Search
Close this search box.

Climatempo ajuda governos estaduais a reduzirem os impactos das mudanças climáticas

7 de novembro de 2023

São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul contam com o apoio de equipes dedicadas da Climatempo para fornecer e analisar informações que norteiam ações de órgãos como a Defesa Civil.
Compartilhe no WhatsApp
Climatempo ajuda governo estaduais a reduzirem os impactos das mudanças climáticas

Os eventos climáticos extremos, influenciados por fenômenos atmosféricos como o El Niño e La Niña, são cada vez mais frequentes e impactam as cidades e as populações do País.

A fim de colaborar com o poder público nessas questões, a Climatempo – a maior e mais reconhecida empresa de consultoria meteorológica e previsão do tempo do Brasil e da América Latina – desenvolve projetos junto a governos estaduais que estão ajudando a reduzir esses impactos e a nortear o trabalho de órgãos, como a Defesa Civil dos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e São Paulo, e outros entes públicos nos estados do Rio de Janeiro e da Bahia, com o envio de alertas sobre a possibilidade de eventos como tempestades e ventanias por e-mail, app, Telegram e, a partir de agora, também pelo WhatsApp.

“As previsões meteorológicas e o monitoramento ininterrupto do clima são essenciais para nortear a atuação de agentes de órgãos públicos, incluindo a Defesa Civil dos Estados, no que diz respeito ao enfrentamento de possíveis eventos extremos como longos períodos de estiagem ou chuvas fortes”, explica Cátia Valente, Head na área de Projetos Governamentais da Climatempo.

No Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro e na Bahia, a Climatempo atua com suas equipes alocadas em Salas de Situação dos governos estaduais ligadas à ANA (Agência Nacional de Águas), cujo objetivo principal é realizar o monitoramento hidrometeorológico.

Nesses casos, o foco está tanto na incidência de grandes volumes de chuva quanto em longos períodos de estiagem. Isso porque, no caso de volumes excessivos de chuvas, seus efeitos afetam trechos de rios, riachos, reservatórios, lagos, córregos e aquíferos subterrâneos, resultando em inundações e enchentes que podem levar à queda de barreiras e pontes, interdição de rodovias, além de afetar o abastecimento de água e energia, entre outras ocorrências.

O monitoramento da Climatempo nestes três estados é mais voltado à ocorrência de chuvas intensas, que podem levar ao aumento do volume de água nos corpos hídricos e acarretar problemas diversos para os municípios, ou à seca, que pode gerar estiagens prolongadas, trazendo riscos à população e provocando a quebra de safra.

“Atuamos com equipes de especialistas dedicados para dar todo o suporte meteorológico necessário para que os gestores públicos responsáveis atuem com rapidez e eficiência em eventuais situações extremas”, explica Cátia Valente, destacando que a parceria no Rio Grande do Sul é com a SEMA (Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura); no Rio de Janeiro, com o INEA (Instituto Estadual do Ambiente), e na Bahia, com o INEMA (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos).

Em São Paulo, a Climatempo atua junto ao Centro de Gerenciamento de Emergências da Defesa Civil estadual, com a chamada meteorologia nowcasting, ou seja, com monitoramento e previsões de curto prazo, com preocupações mais voltadas a queimadas e estiagem no Estado no período seco, e com as chuvas mais severas no período úmido, que vai de dezembro a março.

O trabalho consiste em entregar informações que darão suporte à tomada de decisão dos gestores quanto ao envio de alertas por SMS à população. “Também colaboramos com o plano de prevenção da Operação Chuvas de Verão, em São Paulo, ajudando a capacitar agentes municipais por meio de oficinas e palestras e com a Sala de Situação, que funciona 24 horas por dia de dezembro a março”, destaca Willians Bini, meteorologista e Head de Comunicação da Climatempo.

Já a Sala de Monitoramento da Climatempo em Santa Catarina fica no Centro Integrado de gerenciamento de Desastres da Defesa Civil, e suas principais atividades são o monitoramento meteorológico do tempo de curto e curtíssimo prazos e a operação voltada aos riscos de eventos extremos.

As equipes da Climatempo dedicadas ao atendimento de governos podem ser formadas apenas por meteorologistas ou contar ainda com a atuação de profissionais multidisciplinares como hidrólogos, engenheiros e analistas de TI, entre outros. Funcionam 24 horas por dia ou em horários comerciais, conforme o Estado e o período do ano.

Envio de alertas sobre eventos climáticos

Para a análise das variáveis climáticas, os especialistas da Climatempo utilizam as informações geradas em tempo real pela plataforma tecnológica SMAC (Sistema de Monitoramento e Alerta Climatempo), que conta com funcionalidades especialmente desenvolvidas para o foco nas necessidades dos órgãos públicos.

Ao serem identificados eventos de interesse como tempestades, ventanias, chuvas de granizo e raios, as análises são compartilhadas com os órgãos governamentais dos Estados para uma tomada de decisão mais assertiva por parte das defesas civis.

Para o período das chuvas de primavera e verão, por exemplo, a Climatempo enviará alertas por WhatsApp de forma operacional para os clientes do SMAC que contratarem o serviço.

Dentro da plataforma também são disponibilizados os acumulados das chuvas em áreas de encosta, informação que auxilia a atuação preventiva da Defesa Civil de São Paulo e nos momentos em que é detectada a ocorrência de precipitações mais fortes e constantes nesses locais.

No caso de estiagem, como a que acaba de se encerrar em São Paulo, por exemplo, a Inteligência Artificial (IA) que integra dados e informações do SMAC ajudou a monitorar incêndios em tempo real dentro do mapa e a planejar medidas preventivas a partir de previsões para períodos de cinco dias.

Sobre a Climatempo

A Climatempo é a maior e mais reconhecida empresa de consultoria meteorológica e previsão do tempo do Brasil e da América Latina.

Desenvolve serviços de análises e previsões climáticas para empresas e instituições da área pública e privada, com serviços especializados que atendem mais de 22 setores de atividades, como energia, mineração, agronegócio e logística, entre outros. Para o público em geral, fornece informações sobre o clima por meio do seu website e aplicativos, e boletins com previsão do tempo para diversos veículos de comunicação. Juntos, esses canais somam 20 milhões de usuários mensalmente.
 

Comprometida com a inovação, foi a primeira empresa privada a oferecer análises climáticas customizadas no mercado brasileiro e, em 2015, instalou o LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), para atuar na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes.

Fundada em 1988, a Climatempo foi adquirida, em 2019, pela StormGeo, empresa líder global em serviços de inteligência meteorológica e suporte à decisão, sediada na Noruega, com presença em 15 países e 515 funcionários, e que, desde 2021, integra o grupo Alfa Laval, líder global no fornecimento de produtos nas áreas de transferência de calor, separação e manuseio de fluidos.

Por ASCOM Climatempo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

O fenômeno climático La Niña, conhecido por resfriar as águas do Oceano Pacífico, está agora começando a influenciar o clima, trazendo consigo uma nova série de desafios.
O calor, caracterizado por temperaturas máximas acima da média para esta época do ano, foi temporariamente amenizado por uma frente fria
Um ciclone extratropical se formará na costa da Argentina na madrugada de quarta-feira (8) e trará mais chuva para o país
Chuva segue como empecilho em parte da região Norte, enquanto na Bahia, lavouras de milho safrinha sofrem com deficiência hídrica