,5 milhões de toneladas em relação ao previsto no mês passado; área plantada deve crescer 1% e produtividade deve avançar 1,2%
Essa parceria confirma a missão do AgroApp que é levar informações de qualidade para o produtor rural e profissional do campo.
Na comparação com a média diária de junho de 2023, há queda de 16,6% no valor obtido diariamente pelas exportações de açúcar em junho de 2024.
Em grande parte do Rio Grande do Sul, a colheita de arroz já foi finalizada