Search
Close this search box.

Citricultor: contribuindo para o protagonismo do agronegócio brasileiro e trabalhando a cada safra por uma produção sustentável

3 de julho de 2023

O Brasil é um dos maiores exportadores de frutas cítricas do mundo, sendo o principal no segmento de suco de laranja.
Compartilhe no WhatsApp
Citricultor: contribuindo para o protagonismo do agronegócio brasileiro e trabalhando a cada safra por uma produção sustentável

O Brasil é um dos maiores exportadores de frutas cítricas do mundo, sendo o principal no segmento de suco de laranja. A citricultura contribui ativamente com a economia do país, movimentando, em 2022, US$ 2 bilhões ou R$ 10,6 bilhões só com as exportações de suco de laranja, segundo o Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA). O Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), estima que a produção total de laranjas na safra 2023/24, no Cinturão Citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro, deve ser de 309,34 milhões de caixas, alta de 3,71% em relação à safra anterior.

Por trás destes números, que movimentam a economia do Brasil e de diversos setores, está o citricultor. Ele trabalha diariamente implementando melhorias processuais, técnicas e tecnologias na lavoura, sempre com olhar na sustentabilidade e respeito à sociedade. Todo esse sucesso não teria a mesma magnitude se não tivéssemos o seu comprometimento com a cadeia produtiva. Neste mês, em que celebramos o Dia do Citricultor, não poderíamos deixar de homenageá-lo e ressaltar sua luta diária por uma citricultura cada vez mais produtiva e sustentável, que está ganhando protagonismo no país e no mundo.

Mesmo enfrentando grandes desafios desde a implantação da cultura no Brasil, frente às adversidades no setor, como as questões climáticas e fitossanitárias, o citricultor segue investindo na produção de qualidade, apostando em diversas tecnologias no campo, principalmente em proteção de cultivos para controlar as pragas e doenças incidentes na lavoura, para que cada vez mais a citricultura atinja números expressivos, como já acontece hoje. 

Produtividade do citricultor com sustentabilidade

Além de produzir com qualidade e produtividade, o citricultor já se destaca na sustentabilidade. De acordo com o Fundecitrus, os pomares brasileiros estocam em torno de 133 milhões de toneladas de CO2, ou seja, para cada kg de biomassa de planta seca 0,47 kg é carbono, o que pode influenciar diretamente sobre as mudanças climáticas, gerando uma agricultura mais sustentável. A planta fixa gás carbônico durante o seu processo de fotossíntese. 

No setor, vem crescendo a cada safra as tecnologias sustentáveis que auxiliam o citricultor na proteção de suas lavouras contra as principais doenças e pragas. Essas inovações, que maximizam a produtividade e rentabilidade da produção, já conquistaram o prêmio de química verde, chancelado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA). Mais um esforço do setor para uma produção sustentável.

O comprometimento e seriedade do citricultor tem gerado e consolidado ao Brasil respeito e referência na produção de frutas e sucos de altíssima qualidade, com alto valor agregado, o que permite que a nossa bebida seja escoada mundialmente em quase sua totalidade produzida. Tudo isso, gerando emprego e movimentando toda a cadeia, além de avançar na sustentabilidade com retenção de carbono no solo. Em junho, quando comemoramos o Dia do Citricultor, não só nós, mas toda a população mundial deve brindar ao produtor e celebrar o seu trabalho, já que a cada cinco copos de suco bebidos no mundo, três são processados por indústrias brasileiras. 

Por Jeisiane Andrade, Agrônoma de Campo da Linha Citrus da Corteva Agriscience.

Por Notícias Agrícolas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nesses últimos dias, o ritmo de comercialização diminuiu e as cotações domésticas de algodão também recuaram, na contramão dos referenciais externos
Em farelo de soja, a expectativa é de exportação de 2,225 milhões de toneladas, em comparação com 1,869 milhão de toneladas na projeção anterior
O relatório do estudo completo está em fase final de elaboração e deve ser divulgado no começo de setembro.
Orizicultores têm preferido comercializar a matéria-prima no porto de Rio Grande, onde as ofertas para exportação se mantêm mais vantajosas