Search
Close this search box.

Clima seco faz soja e trigo dispararem no começo de junho; há risco de quebra?

8 de junho de 2023

Milho cai na bolsa de Chicago, enquanto café e açúcar apresentam diferentes movimentos em Nova York; entenda o clima do mercado
Compartilhe no WhatsApp
Clima seco faz soja e trigo dispararem no começo de junho; há risco de quebra?

As principais commodities agrícolas fecharam com movimentos de alta nos contratos da soja e do trigo na bolsa de Chicago (CBOT) nesta quinta-feira, que marca o início do mês de junho. Em Nova York (ICE Futures), o café e o açúcar apresentaram movimentos distintos.

Segundo Rafael Silveira, analista da Safras & Mercado, um dos fatores que fez com que os contratos da soja e do trigo avançassem foram as previsões de clima mais seco nos Estados Unidos nas próximas duas semanas.

No entanto, o analista ressalta que não há risco de quebra, e no geral, o clima segue favorecendo o mercado, que segue com viés de baixa. Com isso, os agentes financeiros precificam o avanço acelerado das safras norte-americanas de trigo, soja e milho.

Confira o fechamento das principais commodities agrícolas:

Açúcar

O açúcar, negociado na ICE Futures, fechou com queda de 0,71%, aos US$ 0,24

Café

O contrato futuro de café para julho na ICE Futures terminou com alta de 2,46%, aos US$ 1,83

Trigo 

O cereal terminou o dia na CBOT com alta de 2,77%, aos US$ 6,10

Soja

O contrato de soja com vencimento para julho em Chicago fechou em alta de 2,28%, aos US$ 13,29

Milho

milho com contrato para julho na CBOT fechou com queda de 0,25%, aos US$ 5,92

Por Money Times

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Exportações do agronegócio cresceram 14,8% em janeiro
Produzido a partir de dados do Caged, o levantamento mostra que as atividades que envolvem a colheita da laranja foram responsáveis por 54.232 contratações
Com maior disponibilidade de lavouras, produtores visam se capitalizar e/ou adiantar a colheita, comparativamente ao padrão sazonal de anos anteriores.
Em uma análise recente divulgada pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), as projeções apontam para um futuro promissor para o agronegócio brasileiro, especialmente para o setor de milho.